Links


ARTES PERFORMATIVAS


ONDE ESTÁ O PESSOA?

RICHARD LAURENT

2024-06-20



 

A propósito da estreia hoje nos cinemas, do filme Onde está o Pessoa? de Leonor Areal, Richard Laurent recorda a projecção de ante-estreia que teve lugar na Cinemateca Portuguesa no dia 23 de Junho de 2023.

 

Onde está o Pessoa? (2023), still

 


A cidade estava cheia de carros a apitar, pessoas a correr de um lado para outro, turistas.

Atravessei a cidade por entre o barulho do tráfego, da azafama do final do dia. Observo todas estas pessoas apressadas para ir para algum sítio... provavelmente para casa, provavelmente um possível reencontro com o sofá da sala em frente à televisão.
Eu também sou obcecado por esta peça de mobília. Por vezes sinto que esse sofá me toma como refém. Sei também que nenhum momento memorável da minha vida foi passado nesse sofá. Por isso, decidi não ir para casa.

Rumei até a Cinemateca Portuguesa, também conhecida como “Clube secreto dos cinéfilos hardcore”.
Um lugar com uma aura de mistério e fantasia inigualáveis.
Ouvi dizer que houve alturas em que se podia fumar dentro das salas de cinema. Também me contaram que viram por lá o João Bernard da Costa. Há quem jure que o viu por lá depois de 2009. Num reflexo de um espelho, numa imagem difusa através de um vidro, uma sombra num corredor pouco iluminado.
Muitas histórias se contam sobre este local, decerto nem todas serão verdadeiras. Como o testemunho de um amigo que jura ter estado de conversar com o Fernando Lopes numa noite de verão em 2015.

Atravessar o pórtico da Cinemateca é como atravessar um portal para uma realidade espácio-temporal diferente.

 

Onde está o Pessoa? (2023), still

 


Dentro da sala de cinema, Leonor Areal começa por explicar o mote do filme Onde está o Pessoa?: encontrar uma imagem em movimento de Fernando Pessoa. Para isso, toma como ponto de partida um “filme mudo, de 1913, digitalizado pela Cinemateca Portuguesa, e no qual se veem pessoas a sair de um espetáculo no antigo Teatro República, hoje Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa”.

Este filme mudo faz-nos lembrar: La Sortie de l'usine Lumière à Lyon, um dos primeiros filmes da história do cinema, foi produzido e distribuído em 1895 pelos irmãos Lumière. Mas aqui, em vez de operários de uma fábrica temos a elite cultural lisboeta a sair de um espetáculo.

A voz de Leonor vai-nos guiando pela viagem, ouvimos o som da moviola a andar para a frente e para trás. De cada vez que revê o plano, a realizadora foca-se em algum personagem que lhe chamou a atenção. Quase como se investigasse um crime, Leonor vai revelando os diferentes personagens que consegue encontrar. Muitos deles personalidades relevantes da sociedade lisboeta, outros, embora ainda não o sejam nesta altura, serão num futuro próximo... quer dizer, num passado menos distante.

Cada vez que revisitamos o mesmo plano, é-nos mostrado uma perspetiva diferente. O plano fixo filmado em 1913 transforma-se numa edição dinâmica. Leonor inventa planos de acompanhamento, travellings, tilts e outros movimentos de camara mais fluidos. A construção de uma linguagem cinematográfica complexa sobre o plano fixo original.

“É como se cada uma destas pessoas estabelecesse um diálogo íntimo com a camara, apesar de estarem imersas na multidão”

 

Onde está o Pessoa? (2023), still



Lisboa sempre efervescente. Todos usam chapéu.

Leonor vai cruzando os diários de Pessoa com fotografias da época, tentando descobrir quem estava ali naquele dia. Não sabemos se tudo isto é verdade, mas é na Cinemateca onde o documentário se encontra com a ficção, a história se mistura com fantasia, e pessoas reais convivem com personagens e fantasmas.


“De manhã a insistência da tia Anica sobre a questão do emprego a propósito de um anúncio no Século disse que responderia ao anúncio, mas não pensei em responder”
in diários de Fernando Pessoa


Esqueci-me que tinha visto um filme digital... parecia tudo película. Parecia que tinha viajado para outros tempos. Um mergulho numa Lisboa antiga que não existe mais.


No final da sessão dirigi-me até à cafetaria no primeiro andar. Apetecia-me fumar um cigarro, beber um café, enquanto assimilava tudo o que tinha visto. Infelizmente, todos os lugares estavam ocupados. Executivos, e outros engravatados que trabalham nas redondezas, tinham ocupado todos os lugares. Tenho a certeza que não lhes interessa o cinema, nem as sessões daquele dia. Foi a beleza magnética inerente a este lugar que os tinha atraído ali. Voltei a descer as escadas, observei mais uma vez a coluna de latas de película que se equilibra em direcção ao céu. Sentei-me no banco da entrada e acendi um cigarro.

“Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.”

Lembrei-me deste poema de Álvaro de Campos. Lembrei-me que eu, o Fernando Pessoa, O Marques de Sade, o Prince e a Nicole Kidman, fazemos parte de um clube secreto. Talvez nunca nos tenhamos cruzado na vida real, mas foi decidido à nascença que pertenceríamos a este clube restrito.

Um filme nada mais é do que uns metros de película, do que uns gigabytes de informação digital. Um livro nada mais é que um monte de folhas com letras impressas. Mas nestes filmes e livros está contido algo mais. Algo que não se pode pesar numa balança, nem medir pelo espaço que ocupa num disco rígido. Dentro destes filmes e livros está contido o grande segredo da razão humana.

“Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.”

Sonharemos os sonhos de Fernando Pessoa, sonharemos o sonho de Leonor Areal e acima de tudo, poderemos sonhar os nossos próprios sonhos, desde que o cinema e a literatura sejam livres para sonhar também.

 


Richard Laurent
Nasceu em Santa Mónica, Califórnia. Formou-se pela USC School of Cinematic Arts (Los Angels-EUA), mestre em antropologia (Culturas Visuais) pela NOVA FCSH (Lisboa – Portugal), actualmente vive em Lisboa.

 

:::

 

 

Onde está o Pessoa? (2023), 63'
de Leonor Areal

Em exibição no Cinema City Alvalade e Casa do Cinema de Coimbra
 

 

 




Outros artigos:

2024-06-20


ONDE ESTÁ O PESSOA?
 

2024-05-17


ΛƬSUMOЯI, DE CATARINA MIRANDA
 

2024-03-24


PARADIGMAS DA CONTÍNUA METAMORFOSE NA CONSTRUÇÃO DO TEMPO EM MOVIMENTO // A CONQUISTA DE UMA PAISAGEM AUTORAL HÍBRIDA EM CONTÍNUA CAMINHADA
 

2024-02-26


A RESISTÊNCIA TEMPORAL, A PRODUÇÃO CORPORAL E AS DINÂMICAS DE LUTA NA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2023-12-15


CAFE ZERO BY SOREN AAGAARD, PERFORMA - BIENAL DE ARTES PERFORMATIVAS
 

2023-11-13


SOBRE O PROTEGER E O SUPLICAR – “OS PROTEGIDOS” DE ELFRIEDE JELINEK
 

2023-10-31


O REGRESSO DE CLÁUDIA DIAS. UM CICLO DE CRIAÇÃO DE 10 ANOS A EMERGIR DA COLEÇÃO DE LIVROS DO SEU PAI
 

2023-09-12


FESTIVAL MATERIAIS DIVERSOS - ENTREVISTA A ELISABETE PAIVA
 

2023-08-10


CINEMA INSUFLÁVEL: ENTREVISTA A SÉRGIO MARQUES
 

2023-07-10


DEPOIS DE METADE DOS MINUTOS - ENTREVISTA A ÂNGELA ROCHA
 

2023-05-20


FEIOS, PORCOS E MAUS: UMA CONVERSA SOBRE A FAMÍLIA
 

2023-05-03


UMA TERRA QUE TREME E UM MAR QUE GEME
 

2023-03-23


SOBRE A PARTILHA DO PROCESSO CRIATIVO
 

2023-02-22


ALVALADE CINECLUBE: A PROGRAMAÇÃO QUE FALTAVA À CIDADE
 

2023-01-11


'CONTRA O MEDO' EM 2023 - ENTREVISTA COM TEATROMOSCA
 

2022-12-06


SAIR DE CENA – UMA REFLEXÃO SOBRE VINTE ANOS DE TRABALHO
 

2022-11-06


SAMOTRACIAS: ENTREVISTA A CAROLINA SANTOS, LETÍCIA BLANC E ULIMA ORTIZ
 

2022-10-07


ENTREVISTA A EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS