Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA



Outras recomendações:

Umbigo #89 - Apocalipse


Vários
Jahn und Jahn, Lisboa

Problemas do Primitivismo, a partir de Portugal


Mariana Pinto dos Santos e Ludgero Almeida
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

Retratos da Diáspora. Visões afro-lisboetas


Filipa Vicente e Adão Marcelino
Padrão dos Descobrimentos, Lisboa

RADICAIS LIVRES: experiências da dança no cinema experimental


Bárbara Janicas
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

NORMA


Diana Niepce
Jardins do Bombarda - Centro Cultural e Comunitário, Lisboa

Na boca da baleia


Susana Neves
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Noites de Verão 2024


Vários
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

ESPELHO MÁGICO - UMA HISTÓRIA DO CINEMA


Francisco Valente
Livraria Linha de Sombra, Lisboa

Brotéria


Samuel Silva
Brotéria, Lisboa

Paisagens Partilhadas


Caroline Barneaud e Stefan Kaegi
Culturgest, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


JOSé PEDRO CROFT, PEDRO CABRITA REIS, PEDRO CALAPEZ, RUI SANCHES

Enquanto o espaço for




GALERIA FERNANDO SANTOS (PORTO)
Rua Miguel Bombarda, 526/536
4050-379 PORTO

01 JUN - 01 JUN 2024


CONVERSA: 1 de Junho, 18h, na na Galeria Fernando Santos, Porto


CONVERSA
José Pedro Croft, Pedro Cabrita Reis, Pedro Calapez, Rui Sanches

No âmbito da exposição Enquanto o espaço for, de Pedro Calapez na Galeria Fernando Santos
16 Mar 2024 - 09 Jun 2024



Do que nem sequer há ideia

“Mas o não-ser ficou sempre referido ao ser, exceto nesses “algos” que aparecem no Parménides como exemplo daquilo de que “não há ideia”: o que sobeja dos corpos vivos, os restos da matéria, tudo isso de que “não há sequer ideia”. (Maria Zambrano)

Continua-se a pintura nos momentos que a interrogam: a expectativa do que é desconhecido e deslumbra, o exercício do desligar o composto, o envolvimento do olhar, a extensão do campo da visão , o prolongamento do corpo na sua fragmentação. Questionar o espaço é o que continuamente a pintura faz. Não será no sentido de “the final frontier”, a ambição dos anos sessenta, a crença na possibilidade de ir mais além, mas a constatação de que um espaço está para lá do corpo e é um lugar; a sua possibilidade depende de como este se apresenta.
A afirmação do espaço é imperativo, pelo gesto que emana do corpo, pelo o objecto construído, que estabelece novas regras. Resta a possibilidade de uma “representação”, um “simulacro”, ou um ambiente de vivências, a constatação do nada.

Pedro Calapez, Março 2024