Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA





Outras recomendações:

Anywhere Else


António Olaio
TAGV, Coimbra

CICLO DE FILMES


CAO GUIMARÃES
MAAT, Lisboa

All de light that's ours to see


Judith Barry e Giovanbattista Tusa
Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa

Jornadas Lúcidas *6*


Oh BLUE!
Oporto, Lisboa

Festival Imago Lisboa


Foto Book Market
Ateliers da Penha, Lisboa

Palavra à Mesa


Adolfo Luxúria Canibal, Marta Abreu, Ana Deus e Alexandre Soares
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

O Acervo Manoel de Oliveira


Teresa Lima, Sónia Oliveira e António Preto
Casa do Cinema Manoel de Oliveira, Porto

OpenStudio19


Sofia Leitão e Diogo Guerra Pinto
Openstudio19, Lisboa

3.ª edição da TRAÇA – Mostra de Filmes de Arquivos Familiares


Marvila e Alvalade
Vários locais/Lisboa, Lisboa

Conversas: Um Estado da Arte


Paulo Pires do Vale e Rui Chafes
Brotéria, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


JUDITH BARRY E GIOVANBATTISTA TUSA

All de light that's ours to see




LUMIAR CITÉ - MAUMAUS
Rua Tomás del Negro, 8A
1750-105 LISBOA

18 NOV - 18 NOV 2020


Conversa online com a artista norte-americana Judith Barry e o investigador e filósofo Giovanbattista Tusa: 18 de novembro, 19h



O espaço Lumiar Cité, onde se apresenta a estreia internacional da instalação imersiva da artista norte-americana Judith Barry, "All de light that's ours to see", promove a 18 de novembro, às 19h00, uma conversa online com a artista, moderada pelo investigador e filósofo Giovanbattista Tusa. Para participar é necessária a inscrição através do endereço de e-mail admin@maumaus.org.

A instalação, que pode ser visitada em Lisboa até 22 de novembro, apresenta um palimpsesto de imagens em dois écrans que interroga o público sobre as formas de visionamento através de uma variedade de ambientes, desde a época medieval até ao presente.

A obra de Judith Barry abrange uma variedade de disciplinas, incluindo instalação, ‘project-based research’, arquitetura / design de exposições, filme / vídeo, performance / dança, escultura, fotografia e meios digitais.

Para a sua concretização, a artista apropria-se da história da Mondo Kim's, uma famosa cadeia de clubes de vídeo de Nova Iorque, em particular da procura de um local para o depósito dos seus cerca de cinquenta e cinco mil títulos, após o encerramento definitivo da empresa. O mercado dos clubes de vídeo promoveu uma transformação nas convenções de visualização das audiências que, partindo da tradição de experiência coletiva entre estranhos na escuridão de uma sala de cinema, se transformou em novos usos domésticos e em novas tipologias espaciais (incluindo videojogos e redes sociais).

Esta alteração radical nos modos como vemos e nos relacionamos com as imagens em movimento e, consequentemente, das noções de partilha e de experiência coletiva, deu lugar às novas formas de espacialização inerentes aos meios digitais.

Um palimpsesto de imagens, apresentado em dois écrans, interroga-nos sobre as formas de visionamento através de uma variedade de ambientes, desde a época medieval até ao presente. Vários espaços e configurações arquitetónicas são representados: dos teatros de anatomia às bibliotecas e arquivos; dos teatros convencionais aos templos eclesiásticos e à ilusão de ótica do trompe-l'œil; das fábricas projetadas para acomodarem novas formas de organização do trabalho aos museus; dos palácios de cinema aos panoramas; dos gabinetes de curiosidades (kunstkammers) à pintura renascentista e barroca e a sua relação com o desenvolvimento da perspetiva, da escultura, da abstração e da imagem em movimento.

Ao mesmo tempo, estes espaços são questionados por meio da história da tecnologia, considerando a relação entre as formas mais antigas com a cibernética, a robótica, a internet, as realidades virtual e aumentada, e a inteligência artificial.

O leque de espaços aqui figurados permite ao espectador percorrer uma série de momentos históricos e, em paralelo, questionar as mudanças sociais, as relações entre os diferentes tipos de media e a permanente evolução dos hábitos de consumo. A obra é, assim, uma meditação elegíaca sobre a mudança de hábitos no visionamento de imagens e o modo como somos modelados pelas evoluções tecnológicas e pelas novas formas dos meios de comunicação.


:::


Judith Barry (EUA, 1954) vive e trabalha em Nova Iorque. A sua obra foi apresentada internacionalmente, incluindo nas seguintes exposições: Berlin Biennale, Venice Biennale(s) of Art/Architecture, Sharjah Biennial, Bienal de S. Paulo, Nagoya Biennale, Carnegie International, Whitney Biennale, Sydney Biennale e documenta. Uma mostra retrospetiva do seu trabalho circulou por vários espaços na Europa, incluindo o Museu Coleção Berardo (2010). As suas publicações incluem: “Judith Barry: body without limits” (2009), “The Study for the Mirror and Garden” (2003), “Projections: mise en abyme” (1997) e “Public Fantasy” (1991). Entre os seus prémios destacam-se: Kiesler Prize for Architecture and the Arts (2000) e Best Pavilion and Audience Award (8th Cairo Biennale, 2001). Atualmente, desempenha os cargos de Diretora e Professora do ACT-MIT Program in Art, Culture and Technology (Cambridge, EUA).