Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Livro Verde: Contra-Arquitectura. Re-construir a Realidade


Lançamento do livro
MAAT, Lisboa

CICLO DE CONFERÊNCIAS FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA 2021 – ARTE E CONTÁGIO


Manuel Castro Caldas
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

JORGE SALAVISA – KEEP GOING


Marco Martins
Cinemateca, Lisboa

COLLECTING ARCHITECTURAL IDEAS DE NIALL HOBHOUSE, COM ÁLVARO SIZA


Niall Hobhouse, Álvaro Siza Vieira
FAUP - Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, Porto

CONFERÊNCIA COM YVES MICHAUD


Yves Michaud
MAAT, Lisboa

CICLO DE CONFERÊNCIAS FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA 2021 – ARTE E CONTÁGIO


4ª Sessão com António Filipe Pimentel
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

Processos Criativos nas Ciências e nas Artes. A questão da participação pública


Catarina Pombo Nabais
Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Lisboa

SIZA TALKS 2021: DISCURSOS SOBRE ARQUITETURA


CONVERSAS COM O LUGAR
Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto

CICLO DE CONFERÊNCIAS FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA 2021 – ARTE E CONTÁGIO


3ª Sessão com Vera Appleton
Fundação Carmona e Costa, Lisboa

RECUPERAR O CORPO


Sónia Baptista, Rita Só, Mónica Calle, Tiago Barbosa
Teatro São Luiz, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


SÓNIA BAPTISTA, RITA SÓ, MÓNICA CALLE, TIAGO BARBOSA

RECUPERAR O CORPO




TEATRO SÃO LUIZ
Rua António Maria Cardoso, 38
1200-027 LISBOA

10 NOV - 14 NOV 2021


>>>


10 e 11 novembro

Haikus de Sónia Baptista


13 e 14 novembro

Interior de Rita Só e Mónica Calle

A Grande Sombra Loira de Tiago Barbosa



Direção artística de Miguel Bonneville

Recuperar o Corpo é um ciclo de solos de um conjunto de artistas cujas atuações tiveram um impacto profundo no modo de pensar e fazer arte de M̶i̶g̶u̶e̶l̶ Bonneville. Reuniram-se os solos sob um tema abrangente: o do corpo do intérprete-criador, a partir da premissa de que não há arte sem corpo. Ao fazê-lo, temos como grande propósito a recuperação de um corpo estético pré-reflexivo que faz da sua existência uma contemplação desveladora da sua loucura, em oposição ao pensamento geral que pensa que, no desvelar da loucura, aquilo que se vai encontrar é essencialmente um corpo depressivo ou violento. O corpo que aqui tratamos é de um corpo singular, que é experimentado na primeira pessoa, e que se rebela para não se deixar reduzir ao ponto de vista exterior e geométrico que o coloca no espaço e o domestica. No limite, estes solos poderiam ser extensões uns dos outros. Revelam-nos o imaginário de artistas que não se deixam aprisionar.