Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Aprender a Desaprender


Paulo Moreira e Dafne Editora
INSTITUTO, Porto

ABRIL VERMELHO


COLECTIVA
CAV - Centro de Artes Visuais, Coimbra

QUINTAIS


Ondjaki e Marissa Moorman
Batalha Centro de Cinema, Porto

II Congresso de História Pública em Portugal


Vários
Museu do Aljube, Lisboa

Deus Só


Sara Ribeiro
Rua das Gaivotas 6 , Lisboa

Lisbon Art Weekend


Vários
Vários locais/Lisboa, Lisboa

The Passenger


Sou Vai Keng e Martin Zeller
IMAGO, Lisboa

Enquanto o espaço for


José Pedro Croft, Pedro Cabrita Reis, Pedro Calapez, Rui Sanches
Galeria Fernando Santos (Porto), Porto

1975-1983


Júlia Ventura e Pedro Lapa
Culturgest, Lisboa

Rh – REVOLUÇÃO HUMANA


Vários
Teatro Meridional, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


JOãO FERRO MARTINS

100 Whatts




SISTEMA/SMOP
Rua do Conde, 77


20 MAI - 20 MAI 2023


PERFORMANCE: 20 de Maio, às 21h00 no Sistema/Smop, Lisboa


:::


Noite mais próxima do conceito de performance do que com ‘um concerto tradicional’.
João Ferro Martins apresentará o espectáculo da sua autoria ‘100 Whatts’, que como o próprio descreve – ‘A substância narrativa da obra é ampla mas determinada por uma lógica de questionamento, indo do quotidiano ao político, do absurdo às emoções.’
A dupla Guilherme Rodrigues & Henrique Varanda centrará a sua apresentação, também eles, no questionamento sobre um ‘percurso do que os olhos não veem’.

JOÃO FERRO MARTINS
100 Whatts
Duração | 30' - 40'

100 Whatts é uma performance sonora baseada numa camada pré-gravada de texto aplicada sobre uma sub-camada de improvisação de som ao vivo com teclado, samples e efeitos. A substância narrativa da obra é ampla mas determinada por uma lógica de questionamento, indo do quotidiano ao político, do absurdo às emoções. A abordagem desta apresentação é muito simples; por um lado, a atenção está principalmente no texto, mas a parte abstracta musical da performance tem o seu tempo e o seu lugar específicos e surge como uma possibilidade para esquecer ou para nos envolvermos ainda mais com as perguntas que são feitas.

GUILHERME RODRIGUES & HENRIQUE VARANDA - COMPANHIA DE TRANSPORTES | Máquina transportadora marítima, leva-nos para a outra margem à margem, elementos sónicos, cáusticos e conciliantes. Máquina transportadora sónica, mostra-nos o percurso que os olhos não veem, aquela janela intemporal, que Mundo é esse, distante e azul.