Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA



Cortesia Hangar Music. Créditos das imagens: Mónica de Miranda

Outras recomendações:

Virgens Suicidas


John Romão
Culturgest, Lisboa

F...


Cátia Pinheiro, Patrícia da Silva, Paula Sá Nogueira
Teatro Municipal do Porto, Porto

Unearthing


RitaGT
Yorkshire Sculpture Park,

The residual pieces


Solveig Phyllis Rocher
Rivoli Teatro Municipal, Porto

Projeto Prétu: A Luta Continua


Chullage
Hangar - Centro de Investigação Artistica, Lisboa

Há algo de irreversível no ar: notas para descolonizar o inconsciente


Suely Rolnik
Teatro do Bairro Alto - TBA, Lisboa

De que é feita uma coleção? Corpo e Matéria


Ciclo de conversas
Centro de Arte Contemporânea de Coimbra, Coimbra

Welcome to Paradise!


Luís Ribeiro e Raquel Guerra
Espaço MIRA, Porto

Cock, Cock… Who’s There?


Samira Elagoz
Lux Frágil, Lisboa

Atlântico


Tiago Cadete
Teatro Nacional D.Maria II, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


CHULLAGE

Projeto Prétu: A Luta Continua




HANGAR - CENTRO DE INVESTIGAÇÃO ARTISTICA
Rua Damasceno Monteiro, 12
1170-112 LISBOA, PORTUGAL

23 JAN - 23 JAN 2021


LANÇAMENTO: 23 de Janeiro de 2021


Novo trabalho de Chullage em sequência ao projeto Prétu: single "A Luta Continua", que será lançado em 23 de Janeiro de 2021 acompanhado por um trabalho visual.


A música parte dum sample de “A Luta Continua” do disco Matudi Ua Ufolo de David Zé (1975) e começa com um trecho da última mensagem de Amílcar Cabral transmitida pela Rádio Libertação antes do seu assassinato em Janeiro de 1973. O tema é um multiverso sónico que conta com a participação de Tristany que acrescenta ainda mais latitudes a esta viagem. O princípio que guia a letra é o de que o colonialismo não acabou e como tal a luta também não. E que esta se estende no tempo e nos espaço, do mato onde se travou a guerrilha nos anos 60/70 para o mato de cimento das colónias da ainda metrópole, ou cidades africanas continuamente fustigadas pelos colonialismo e suas mazelas.

O vídeo é uma colaboração artística entre prétu e Mónica de Miranda e reflete a não linearidade do tempo e espaço. Opta por colocar os movimentos de libertação como ação contínua e permanente em vez de remetê-los para um momento congelado e isolado da suposta história (apresentando o colonialismo como algo ultrapassado). O mesmo coloca ainda a diáspora africana como mais um palco ou um mato dessa luta sendo grande parte dessa diáspora resultado direto do estúdio de África e seus recursos. O vídeo faz uma releitura do arquivo fotográfico de Amilcar Cabral, obra já abordada nos trabalhos individuais de Prétu e de Mónica de Miranda e reconstrói de forma anacrónica (amalgamando o presente, passado e futuro) imagens apelam para uma ação presente.

Ao contrário do que aconteceu nos álbuns em que assina Chullage, no projeto Prétu, Chullage produz a totalidade da sua música, a partir de um universo de samples que sempre tiveram ressonância em si ou que fazem parte das suas memórias de infância. Os seus sons são também o processo de procura por música africana politicamente engajada. Além disso é uma tentativa de emancipação rumo a outras cosmovisões de luta contra a opressão. Aos samples junta programações com influências da música eletrônica africana. É uma conversa consigo e com a sua comunidade onde se propõe a matar o preto ou a preta que a prática colonial e racista construiu dentro de nós, para que daí, da reafricanização do espírito, possa nascer uma nova entidade prétu/préta. Uma entidade do outro futuro possível. Entidade que Amilcar Cabral chamou o novo homem e mulher africanos. Entidade que nasce dum grito semelhante ao de James Baldwin “I’m not your negro”.


Música + Vídeo: https://chullage.org/

Projeto apoiado e produzido pelo Hangar Music em colaboração com a Ghost Productions.


:::


Hangar Music pretende ser um movimento de intersecção na música e nas artes visuais, com uma visão que se fixa firmemente no futuro criativo que reconhece a criatividade como um catalisador transcendente para a mudança. Reconhece identidades desenvolvidas através de diversas experiências e culturas – mas forjadas através de uma consciência africana e suas diásporas e em movimentos artísticos contemporâneos não ocidentais. Responde a movimentos culturais atuais, no debate sobre fronteiras, imigração, nacionalidade e globalização propondo novas visões e ações sociais e artísticas.