VPF Cream art




The Tailor # 17, 2010, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 100x108


The Tailor #1, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm


The Tailor #4, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm


The Tailor #5, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm


The Tailor #10, 2010, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm


The Tailor #12, 2010, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm


The Tailor #16, 2010, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm


The Tailor #14, 2010, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm


The Tailor #11, 2010, Epson Inkjet K3, Epson Premium Luster Photo Paper, 29x39 cm

Exposições anteriores:

2014-09-03


::: NEW PLACES, OLD BONES ::: SÃO TRINDADE




2014-05-06


João Fonte Santa - O Colapso da Civilização




2014-02-25


:::.PASCAL FERREIRA (sala 1) :::.JOÃO JACINTO (sala 2)




2013-11-05


Coletiva ::: New Wave




2013-09-10


André Banha ::: (re)visito(me)




2013-05-30


Luís Alegre ::: [NO AUDIO]




2013-03-08


Fabrizio Matos ::: Vita Brevis




2012-09-28


Joana Rosa ::: ROGER UTTAMA




2012-06-06


Rodrigo Bettencourt da Câmara ::: A Última Parede




2012-04-13


José Maçãs de Carvalho ::: Arquivo e Alteridade




2011-09-29


EXPOSIÇÃO COLECTIVA




2011-06-30


Gustavo Sumpta ::: Um Sopro da Valeta




2011-05-12


João Fonte Santa ::: O Crepúsculo dos Deuses




2011-03-24


INEZ TEIXEIRA ::: TIME IS ON MY SIDE




2011-02-04


Pascal Ferreira ::: Atalho




2010-11-26


André Banha ::: Desenho, Escultura




2010-09-30


São Trindade ::: the tailor




share |

São Trindade ::: the tailor




São Trindade (Coruche, 1960). Vive e trabalha em Lisboa.
Licenciada em Pintura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa.
Participa em exposições colectivas desde 1985. Das suas exposições individuais, que se iniciam em 2004, destacam-se: Kglamour, Kgaleria, Lisboa, 2009; Sobreviver a uma cidade de futebol, Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa, 2007; Friday night Saturday morning, Casa das Artes, Tavira, 2007; Coser a ferida, Centro de Artes das Caldas da Rainha, Museu António Duarte, 2004.
Está representada na Colecção de fotografia do BES, na colecção PLMJ e em diversas colecções particulares.
 
 
Um auto-retrato, a pintura, a fotografia e um cavalo


the tailor
é o mais recente trabalho de São Trindade e consta de um conjunto de  fotografias à volta da reconstituição da lenda de Lady Godiva, tendo por base a pintura homónima (1897) de John Collier (1850-1934) de inspiração claramente pré-rafaelita. Mais que uma estética, o que a autora retira deste movimento é sobretudo o gosto pela simplicidade e capacidade narrativa das imagens.
Segundo a lenda, Godiva terá atravessado a cidade montada num cavalo, coberta apenas pelo seu longo cabelo, após diversas tentativas junto do marido para que este baixasse os altos impostos que mantinha sobre a população. Cansado dos seus pedidos, ele ter-lhe-á feito a proposta de que apenas acederia se ela se passeasse nua a cavalo, erradamente convencido que ela nunca iria aceitar. Chegado o dia, a população foi obrigada a ficar fechada dentro de casa e apenas um homem, um alfaiate de nome Tom, terá quebrado esta interdição de olhar e como consequência, segundo algumas versões, terá ficado cego devido à ousadia de não resistir a espreitar a sua beleza. É o nascimento do Peeping Tom e no centro da história aparece o tema do voyeurismo que se virá a tornar numa das questões centrais comum a diversos modos de entendimento do acto fotográfico e, no caso presente, traz para a fotografia um dos seus temas clássicos: a visão e o acto de ver.
the tailor cruza dois interesses particulares da autora, pintura e fotografia e que enquanto disciplinas se começaram a cruzar ainda antes do aparecimento da fotografia. Os dispositivos ópticos eram desde há muito do conhecimento dos pintores que, não raras vezes, os utilizavam ao nível da construção espacial e a fotografia, com início na década final de oitocentos, veio contaminar a produção pictórica com alguns dos valores que então começavam a construir a sua linguagem específica ao mesmo tempo que viu alargada a sua prática junto de um número crescente de pintores. Contudo, já as duas se cruzavam sobretudo ao nível das convenções de representação logo desde meados do século. A fotografia vem igualmente a tornar-se um auxiliar e um complemento dos tableaux vivants, muito em voga na época e a que o cinema deu continuidade mais tarde sendo exemplos maiores e mais próximos algumas encenações de Greenaway ou o magnífico Passion de Godard, este último interrogando a natureza e o processo do fazer da pintura a partir, por exemplo, da especificidade da representação da luz.


E se o tableau vivant muitas vezes criava cenas a partir da ideia da pintura e da encenação teatral, outras havia em que eram recriadas cenas de pinturas famosas.
A fotografia acompanhou o processo e ainda hoje a recriação ou interpretação de pinturas representa um caudal de produção significativo de, por exemplo, Jeff Wall (pensamos em duas interpretações de Manet) a Sam Taylor-Wood (que se auto-retrata a partir de Velazquez) ou de Sherman a Crewdson, cada um com a sua especificidade no modo de entender a relação entre a construção da imagem, a imobilidade e a representação.
Também o espaço do atelier foi ele próprio centro de atenção e ocupou o seu lugar na representação desde a Renascença seja como lugar de convívio e de encontro entre diversas personalidades centradas na figura do artista ou como espaço dedicado à criação, exercendo um fascínio quase mágico enquanto lugar onde a arte acontece sendo que, muitas vezes, é o próprio processo de criação que nos é mostrado como se esse processo trouxesse uma nova luz, um novo entendimento, à interpretação da obra. É ponto assente a importância e impacto que este interesse pelo processo teve em alguns movimentos artísticos ao longo do século passado e , na fotografia, uma das suas expressões seminais terá sido com Hans Namuth e o breve, ainda que produtivo, trabalho que este desenvolveu junto de Pollock. Noutro extremo da representação do processo criativo encontramos, por exemplo, as fotografias do atelier de Francis Bacon que nos transportam aquele caos demiúrgico a partir do qual trabalhava.
Nada deste caos está presente em the tailor em que o atelier surge como um lugar quase desinvestido de significação, limpo e luminoso, onde o desenho tem um papel fundamental no processo de análise e construção da imagem. Há uma insistência especial na cabeça do cavalo que vemos evoluir em várias fases de construção como se a elas correspondesse uma evolução do entendimento sobre a globalidade do objecto. O espaço exíguo é ampliado pela luz e os aparentes erros de exposição são assumidos e incorporados chamando-nos à realidade bidimensional da imagem à semelhança do que acontece com o desenho. A imagem do olho, vazio, ainda em esboço de volume, chama-nos a atenção para o tema da visão e da cegueira que atravessa a história narrada no quadro. O espelho cumpre uma das suas funções narrativas e de representação (é particularmente interessante o quadrado que se abre literalmente na (para lá da) parede e a janela que se abre no espelho) e funciona quase como uma mise en abyme, numa antevisão da imagem central de toda a exposição, a recriação da tela de Collier. Aqui, a atenção foi centrada na figura da mulher e do cavalo esquecendo a questão da localização espacial, aqui reduzida a um mínimo na linha de cruzamento da parede com o chão. O resto é fotografia: a diferença no grau de representação da realidade da figura feminina e do cavalo de papier-mâché e gesso, o pormenor da perna do cavalo que acaba no ar (no mesmo ponto em que a pintura a acaba), a incorporação do espaço envolvente não escondendo e revelando o dispositivo de encenação. E neste ponto, apesar de este ser um dispositivo comum na fotografia de retrato desde o início, não podemos deixar de recordar um outro retrato e um outro cavalo, de Meyer e Pierson, cerca de 1859 com o célebre Le Prince Impérial Sur Son Poney, Posant Pour Le Photographe.  No final, São Trindade apresenta-nos um poderoso auto-retrato que para além do processo da sua própria realização, nos traz o cruzamento da fotografia com outros modos de produção de imagens, neste caso, a pintura e que está na base da sua formação.

Francisco Feio, Setembro 2010
 

Para mais informações:  www.vpfcreamart.com

 

Para outras informações e para receber os convites das exposições, por favor registe-se:

Nome:

Email:



Insira os caracteres:




« voltar à Artecapital.netmotion.