Links

PERSPETIVA ATUAL


Amorales Mask, 1996-2009, licra e vinil, cortesia do artista.


Interior vs. Exterior (Amorales Project), 1996-2003, impressão cromogénica em cores, Coleção Rocó & Boris Hirmas.


Amorales Interim, 1997, video, cor, som, 3 min., 42 sec., cortesia do artista e Kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque.


Certificate of Idendity Loan, 1996, datilografado, cortesia do artista.


Learn to fuck yourself, 2019, guache na parede, cortesia do artista e Kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque.


The Tongue of the Dead, 2012, serigrafia, cortesia do artista e kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque.


The Tongue of the Dead, 2012, serigrafia, cortesia do artista e kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque.


We see how all reverberates, 2012, cortesia do artista e Kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque.


Dark Mirror, 2008, resina e tinta de automóveis, Coleção Vanhonsebrouck.


Life in the folds, 2017, instalação com vários media com projeção de vídeo, preto e branco, som, 50 min, cortesia do artista & Nils Staerk Gallery.


Black Cloud (vista da instalação), 2007, papel, coleção de Diane e Bruce Halle.


Orgy of Narcissus, 2019, seda, cortesia do artista e kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque, e Nils Staerk Gallery. Trabalhos desenvolvidos com a colaboração de TextielLab, o workshop profi


Orgy of Narcissus, 2019, seda, cortesia do artista e kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque, e Nils Staerk Gallery. Trabalhos desenvolvidos com a colaboração de TextielLab.


Black Cloud Aftermath, 2007-2016, tinta-da-china sobre papel, cortesia do artista e kurimanzutoo, Cidade do México/Nova Iorque.


Black Cloud Aftermath, 2007-2016, tinta-da-china sobre papel, cortesia do artista e kurimanzutoo, Cidade do México/Nova Iorque.


Peep Show, 2019. Edição produzida pela Galería Albarrán Bourdais, cortesia do artista.


Peep Show, 2019. Edição produzida pela Galería Albarrán Bourdais, cortesia do artista.

Outros artigos:

2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



CARLOS AMORALES, A SUA LINGUAGEM-PADRÃO E O CRUEL MUNDO DE HOJE



NUNO LOURENÇO

2020-01-21




 

 

A razão pelo qual o Stedelijk Museum de Amesterdão é um grande museu, não se restringe à quantidade de exposições que proporciona, mas ao facto de conseguir apresentar ao mesmo tempo duas exposições de enorme relevo, lado a lado no mesmo piso: “Chagall, Picasso, Mondrian and others: migrant artists in Paris” e uma exposição de Carlos Amorales com várias obras suas muito recentes. Se considerarmos a contemporaneidade a partir da Revolução Francesa, este é um verdadeiro museu contemporâneo no sentido mais lato da palavra, porque nos dá uma aula prática do que foi o modernismo em pintura, e logo a seguir, como contraponto, apresenta-nos um espelho da arte e do mundo atual. Passa-se de um lado ao outro do primeiro piso, como se atravessássemos a máquina do tempo a partir da exploração do potencial do mundo através do seu esventramento, ambiguidades e transformação.

 

Importantes trabalhos são apresentados na exposição de Carlos Amorales, que variam entre a exploração ativa do som, como em “We´ll see how all reverberates”, na qual os visitantes intervêm na peça tocando nos vários pratos de bateria dispostos em diversas alturas de uma grande sala; e a sua absorção passiva, como em “Psicofonias”, peça onde em três enormes ecrãs, pontinhos brancos sobre fundo preto reproduzem sons ao atingir a parte inferior de cada um deles. É, no entanto, nas questões da identidade, da violência e na busca de uma linguagem padrão própria que a obra do artista mais se destaca.

 

Vertical Earthquake, 2010, aço e grafite na parede, Coleção MUDAM Luxembourg-Musée d´Art Moderne Grand-Duc Jean, Coleção De Bruin-Heijn, Coleção B.J. van Egteren, Inge & Philip van den Hurk.

 

 

Da violência externa, “Vertical earthquake” mais que simbolizar o terramoto que ocorreu em 1985 na Cidade do México, e a incompetência do governo da altura no processo de reconstrução, sugere através de uma régua, as linhas representativas das brechas da urbe mexicana na direção de uma nova ordem, mas, que surge naturalmente do lodo social como instinto de sobrevivência da população. Não menos grave, é a violência interna que nos leva a vomitar e a vociferar frustrações pessoais, preconceitos e desejos recônditos de poder via redes sociais, de forma discreta e até mascarada de moral superior. “(…) Go to hell eat shit and fuck yourself idiot. You you you are a fuck joke me cago en ti y en tu familia pinche puta mentirosa te odio what is love if nothing is love if nothing but a fuckin shitty joke (…)” é uma amostra do ódio que empesta o mundo neste momento. A obra “Learn to fuck yourself”, criada neste passado ano de 2019, apresenta-se nas quatro paredes de uma grande sala do Stedelijk Museum, totalmente preenchidas com este tipo de textos e envoltos por uma iconografia medieval, já por si retratando cenas de injúria. Como se isto não bastasse, a banda desenhada “The tongue of the dead” espelha a violência em carne viva e esquartejada, como consequência da guerra do governo mexicano contra os cartéis da droga em 2006. A obra demonstra como uma guerra bem-intencionada provocou homicídios tão ou mais atrozes que o problema já existente.

 

Learn to fuck yourself, 2019, guache na parede, cortesia do artista e Kurimanzutto, Cidade do México/Nova Iorque.

 

 

Desde 1996 até mais ou menos 2009, o artista desenvolveu um projeto sobre a sua identidade. Este projeto começou desde já pelo seu apelido, Amorales, que ao combinar os apelidos dos seus pais, denuncia o quanto de amoral têm as nossas identidades. Depois, desenvolveu uma máscara de licra e vinil, tipo “tartaruga-ninja”, e a seguir emitiu um certificado que permitia outras pessoas usarem temporariamente a sua identidade. Participou de partidas de wrestling, pondo a sua identidade Amorales combatendo contra a identidade Amorales e fez um vídeo “Amorales interim” filmando-se, a marrar consigo próprio como se de um baile de touros se tratasse. Ambas as iniciativas leva-nos a pensar no quão volátil é a identidade de alguém. Se o mundo é impermanente, não tem sentido falar de uma identidade individual fixa, porque, os seres humanos são forçados a acompanhar essa mesma impermanência quer queiram, quer não.

A identidade coletiva surge através da encenação de um mito Inuit, que fala sobre o pai de um caçador de focas, morto pelos Europeus depois de fazerem trocas comerciais. Mas, estes últimos não deixaram de ser atormentados pelo “Eye-me-not”, porque ele continuou a viver invisível aos seus carrascos depois de um feitiço. Carlos Amorales resolveu tratar o cenário e os fatos deste registo em vídeo, conjugando a estética de Malevich à identidade tribal e multiplicando semelhantes recortes e colagens feitos de cartolina de cores vivas.

A hiperbolização da identidade individual chega com a orgia de Narciso. Em painéis de tecido, preenchendo um grande salão do museu, foram bordadas várias figuras em posições sexuais, isoladas e justapostas, de várias cores e tons e com palavras escritas como “Gossipclub”, “Extravaganza”, etc. Este trabalho, também do findo ano de 2019, explora a clonagem da insatisfação sexual que resulta não numa heroicização do eu, mas, na desilusão das expressões, no princípio da decadência das partes do corpo e no pender desengonçado da carne. Temos aqui tema e variações do prazer narcísico, enchendo um enorme salão do museu, onde o sexo não é sinónimo de emancipação, mas uma vertigem para o mais redutor em nós.

Carlos Amorales tem, para além destes trabalhos, outras obras assentes numa busca de módulos e padrões pessoais que aplica a vários suportes e reusa, criando obras novas. A reutilização de uma etiqueta com uma silhueta de pássaro para evitar que os pássaros batam nos vidros, “Dark mirror” é a materialização desse emblema numa enorme escultura de resina, mas, estilhaçada. Este reflexo dos estilhaços do mundo é recriado em “Life in the folds” onde o próprio estilhaço se torna numa linguagem de inúmeras variedades do mesmo padrão, ora decompostas, ora arredondadas, furadas, aguçadas, prolongadas, alteradas ligeiramente e claro, repetidas criando um ritmo próprio. “Black cloud” é o resumo e a saturação do potencial de um padrão. Várias pequenas salas interiores são ocupadas por dobras de papéis pretos sugerindo uma invasão de borboletas pretas ou traças. Esta obra é o paradigma do “fácil” em arte contemporânea. A ideia da multiplicação ou do aumento de tamanho de algo concreto reconhecível por todos, conquista de imediato o olhar do público.

 

Black Cloud (detalhe), 2007, papel, coleção de Diane e Bruce Halle.

 

 

Esta é a arte assente no efeito imediato e não na causa, como aumentar um galo de Barcelos, à la Joana Vasconcelos, ou um urso de goma, como o que foi projetado para uma rotunda de Boadilla del Monte (Madrid), por dEmo. Trata-se de uma arte até um pouco patética, que apenas serve para mimar os egos. É tanto assim que uma moça muito loira tirou uma selfie numa das salas das traças, tão egocentricamente inebriada, que nem viu o olhar dos restantes visitantes. A prova real desta característica na arte contemporânea assenta no facto deste mesmo trabalho de Carlos Amorales se ter tornado viral! A obra “Black cloud aftermath” é um registo a tinta da china, das historietas que se desenrolaram desde a primeira apresentação das traças de “Black cloud” em 2007: uma marca de roupas conhecida decidiu decorar o interior da loja com o tema, celebridades apareceram nas passadeiras vermelhas com vestidos do mesmo motivo e logo se sucederam as roupas de prêt-à-porter.

 

Black Cloud Aftermath, 2007-2016, tinta-da-china sobre papel, cortesia do artista e kurimanzutoo, Cidade do México/Nova Iorque.

 

 

Por isto se percebe o título da exposição “The factory”, à imagem das ideias de Andy Wharlol. Sobre o ponto de vista da antropologia social, é interessante saber que o comportamento humano tende frequentemente para o fácil, e para a apropriação do que possa proporcionar prestígio rápido. Do ponto de vista estético, é pobre, porque não desenvolve qualquer enriquecimento emocional nem estimula o questionamento intelectual. A Pop Art fez sentido no seu tempo por ter captado o potencial socio-estético das massas, tornando-o numa novidade, em algo original. No séc. XXI, apenas reforça a ideia de que se alimentam os Narcissos deste mundo.

Patente até ao próximo dia 17 de maio em Amesterdão, a exposição deste artista mexicano nascido em 1970 apresenta-nos, na verdade, o perfil do mundo de hoje. Take it or leave it, nem sequer é uma opção. É mesmo take it, porque não podemos fugir da violência, do egocentrismo, da superficialidade, das eternas perguntas “Quem sou eu? Quem são os outros?”, dos padrões repetidos até à exaustão para consumo de uns e para encher os cofres de outros. Esta é a matéria dos nossos dias, com a qual temos de trabalhar na arte e cultura, de modo a garantir a nossa sobrevivência. Estou certo de que iremos transformar isto tudo surpreendentemente, por mais ou menos luz de néon posta num emblema de Amorales – “Peep show”! Este mexicano é amoralmente contemporâneo porque aponta um futuro de corpos exaustos, cabeças vazias, vidas que já são morte, pessoas que nem tempo terão para questionar a sua própria identidade. Mas, como em “Vertical earthquake”, uma nova ordem social surgirá de forma orgânica.

 

 

 

Nuno Lourenço
Licenciado em História de Arte, FCSH, Universidade Nova de Lisboa; Mestrado em História de Arte Contemporânea, Universiteit van Amsterdam, Licenciatura de Professor de Artes Visuais, Amsterdamse Hogeschool van de Kunsten e Mestrado em Práticas Artísticas em Artes Visuais, Universidade de Évora.