Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição Outras Vozes. Fotografia cortesia Isabel Madureira Andrade.


Vista da exposição Outras Vozes. Fotografia cortesia Isabel Madureira Andrade.


Vista da exposição Outras Vozes. Fotografia cortesia Isabel Madureira Andrade.


Vista da exposição Outras Vozes. Fotografia cortesia Isabel Madureira Andrade.

Outras exposições actuais:

MARIA PIA OLIVEIRA

O PONTO PERFEITO


Fundação Portuguesa das Comunicações,
JOANA CONSIGLIERI

BRIDGET RILEY

BRIDGET RILEY


Hayward Gallery, Londres
JULIA FLAMINGO

COLECTIVA

DELLA MATERIA SPIRITUALE DELL’ARTE


MAXXI – Museo delle Arti del XXI Secolo, Roma
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TAXIDERMIA DO FUTURO


Museu Nacional de História Natural de Angola, Luanda
ADRIANO MIXINGE

JÚLIO POMAR

JÚLIO POMAR: VER, SENTIR, ETC. – OBRAS DO ACERVO DO ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR


Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos (CITA), Arraiolos
NUNO LOURENÇO

ELISA STRINNA

SOL CEGO


Espaço Fidelidade Mundial Chiado 8 - Arte Contemporânea, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

FRANCIS BACON

BACON EN TOUTES LETTRES


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

PAULA REGO

PAULA REGO. O GRITO DA IMAGINAÇÃO


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

SARA MEALHA

TANGO


O Armário, Lisboa
Catarina Real

GONÇALO PENA E LEONARDO RITO

BITRIBI


O Armário, Lisboa
Catarina Real

ARQUIVO:


ISABEL MADUREIRA ANDRADE E PAULO BRIGHENTI

OUTRAS VOZES




O ARMÁRIO
Calçada da Estrela 128 A


07 DEZ - 21 FEV 2020


 


“Outras vozes” intitula o projeto colaborativo inédito de Isabel Madureira Andrade e Paulo Brighenti. Partindo da pintura (caso que não representa nenhuma surpresa face ao corpo de trabalho dos dois artistas, apesar da distância entre eles facilmente reconhecível), a exposição que nos é apresentada manifesta a inesperada tomada de um dispositivo cénico ao desenvolver-se em torno da instalação.

Ao jeito de site specific tecidos suspensos seccionam o espaço — como véus semi-translúcidos e cambaleantes, estabelecendo o jogo entre a visibilidade e a invisibilidade — convidando à intromissão do espectador para o simples acesso do conjunto… À sua volta, pedras são erguidas ou justapostas, uma coluna de barro e ferro faz-se também erigir acompanhada de parte da sua matéria bruta, como se o seu processo de execução tivesse sido abruptamente interrompido… Nas extremidades encontramos, pois, a pintura, a ação privada de cada um dos artistas confluindo para este centro heterogéneo onde as vocalizações encontradas (dando continuidade à metáfora pelo título da exposição sugerida) são profundamente pictóricas.

 

Se no trabalho da jovem artista a voz pictórica resulta numa imagem total, completa, assente na grelha e nos vários padrões provenientes de registos do quotidiano que se fazem repetir compulsivamente e de forma tão ordeira quanto a mão permite — instaurando, na verdade, pela não-narrativa e não-representação, dentro da sua comunicação específica, uma zona de silêncio (ou do quase inaudível) à semelhança do assinalado por Sontag[1]; já na obra de Brighenti ela surge frequentemente como o espaço da convocação de memórias, de vivências, por meio da sugestão ou da enunciação de certos elementos e ambientes… Dentro da salutar imprecisão do género (paisagem ou vanitas? — pouco importa) a voz pictórica em Brighenti é aquela onde a contemplação passa do estado de silenciosa quietude para retomar a latitude entre a subtil sonoridade e o arrebatamento — o rumor — na qual observamos a reabilitação da correspondência entre representação (ou imagem) e motivo representado.

 

 Vista da exposição Outras Vozes. Fotografia cortesia Isabel Madureira Andrade.

 

 

Estas duas abordagens encontram como fundo comum não só a pintura e a sua instituição enquanto realidade visível, como também a concentração na substância germinal que lhe dá origem — a matéria. Ambos os artistas elegem o momento anterior à pintura como mote da sua própria execução: esse momento em que a obra em potência se faz anunciar entre as coisas… É no caos matérico — ainda coisa e ainda nada — que se descobre o por vir, a forma, a composição, a obra.

Naturalmente, este mesmo diálogo com a matéria ressalta na dimensão colaborativa, tão presente nesta exposição. É com ele que conjuntamente se encontra a fissura que traz o invisível para o visível, o indizível para um certo grau de comunicabilidade. À semelhança do que podemos constatar na modelação do discurso, as muitas ações aqui envolvidas, tanto na pintura como na escultura/instalação, foram sujeitas a um processo de proposta e revisão, de avanços e recuos. Torna-se sensível que cada parte constituinte resulta deste processo modelar em que se reúnem duas subjetividades: dois pares mãos que precipitaram a pintura com o tingimento dos panos e a mancha na parede, que moldaram o barro em torno de uma viga, que desmancharam, refizeram e recontextualizaram parte de um muro… As “outras vozes” que aqui constatamos resultam, assim, de uma relação dinâmica em que as vozes primeiras ganham sentido na voz do outro, como uma conversa formando-se ao seu ritmo, presa a uma sucessão e troca de pareceres, de gestos e até mesmo expressões, consubstanciadas em obra e no âmbito da pura visibilidade.

 


:::

 

Notas

[1] Sontag, S. (1967), The Aesthetics of Silence, Aspen, 5+6, §VII-§XI

 

:::

 

Projecto em parceria Sindicato dos Pintores e O Armário.

 



ANDREIA CÉSAR