Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Umbigo #89 - Apocalipse


Vários
Jahn und Jahn, Lisboa

Problemas do Primitivismo, a partir de Portugal


Mariana Pinto dos Santos e Ludgero Almeida
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

Retratos da Diáspora. Visões afro-lisboetas


Filipa Vicente e Adão Marcelino
Padrão dos Descobrimentos, Lisboa

RADICAIS LIVRES: experiências da dança no cinema experimental


Bárbara Janicas
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

NORMA


Diana Niepce
Jardins do Bombarda - Centro Cultural e Comunitário, Lisboa

Na boca da baleia


Susana Neves
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Noites de Verão 2024


Vários
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

ESPELHO MÁGICO - UMA HISTÓRIA DO CINEMA


Francisco Valente
Livraria Linha de Sombra, Lisboa

Brotéria


Samuel Silva
Brotéria, Lisboa

Paisagens Partilhadas


Caroline Barneaud e Stefan Kaegi
Culturgest, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


BáRBARA JANICAS

RADICAIS LIVRES: experiências da dança no cinema experimental




ZDB - GALERIA Zé DOS BOIS
Rua da Barroca, 59
1200-049 LISBOA

10 JUL - 10 JUL 2024


CICLO DE CINEMA: Dia 10 de Julho entre as 19h00 às 20h00 na Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Programação: Bárbara Janicas



:::


Este ciclo convida à descoberta de uma outra história do cinema experimental sob o signo da dança, através de uma série de filmes incontornáveis e inclassificáveis que, relembrando a misteriosa fórmula do filósofo Jean-François Lyotard, são capazes de fazer ver que “ver é uma dança”. Do primeiro fenacistoscópio mostrando as etapas sucessivas da pirueta de um bailarino, às decomposições cronofotográficas do célebre Pas de deux filmado por Norman McLaren; das primeiras captações de danças serpentinas pintadas à mão sobre a película, às mirabolantes adaptações de coreografias pós-modernas através de múltiplas exposições e outros efeitos caleidoscópicos concebidos por Ed Emshwiller; dos estudos de “coreografias para a câmara” de Maya Deren, às improvisações com a “câmara somática” de Marie Menken; dos transes de rabiscos tribais gravados por Len Lye sobre o suporte fílmico, às configurações aleatórias de formas luminosas em movimento geradas por IA... Uma “pulsão dançante” profundamente ancorada na conceção e na perceção do movimento das imagens acompanha a evolução das formas cinematográficas experimentais ao longo das décadas, pulsão dançante essa que, não se reduzindo às posturas corporais e aos passos de dança académicos, emana dos gestos criativos de diversos cineastas e se repercute nas experiências sensíveis que os próprios filmes propõem aos/às espectadores/as, impulsionando-os a dançar com o olhar perante as figuras que se metamorfoseiam ou se agitam sobre o ecrã de projeção.

Em três sessões temáticas – “Pioneiras da cine-dança”, “Black & light dances” e “Corpos e grafias / coreias gráficas” – e uma sessão de homenagem a Ed Emshwiller – cineasta experimental e pioneiro da arte vídeo que, nos anos 60-70, colaborou com os coreógrafos americanos Alwin Nikolais e Carolyn Carlson –, este ciclo põe em destaque e confronta várias cine-danças emblemáticas da história do género, com algumas das obras de “radicais livres” que desafiam e ampliam os limites da disciplina, ou ainda com criações mais recentes que revisitam este legado cine-coreográfico à luz das tecnologias do cinema digital. Roubada ao principal filme “raspado” (scratched) sobre a película do precursor da animação direta Len Lye – que por sua vez se inspirou no fenómeno químico do mesmo nome –, a expressão “radicais livres” que dá o título a este programa evoca a dimensão primitiva e pulsional, excessiva e até transgressiva, do movimento dançante antes da sua codificação através de figuras coreográficas académicas: ou seja, tratam-se de obras que procuram menos sublimar ou cristalizar a arte coreográfica, do que reatar com a experiência primordial da dança no seu estado de coreia (do grego khoreía) ainda sem grafia (graphê). Concebidos como uma extensão das experiências somáticas dos cineastas tidas como transmissíveis aos/às espectadores/as através de uma espécie de “empatia cinestésica”, os filmes escolhidos permitem assim dar a ver como a partilha de uma vocação ou de um impulso dançante podem elucidar as dimensões mais radicais dos movimentos das imagens, que o cinema experimental nos convida a experimentar através dos nossos próprios corpos e olhares.


:::


PROGRAMA:

10 JULHO: ["Black & Light Dances", sessão de 50’]
"Symphonie diagonale"
Viking Eggeling, 1924
Digital, p&b, s/ som, 3’30’’

"Free Radicals"
Len Lye, 1958-79
16mm, p&b, som (optic), 4’30’’

"The very eye of night"
Maya Deren, 1958
16mm, p&b, som (optic), 15’

"Pas de deux"
Norman McLaren, 1968
16mm, p&b, som (optic), 13’20’'

"46 bis"
Pascal Baes, 1988
16mm, p&b, som (optic), 4’

"Lights"
Marie Menken, 1964-66
Digital, cor, s/ som, 6’50’’

"Breakaway"
Bruce Conner, 1966
Digital, p&b, som, 5’