Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Umbigo #89 - Apocalipse


Vários
Jahn und Jahn, Lisboa

Problemas do Primitivismo, a partir de Portugal


Mariana Pinto dos Santos e Ludgero Almeida
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

Retratos da Diáspora. Visões afro-lisboetas


Filipa Vicente e Adão Marcelino
Padrão dos Descobrimentos, Lisboa

RADICAIS LIVRES: experiências da dança no cinema experimental


Bárbara Janicas
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

NORMA


Diana Niepce
Jardins do Bombarda - Centro Cultural e Comunitário, Lisboa

Na boca da baleia


Susana Neves
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Noites de Verão 2024


Vários
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

ESPELHO MÁGICO - UMA HISTÓRIA DO CINEMA


Francisco Valente
Livraria Linha de Sombra, Lisboa

Brotéria


Samuel Silva
Brotéria, Lisboa

Paisagens Partilhadas


Caroline Barneaud e Stefan Kaegi
Culturgest, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

ABRIL VERMELHO




CAV - CENTRO DE ARTES VISUAIS
Pátio da Inquisição 10
3001-221 COIMBRA

15 JUN - 15 JUN 2024


VISITA GUIADA: Dia 15 de Junho às 16h30 no Centro de Artes Visuais, Coimbra


:::


No ano em que se comemoram os cinquenta anos do 25 de Abril, o CAV vai propor uma exposição onde artistas nacionais e internacionais problematizem o significado deste meio século de liberdade e democracia no nosso País. Estruturada a partir de obras existentes e projetos encomendados, a exposição vai dar visibilidade a modos de entender a Revolução em sentidos polissémicos, abrindo um espaço de discussão desejado sobre o que se cumpriu e o que falta cumprir.

Estruturada a partir da participação maioritária de artistas nascidos depois de 1974, esta será uma oportunidade de aferir que tipo de valores e preocupações estes autores preferem discutir através das suas propostas visuais, atualizando assim o acervo iconográfico associado à história da Revolução dos Cravos.

Neste contexto dar-se-á particular ênfase aos países que saíram da esfera colonial do antigo regime, aduzindo vozes que reflitam sobre as próprias narrativas de empoderamento social, político e individual.