Links


MÚSICA


LIGHTS ON MOSCOW – AORTA SONGS PART I

RICARDO ESCARDUÇA

2019-01-17



 

Finalmente. A verdade é que desde alguns concertos em 2010, fortuitos mas felizes, que não foram acompanhados por um registo material, era pacientemente aguardado o objecto que emprestasse forma à substância do projecto Lights on Moscow. Com expectativa, adiante-se, depois de experimentadas em simultâneo a serena intensidade e a intensa serenidade que coabitam paradoxalmente em “Lord Let Me Know”.

 

 

Inserida por um anónimo, porém agora inacessível, a faixa vagueou na imaterialidade da www (apesar de já desactivada, sabe-se lá por que algoritmos cibernéticos ou por que argumentos autorais), acompanhada por uma imagem estática sabiamente seleccionada de entre a pintura neorrenascentista inglesa do séc. XIX, a da interpretação da shakesperiana Ophelia por John Everett Millais. Enquadrada por flora natural vivaz e selvagem à semelhança do estilo picturesque de jardim e paisagem britânicos da época, Millais representa a perturbada e perturbante Ophelia depois de cair no ribeiro, ainda segurando e rodeada pelas flores que colhia para adornar a sua grinalda, flutuando no seu traje alvo, mas encharcado, ainda por um instante último prévio ao afogamento fatal.

Não será desapropriada a relação entre as sensações despertadas por “Lord Let Me Know”, a inspiração e expressão de Millais em Ophelia, e a convivência dual dos conceitos estéticos à data recentes dos prazeres emocionais colhidos na experiência do belo e, em expansão antagónica mas frutífera, do sublime que, por exemplo e entre outros, recuperando o conceito de picturesque, as cenas trágicas de paisagens impiedosas e tumultuosas da pintura inglesa inspiraram. Por um lado, a melancolia da natureza shoegaze rock da faixa induz não a celebração de um mundo exterior mas antes a instrospecção numa dimensão íntima e a contemplação, ou a desnudada confrontação, das incertezas, angústias, vulnerabilidades e inseguranças que, não poucas vezes, a assaltam. Por outro lado, a perturbação encontra consolo e refúgio na atmosfera sonora da macieza poética e angélica dos vocais celestiais de Hazel Wilde e da instrumentação progressive rock de Justin Lockey que apresenta a quietude do órgão eléctrico etéreo e compassivo mas acumula texturas e espessuras consecutivas de bateria, tamborim, baixo, guitarra eléctrica e alguma electrónica e efeitos de reverb, engrandecendo e culminando na catarse do complexo de emoções opostas em que o sublime encontra o belo.

 

 

“Lord Let Me Know” abre brilhantemente o EP Aorta Songs Part I que Lights on Moscow finalmente lançou em Outubro passado. Enquanto envolvidos nos seus outros projectos – Wilde em Lanterns on the Lake (inclui uma breve referência a Lights on Moscow) e Lockey nos Editors, entre outros – a dupla manteve apenas uma discreta presença online acompanhada por alguns concertos já distantes no tempo, enquanto em privado os anos foram forjando as faixas que compõem o EP, e outras, até chegado o momento certo para a edição. “Like Lovers Often Will” segue a mesma receita emocional envolvente e progressiva, desde uma delicadeza imaterial até uma intensidade mais poderosa.

 

 

Memoráveis são também “I Must Come Clean” e “Spirits Around My Bed”, com instrumentação significativamente mais retraída. Numa, limitada à guitarra que, algo áspera, acompanhada por presenças fugazes de tamborim, abre espaços encolhidos onde Wilde parece confessar as suas fragilidades mais profundas. Noutra, encerrando o EP bem antes do que o desejado, a comovente delicadeza do piano ilumina e acolhe a tristeza rendida dos vocais, perpetuando o magnetismo do EP bem além da sua curta duração.

Entre as elegantes instrumentações e o magnetismo dos vocais, Aorta Songs Part I destaca-se brilhantemente por proporcionar um conjunto de viagens emocionais de beleza mesmo quando, e principalmente porque, esta é encontrada também na tristeza. Uma pancada irrecusável.

 

Aorta Songs Part I tracklist
1. Lord Let Me Know
2. I Must Come Clean
3. Like Lovers Often Will
4. Spirits Around My Bed

 

 




Outros artigos:

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS