Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Umbigo #89 - Apocalipse


Vários
Jahn und Jahn, Lisboa

Problemas do Primitivismo, a partir de Portugal


Mariana Pinto dos Santos e Ludgero Almeida
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

Retratos da Diáspora. Visões afro-lisboetas


Filipa Vicente e Adão Marcelino
Padrão dos Descobrimentos, Lisboa

RADICAIS LIVRES: experiências da dança no cinema experimental


Bárbara Janicas
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

NORMA


Diana Niepce
Jardins do Bombarda - Centro Cultural e Comunitário, Lisboa

Na boca da baleia


Susana Neves
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Noites de Verão 2024


Vários
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

ESPELHO MÁGICO - UMA HISTÓRIA DO CINEMA


Francisco Valente
Livraria Linha de Sombra, Lisboa

Brotéria


Samuel Silva
Brotéria, Lisboa

Paisagens Partilhadas


Caroline Barneaud e Stefan Kaegi
Culturgest, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


PAULO MOREIRA E DAFNE EDITORA

Aprender a Desaprender




INSTITUTO
Rua dos Clérigos


13 JUN - 13 JUN 2024


APRESENTAÇÃO DO LIVRO: Dia 13 de Junho às 21h30 no Instituto, Lisboa


:::


A Dafne Editora apresenta Aprender a Desaprender.
Diálogos para a descolonização da arquitetura, uma contribuição singela e poderosa para compreender os caminhos, os métodos e as abordagens que uma nova geração está a usar para posicionar a arquitetura no debate sobre a descolonização.


O livro, editado por Paulo Moreira, reúne contributos de Ibiye Camp, Margarida Waco, Mónica de Miranda, Luísa Santos, Banga Colectivo, Cartografia Negra, Natache Sylvia Iilonga, Thaís Andrade, Gabriela Leandro Pereira, Lara Isa Costa Ferreira, Demas Nwoko e Anyibofu Nwoko Ugbodaga. São muitas vozes de origens e percursos variados, cuja experiência torna acessível, num tom coloquial, claro e assertivo. Estes contributos desafiam as heranças coloniais, com as dificuldades e riscos inerentes. O objetivo é ampliar o alcance da disciplina da arquitetura, mesmo que não haja certeza nem convergência de ideias a propósito das suas ferramentas. O caminho não é linear, mas olhar «ao contrário» e romper os discursos predominantes pode ser um bom ponto de partida.