Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Umbigo #89 - Apocalipse


Vários
Jahn und Jahn, Lisboa

Problemas do Primitivismo, a partir de Portugal


Mariana Pinto dos Santos e Ludgero Almeida
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

Retratos da Diáspora. Visões afro-lisboetas


Filipa Vicente e Adão Marcelino
Padrão dos Descobrimentos, Lisboa

RADICAIS LIVRES: experiências da dança no cinema experimental


Bárbara Janicas
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

NORMA


Diana Niepce
Jardins do Bombarda - Centro Cultural e Comunitário, Lisboa

Na boca da baleia


Susana Neves
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Noites de Verão 2024


Vários
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

ESPELHO MÁGICO - UMA HISTÓRIA DO CINEMA


Francisco Valente
Livraria Linha de Sombra, Lisboa

Brotéria


Samuel Silva
Brotéria, Lisboa

Paisagens Partilhadas


Caroline Barneaud e Stefan Kaegi
Culturgest, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


ONDJAKI E MARISSA MOORMAN

QUINTAIS




BATALHA CENTRO DE CINEMA
Praça da Batalha 47
4000-101

16 JUN - 16 JUN 2024


CONVERSA: Dia 16 de Junho entre as 18h00 e as 20h00 no Batalha Centro de Cinema, Porto

Orador : Ondjaki

Curadora: Marissa Moorman



:::


GREENHOUSE, o projeto que representa Portugal na 60.ª Exposição Internacional de Arte - La Biennale di Venezia apresenta um Programa Satélite em coprodução com o Batalha Centro de Cinema, no Porto, que convida o escritor angolano Ondjaki e a investigadora e professora Marissa Moorman.

Esta apresentação pretende ser um momento de reflexão e discussão sobre os sons da palavra falada ou cantada e sobre as lutas de libertação em Angola. Este momento no Porto acontece dois dias depois da primeira apresentação de QUINTAIS no Pavilhão de Portugal, em Veneza, com Kalaf Epalanga, Ângela Coutinho, Marissa Moorman e Ondjaki.

GREENHOUSE é um projeto baseado em interconexões de prática, teoria e pedagogia, apresentando o espaço expositivo como um lugar de experimentação e reflexão. Baseia-se em quatro ações: JARDIM (Instalação, Espaço e Tempo), ARQUIVO VIVO (Movimento, Som e Performance), ESCOLAS (Educação, História e Revolução), ASSEMBLEIAS (Público e Comunidades).

QUINTAIS, faz parte da ação ASSEMBLEIAS, o vasto programa público que conta com inúmeros convidados portugueses e internacionais, até ao final da exposição, a 24 de novembro de 2024.

Ondjaki recebeu inúmeros prémios como o Prémio José Saramago (Portugal, 2013), FNLIJ (Brasil, 2010 & 2014), JABUTI juvenil (Brasil, 2010) e o prémio Littérature-Monde (França, 2016) com o livro “Os Transparentes”. Está traduzido para francês, espanhol, italiano, alemão, inglês, sérvio e sueco. Marissa J. Moorman é Professora Catedrática de Estudos Culturais Africanos na University of Wisconsin-Madison, é doutorada em História de África pela University of Minnesota e é autora de várias obras como "Intonations: a Social History of Music and Nation Luanda", "Angola, 1945 to Recent Times" ou "Powerful Frequencies: Radio, State Power, and the Cold War in Angola, 1931-2002". A autora, para além de diversas publicações sobre música, media, moda, cinema, rádio e espaço urbano, é a diretora do Centros de Estudos Africanos na University of Wisconsin-Madison e é editora do jornal académico The Journal of African History, Cambridge University Press.

GREENHOUSE, o projeto coletivo de Mónica de Miranda, Sónia Vaz Borges e Vânia Gala, representa Portugal na 60.ª Exposição Internacional de Arte - La Biennale di Venezia, uma edição que tem como tema “Estrangeiros em Todos os Lugares” e pode ser visto pelo público até ao dia 24 de novembro de 2024, no Palazzo Franchetti, em Veneza.

GREENHOUSE desafia lógicas instituídas de produção e representação artísticas, que tantas vezes reproduzem relações abissais entre curadores/artistas, criadores/críticos, arte/academia. O projeto desafia também noções monolíticas de identidade, cultura, nação e pertença, ao conceptualizar uma alternativa de construção identitária que coloca no seu centro as intersecções entre ecologia, arte e política trazendo discussões internacionais para um pavilhão nacional.

A Representação Oficial Portuguesa é comissariada pela Direção-Geral das Artes (DGARTES).