Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Teresa Murta


“Earth and Reveries of Will: An Essay on the Imagination of Matter” de Gaston Bachelard


Filipe Cortez


“The return of the real” de Hal Foster


Raúl Miranda


“Me convertiré en momia” (1990) de Masahiko Shimada


Jorge Santos


“Atlas of Emotion” de Giuliana Bruno


“Atlas of Emotion” de Giuliana Bruno


Susana Mendes Silva


Cristina Ataíde


Miguel Ângelo Rocha


“Pirates and Farmers: Essays on Taste” de Dave Hickey


Pedro Calhau


“In the Flow” de Boris Groys


João Gabriel


“Interviews With Francis Bacon” de David Sylvester


“Girl, Woman, Other" A Novel by Bernardine Evaristo

Outras exposições actuais:

CORPO, ABSTRACÇÃO E LINGUAGEM

OBRAS DA SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA EM DEPÓSITO NA COLEÇÃO DE SERRALVES


Museu Municipal de Espinho / FACE, Espinho
SORAIA FERNANDES

ZHENG BO

THE SOFT AND WEAK ARE COMPANIONS OF LIFE


Kunsthalle Lissabon, Lisboa
DIOGO GRAÇA

PEDRO VALDEZ CARDOSO

O FILHO DO CAÇADOR


Appleton [Box], Lisboa
FRANCISCA CORREIA

CATARINA BRAGA

POST-WORLD


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 1


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

NATÁLIA AZEVEDO ANDRADE

THORNS AND FISHBONES


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

LOURDES CASTRO

A VIDA COMO ELA É


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

TÂNIA CARVALHO

COMO SE UMA CAMADA DE ESCAMAS BEM FECHADA


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

FRANCISCO VIDAL

OFICINA TROPICAL


Zet Gallery, Braga
FRANCISCA CORREIA

MIGUEL CHETA

TODOS NÓS NASCEMOS ORIGINAIS E MORREMOS CÓPIA


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 2




PLATAFORMAS ONLINE



23 MAR - 31 AGO 2020


 

[for the English version click here]

 

 

Segunda parte da “exposição” literária visual, resultante da participação de mais de quarenta artistas e que fomos publicando no nosso Instagram artecapital.net a partir do dia 23 de Março 2020.

O projeto PAUSA teve a autoria e curadoria de Sérgio Parreira.

 

 

 

TERESA MURTA

“A terra e os devaneios do repouso - Ensaio sobre imagens da intimidade” por Gaston Bachelard, publicado pela WMF-Martins Fontes, São Paulo 2019.
'Ele encontra-se então no centro da árvore, no centro de uma morada, e é a partir desse centro de intimidade que tem a visão e a consciência da imensidão de um mundo.’
Este excerto tem que mais que ver com a casa onírica do que com uma morada fiscal ou um apartamento arrendado onde colamos posters com fita cola porque o senhorio não gosta de pregos. Mas aplica-se também à condição de repouso que nos é imposta nesta quarentena, e onde nos encontramos connosco sem ter por onde fugir. Percebemos o panorama mundial e tentamos dar relevância ao Eu, fazendo deste 'um agente de saúde pública' - que no fim do dia, é só alguém que finalmente se voltou para dentro, ainda que em birra sem perceber a imensidão do mundo e da intimidade possível das coisas simples.”

 

FILIPE CORTEZ

“The return of the real” de Hal Foster. Muito resumidamente, Foster fala-nos da importância das segundas vanguardas para a compreensão das primeiras vanguardas. Mas mais importante neste momento do que o conteúdo do livro é aquilo que o título nos leva a questionar.

 

 

 

RAÚL MIRANDA

Como la idea es proponer lecturas para estos tiempos extremos y al encontrarme al otro lado del globo, sugiero tres autores/obras que tal vez se puedan encontrar en Lisboa. El cinismo y nihilismo de Andy Warhol arranca carcajadas en “Mi Filosofía de A a B y de B a A” (1975), como una crónica del mercado del arte y del “american lifestyle” del que fuimos mortalmente infectados en las últimas décadas. El libro “El ver y las imágenes en el tiempo de Internet” de Juan Martín Prada (2018), nos entrega una lúcida reflexión sobre nuestra vida en red, ahora que como resultado de las cuarentenas de salud nos encontramos más hiperconectados que nunca. Y “Me convertiré en momia” cuentos del japonés Masahiko Shimada (1990), donde la muerte y el hambre son la voluntad individual por sobre lo cotidiano. Si tuviera que elegir un una obra chilena propondría “Diario de muerte”, libro póstumo del poeta Enrique Lihn (1989), los versos de su agonía. Lecturas que acompañan esta suerte de “síndrome de enclaustramiento”, aquella severa afección cerebral que mantiene las capacidades cognitivas en perfecto estado pero impide la interacción física con el mundo, en que se han convertido el cierre forzado de nuestras fronteras nacionales e individuales.”
● “Mi Filosofía de A a B y de B a A” (1975) | The Philosophy of Andy Warhol (From A to B and Back Again) by Andy Warhol
● “El ver y las imágenes en el tiempo de Internet” (2018) de Juan Martín Prada
● “Me convertiré en momia” (1990) by Masahiko Shimada
● “Diario de muerte” (1989) de Enrique Lihn

 

 

 

JORGE SANTOS

“Atlas of Emotion” de Giuliana Bruno. Este livro é sobre imagem em movimento. Fala da ligação entre o olhar e o lugar como entre movimento e emoção.

 

SUSANA MENDES SILVA

“Satânia” de Judith Teixeira. "Satânia’ é o único livro de prosa da poeta Judith Teixeira e que foi publicado em 1927. Contra a moral da época, estas novelas, assim como toda a sua obra, estão imbuídas de sensualidade e desejo. Seria a partir do seu apagamento, da história do modernismo literário português, que iria apresentar no próximo dia 9 de abril a exposição ‘Como silenciar uma poeta’ no âmbito do programa ‘As coisas fundadas no silêncio’. A potência destrutiva que silencia as e os artistas é muitas vezes revertida pela prática de manter-se como presença fantasmática ao longo das décadas. Por todos estes motivos gostaria muito que a lessem!.

 

CRISTINA ATAÍDE

“Visita Privada: Ateliês E Artista” Texto Dalila Pinto de Almeida . Fotografia Manuel Falcão . Edição Guerra e Paz, Editores . Amieira Livros. Nestes dias de quarentena, este livro pode levar-nos para próximo de catorze artista e partilharmos com eles a sua intimidade, formas de trabalhar, de pensar e de criar. Sinto-me feliz por fazer parte desta lista e assim poder estar também perto de vocês. Eu adorei ler e conhecer melhor amigos de longa data. Obrigada Dalila e obrigado Manuel.

 

MIGUEL ÂNGELO ROCHA

“Pirates and Farmers: Essays on Taste” de Dave Hickey“Após a notícia do seu exílio autoimposto da crítica de arte, o mais novo conjunto de ensaios de Dave Hickey questiona e desafia o status quo cultural, num estilo espirituoso muito característico. Indiscutivelmente um dos críticos mais astutos nos dias de hoje. A longa carreira de Dave Hickey como escritor e crítico cultural é caracterizada por uma mistura de cultura de massas e uma crítica fervorosa à cultura das celebridades no mundo da arte no século XXI. Através do seu tom humorístico, Hickey afirma que: 'Sinto falta de ser elitista e não ter que conversar com idiotas'. Fonte:Ridinghouse | Amazon Books

 

 

 

PEDRO CALHAU

“In the Flow” de Boris Groys (2016). “In the flow” de Boris Groys foi um dos últimos livros que li, reflecte sobre vários problemas questionando o tempo que vivemos. Neste conjunto de ensaios, o autor procura refletir e desconstruir algumas das palavras recorrentes no jargão da Teoria da Arte (museu, arquivo, activismo ou a estetização). O que me chamou a atenção, foi como de uma forma muito simples são narrados problemas que fazem parte do nosso dia-a-dia, na medida em que estão impregnados no tecido cultural que construímos.

 

JOÃO GABRIEL

“Interviews With Francis Bacon” de David Sylvester. São nove entrevistas onde podemos acompanhar o pensamento de Francis Bacon sobre o seu próprio trabalho; as suas mudanças ao longo dos anos e ver como o discurso se constrói em permanente diálogo. Um livro ao qual volto sempre que preciso de me lembrar de como se fala sobre pintura. - (nota: a edição ilustrada a cores vale a pena).

 

ALICE GEIRINHAS

“L’Astragale” de Albertine Sarrazine (1937-1967). L’Astragale (1965) é um livro autobiográfico de Albertine Sarrazine (1937-1967), escritora de origem argeriana. Irreverência e insubmissão, para Simone de Beauvoir, Sarrazine é a primeira autora e ex-presidiária a relatar a vida numa prisão de mulheres. Para Patti Smith é o livro que comprou e onde gastou o dinheiro todo que tinha em vez de comer e que a acompanhou sempre desde esse dia. Comprei-o em Paris num mercado de rua, a pensar nestas três mulheres.

 

 

 

CECÍLIA CORUJO

“Girl, Woman, Other" de Bernardine Evaristo. “Girl, Woman, Other" de Bernardine Evaristo é um livro que se vem juntar ao pensamento feminista e escrita de autoras como Zadie Smith, Ali Smith ou Rebecca Solnit. Este livro narra o percurso de 12 personagens, divergentes no espaço, tempo e estrato social, 12 personagens que irão, em dado momento, cruzar-se. Pequenas histórias interculturais que se encontram e afastam e que refletem, de forma caleidoscópica, a multiplicidade das experiências que compõem os destinos das raparigas e mulheres contemporâneas. Ajudando a preencher as lacunas da “Grande Literatura”, o que este livro consegue, de forma urgente, é um espelhar daquilo que é omitido pela “normalidade”, aquilo não vemos e que nos passa ao lado. “Woman, Girl, Other” ilumina aquilo que não achamos ser digno de ser registado culturalmente ou representado artisticamente – as vidas “normais” das nossas mães, avós ou colegas; as vidas da professora de história, da senhora da limpeza ou da rapariga que nos atende na caixa de supermercado. Perante uma sociedade cada vez mais global, mas também cada vez mais fragmentada, Bernardine Evaristo esboça aquilo que nos une e nos separa, permitindo-nos, simultaneamente, entrar em contacto com a familiaridade e com a diferença, com o mesmo e com o outro, afinal, com aqueles que nos rodeiam todos os dias.

 



SÉRGIO PARREIRA