Joseph Plateau, La Belle Alliance, 1815, Aguarela


Lauren von Gogh, To my father on his 60th birthday, 2011, Aguarelas, carta


Niklaus Rüeeg, L’archive des ombres, 2011, instalação


Bas Schevers, O problema de Plateau, 2011, vídeo

Exposições anteriores:

2017-11-09


WE DON’T KNOW EACH OTHER




2017-09-21


PODCASTS FOR PARENTS: Space Adventures and Social Activism




2015-11-11


I STOOD UP AND... NEVER SAT DOWN AGAIN




2015-09-08


ISSO - IN ONE WAY OR ANOTHER




2015-05-15


INSIDE OUTSIDE




2014-09-03


O MANIFESTO DA GRUTA




2014-05-05


ESTADO DE SÍTIO




2014-02-20


se não me engano, faz Angola




2013-11-05


DEAR STORIES




2013-09-06


ALÉM MARGEM(S)




2013-05-30


M.A. AND FRIENDS – Sete Artistas Ulissiponenses




2013-03-07


LES DAMES CHINOISES #3




2012-11-05


I WOULD PREFER NOT TO




2012-09-30


O SONHO DE WAGNER




2012-06-05


OS CULTUROFAGISTAS




2012-04-12


OBJET TROUVÉ




2011-11-24


URBSCAPES: Espacios de hibridación




2011-09-29


FOTÓGRAFOS-VIAJANTES & VIAGENS DE FOTÓGRAFOS




2011-06-30


QUINZE ENSAIOS




2011-05-12


LA BELLE ALLIANCE




2011-03-24


EXPLORAÇÃO DO PROCESSO DO IMAGINÁRIO




  
share |

LA BELLE ALLIANCE


LA BELLE ALLIANCE 


André Catalão, Bas Scheevers, Lauren von Gogh, Niklaus Rüegg e Joseph Plateau

Curadoria de André Catalão


O nome desta exposição seria um pouco forçado não fosse o facto de este ser o título de uma aguarela feita por Joseph Plateau (1801-1883), famoso físico belga, que desde muito jovem perdeu os pais, vindo a adoecer de imediato. Na sequência desse trauma, o médico sugere, inocentemente, o seu retiro para uma pequena vila campestre, muito perto do lugar onde se viria a dar a batalha de Waterloo, à qual o jovem Plateau assistiria juntamente com as suas irmãs, em estado de choque. No dia seguinte, decide explorar o campo de batalha, deparando-se com a atrocidade abjecta desse acontecimento, despoletando nele o fascínio pelo entendimento e descoberta desse mundo, que se revela pela criação dessa aguarela. Nela é visível uma casa degradada, alguns soldados, cavalos bem como alguns feridos, procurando auxílio.

A obra original foi trazida propositadamente do Museu Dernier Quartier Général, em Genappe, para se integrar aqui como peça transitória entre a vida e obra de Plateau em conjunto com as reflexões de André Catalão, Bas Schevers, Lauren von Gogh e Niklaus Rüeeg. As suas linhas de orientação partem de alguma forma da vida do físico, coincidindo muitas vezes num ponto de fuga que sugere uma forte dose de matéria bruta, absurda ou por vezes subtil.

São exemplo disso as aguarelas de Lauren von Gogh, onde é feita uma comparação entre o seu pai e Plateau, naquela que é uma vida partilhada entre arte e ciência. O trabalho agrega-se sobre a coincidência do 60º aniversário de Roland von Gogh e a inauguração da exposição no dia 12 de Maio de 2011. To my Father on his 60th Birthday, é um presente constituído por quarto aguarelas, um texto e uma carta, para ser aberta e instalada na exposição.

Em Preparados para Cegos, André Catalão debruça-se numa das experiências ocorridas por Plateau resultante da sua cegueira. Na gíria popular diz-se que foi devido a olhar o sol durante tanto tempo, que o físico acabou por cegar. Esta série de aguarelas foi feita em colaboração com pessoas cegas dos arredores de Lisboa, considerando as suas imposições tácteis face ao modo de pintar.

L’archive des Ombres, é o nome da instalação criada por Niklaus Rüegg, onde apesar do caótico inerente à disposição das caixas de cartão, são considerados pequenos nichos de pintura, contendo cortes deliberados sobre aquilo que poderia ser uma página de BD. Suprime-se o que era supostamente fundamental, para que a mancha negra, o seu fantasma, desvie a leitura natural do observador, para um lugar-comum entre a ausência das coisas e as suas próprias consequências.

O Problema de Plateau é uma performance de Bas Schevers, feita propositadamente para a inauguração, onde é acompanhado por um vídeo musical do mesmo nome. Esse vídeo foi filmado em Lisboa por ocasião específica desta exposição, onde se desconstrói a posição de empreendorismo, bem como o acto falhado na vida de Joseph Plateau.


LA BELLE ALLIANCE  English

André Catalão, Bas Scheevers, Lauren von Gogh, Niklaus Rüegg e Joseph Plateau

Curated by André Catalão

This exhibition's title would seem contrived without prior knowledge of the painting it is named after. Joseph Plateau (1801 - 1883) painted the watercolour, on display as part this exhibition, in 1815. Plateau, who went on to become a famous Belgian physicist, lost both his parents at an early age and was plagued with illness shortly thereafter. Subsequent to this trauma, he was relocated to a small countryside village close to where the famous battle of Waterloo would transpire. Together with his sisters, Plateau witnessed in shock the abject atrocities that unfolded on the battlefield. From this experience came La Belle Alliance, a small watercolour painting revealing, under an expansive blue sky, a damaged house on the side of a dirt road, a soldier on a horse, weapons and helmets strewn amongst the wounded and deceased along with incapacitated characters searching for help on the distant battlefield.
The original painting was brought to Lisbon specifically for this exhibition from the Musée Dernier Quartier Général in Genappe, to act as a transitory piece between the life and work of Plateau who was greatly concerned by visual theories of image and colour, against the reflections of André Catalão, Niklaus Rüegg, Bas Schevers and Lauren von Gogh. The thought process used to construct this exhibition started as a type of homage to Plateau through explorations into the life of the physicist. The works made specifically in relation to La Belle Alliance and the spirit of Plateau as a young boy, reveal a slight dose of brute, fueled by the absurd and occasionally subtle subject matter. 
Lauren von Gogh uses her father as a comparative figure to that of Plateau, based on serendipitous findings related to two lives dedicated to science and art. The work is brought together through a series of coincidences, culminating on the 60th birthday of the artist's father and the opening of the exhibition on 12 May 2011. To my father on his 60th birthday is a gift made up of four original watercolour paintings by Roland von Gogh accompanied by a text and a letter that will be opened and installed at the exhibition. 

In Preparados para Cegos André Catalão makes reference to the blindness that struck Plateau, after an experiment where he stood looking at the sun for a long period of time. Catalão's series of watercolours were made in collaboration with blind people from the outskirts of Lisbon, considering their tactile needs for painting.

Niklaus Rüegg's in-situ cardboard sculpture, L` archive des Ombres, looks at Plateau's past traumas as a point of departure. The black blot in Rüegg's sculpture suppresses that which should supposedly be fundamental in the work - deviating the natural reading of the observer to a place between the absence and consequence of the object.

Plateau's Problem will be performed live by Bas Schevers at the opening of La Belle Alliance accompanied by a music video of the same name, installed in the space. This music video is filmed in Lisbon on occasion of the exhibition, delving into ideas around failure and struggle in the life of Joseph Plateau.





A PLATAFORMA REVÓLVER é uma associação privada, independente - sem fins lucrativos. Promove a arte contemporânea através da organização de exposições e de residências, e participa activamente na difusão e no diálogo internacional da arte.
A Plataforma Revólver construiu um espaço activo para o público de Lisboa, plataforma de novas ideias acerca da arte contemporânea; produz exposições temporárias, oferecendo a possibilidade aos artistas plásticos para poderem apresentar e discutir os seus trabalhos, colmatando, deste modo, um dos problemas fundamentais com que se debatem os novos criadores: a dificuldade em encontrar um lugar a partir do qual se façam conhecer, expressando-se e, simultâneamente, receber o contacto com o público – vital para que os seus projectos evoluam - submetendo-se ao seu olhar, olhar esse que poderá ser absolutamente crítico ou complacente. Apesar do foco ser a arte que os mais jovens actualmente fazem, o programa da Plataforma Revólver também inclui artistas bem-conhecidos, estabelecidos.

A Plataforma Revólver apoia e estimula a criação de arte contemporânea, em concordancia com o caracter da pratica artistica nos dias de hoje, integrando as exposições varios meios e metodos de produção. A composição das exposições é ditada, por um lado, por um comissariado exterior à direcção do espaço, por outro, pela preocupação com a arte contemporânea e onde a arte assume um papel no desenvolvimento da cultura cívica e do pluralismo.


Dizer que a obra de arte faz parte da cultura é uma coisa um pouco escolar e artificial. A obra de arte faz parte do real e é destino, realização, salvação e vida.
(Sophia de Mello Breyner)


Registe-se para receber os convites das nossas exposições:

Nome:

Email:

Telefone:

Morada:

Localidade:

Código Postal: