Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


João Onofre, Ghost, 2009/2012. HD Video, cor, som, 14’25’’. Cortesia: Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa


Vista da exposição. Cortesia: Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa


Vista da exposição. Créditos da imagem: Rui Luz. Cortesia: Cristina Guerra Contemporary Art, Lisboa

Outras exposições actuais:

MARIANA SILVA

PAVILHÃO DAS FORMAS SOCIAIS


Museu da Cidade - Pavilhão Branco, Lisboa
Bruno Caracol

ZULMIRO DE CARVALHO

ZULMIRO DE CARVALHO: ESCULTURA 1968-2018


Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar
LAURA CASTRO

FRANCISCA AIRES MATEUS

One Centimetre Apart


Águas Livres 8, Lisboa
CATARINA REAL

GUSTAVO JESUS

EXALTAÇÃO DO INTERVALO


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A GUERRA COMO MODO DE VER: OBRAS DA COLEÇÃO ANTÓNIO CACHOLA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
LUÍS RIBEIRO

5ª EDIÇÃO

FUCKIN` GLOBO 2018


Hotel Globo, Luanda
ADRIANO MIXINGE

COLECTIVA

BIENAL DE SÃO PAULO


Bienal de São Paulo, São Paulo
JULIA FLAMINGO

A COLECÇÃO PINTO DA FONSECA

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL


Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa
NATÁLIA VILARINHO

RUI CHAFES E ALBERTO GIACOMETTI

GRIS, VIDE, CRIS


Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, Paris
MARC LENOT

PATRÍCIA SERRÃO

WELTSCHMERZ


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


JOÃO ONOFRE

Ghost




CRISTINA GUERRA CONTEMPORARY ART
Rua Santo António à Estrela, 33
1350-291 Lisboa

27 SET - 07 NOV 2012


Até ao dia 7 de novembro estará presente na Galeria Cristina Guerra Contemporary Art a exposição Ghost, o mais recente trabalho de João Onofre. A exposição apresenta dois momentos que se complementam: um vídeo e um conjunto de 36 fotografias.

O vídeo de catorze minutos foca parte da travessia de uma pequena ilha no rio Tejo, elemento que corresponde formalmente ao princípio simbólico da ilha paradisíaca: pequena, de areia clara com uma palmeira (Howea Forsteriana) ao centro; uma criação cenográfica que flutua em direção ao oceano.

Sem informação que justifique a sua passagem, sem paragem por Lisboa, a ilha realiza um percurso no qual o princípio e o fim são absolutamente desconhecidos. Assim, o que é acessível ao espectador resume-se a um momento intermédio, com a duração aproximada de um dia. A referência temporal é sugerida através das alterações da luz, uma marcação que confere à obra extensão. Desta forma Onofre atribui objetivamente tempo e local à peça, estabelecendo uma relação próxima com a vida, concedendo-lhe maior credibilidade e permitindo o confronto da realidade com a estranheza do acontecimento.

Esta ilha apresenta-se como princípio subversivo do ideal de ilha paradisíaca: distante da vida quotidiana, por norma associada ao prazer e ócio. De forma contraditória, neste caso, a ilha move-se num rio flanqueado por uma das zonas mais populosas do país, Lisboa e a margem sul do Tejo. A capital nunca é diretamente visível, apesar de serem fornecidas ferramentas que possibilitam a sua rápida identificação: a ponte Vasco da Gama, a ponte 25 de Abril (central a partir da segunda metade do vídeo), a breve presença do Cristo Rei e o som dos carros que circulam na ponte. Desta forma é contextualizada a ação, através de níveis diferentes de entendimento: a construção, reconhecida internacionalmente, e o som, reconhecido por quem habita quotidianamente a cidade.

O som tem destaque central na peça. Vindo da ponte, o leve ruído percetível desde o início do vídeo, cresce com a aproximação da ilha à ponte 25 de Abril. No momento em que a ilha passa a ponte, o som é enfatizado através da sobreposição de uma música apoteótica, para depois ser diminuído até à sua inexistência na sequência do afastamento da ilha em direção ao mar.

Simbolicamente, a ilha também subverte princípios relativos à insularidade, conceito intimamente ligado às ilhas ou arquipélagos, enquanto elementos geográficos. A autonomia desta ilha artificial, que flutua no Tejo, entre a mobilidade própria e a inevitabilidade das correntes, combate o princípio da insularidade. Evocando as noções de isolamento ou afastamento de um local face a um outro com superioridade de ocupação, esta ilha desabitada tem a particularidade de se deslocar, como pedaço de terra que se desagrega e flutua, aproximando-se do urbano, do construído.

A problemática da ocupação é central, se por um lado é comum a valorização da desocupação, associada à ilha deserta, longe do mundano e relacionando-se com outra realidade, com o irreal; por outro lado as ilhas habitadas, são muitas vezes alvo de estudo sobre a dificuldade do processo de desenvolvimento social, cultural, económico, comparativamente com a vida no continente.

Neste caso, a ilha paradisíaca retratada no vídeo, como pequeno pedaço de terra, deserta, de difícil acessibilidade do/ao mundo exterior é uma ideia que cada vez mais se afasta da realidade, que avança no sentido da utopia. A referência transmitida pelo próprio título, Ghost, sugere a impossibilidade da ilha, enquanto objeto que flutua no rio Tejo, mas acima de tudo como ideal. Nos segundos finais do vídeo é concretizada a construção da imagem arquétipo da ilha paradisíaca, agora já sem qualquer referência à realidade citadina, sem margens industrializadas, apenas a linha do horizonte e o pôr do sol em tons de rosa.

As 36 fotografias tiradas por fotógrafos amadores, que em comum têm uma ligação afetiva ao artista, foram agrupadas de maneira a enfatizar os três momentos do dia: manhã, tarde e pôr do sol, e escolhidas para “documentar” a travessia da ilha. As fotografias foram realizadas sem coordenadas embora a seleção agora apresentada tenha sido feita pelo artista.

Em ambos os casos, quer no vídeo como nas fotografias, é visível um trabalhado que explora o limite entre a ficção e documental. Partindo do princípio generalista que coloca o ficcional no plano da influência, do subjetivo, do parcial, e o documental no plano da prova, do objetivo, do imparcial, Onofre consegue tocar os dois campos. Através do vídeo, Ghost propõe um retrato da travessia feita pela ilha, recorrendo para tal a diversas técnicas e planos cinematográficos: traveling, close up, de planos gerais até planos de pormenor, manipulando constantemente a ação. Jogando com escalas, da ilha relativamente à ponte 25 de Abril, da ilha ao horizonte ou da copa da palmeira face aos edifícios, a utilização do close up que elimina por vezes o elemento água, recontextualizando a palmeira, e variando nos ritmos e velocidades do percurso da ilha.

No caso das fotografias, a produção de documentos é externa a uma parte do processo mas interna a outra, isto porque quem fotografa está relacionado de alguma forma ao artista e contribui concretamente para obra, mas sem participação conceptual no processo criativo.

O problema da ficção e do documento (como documento ficcional) ultrapassa o registo do acontecimento. O registo é ele mesmo uma manipulação do olhar, sendo a ação retratada, uma encenação de um acontecimento impossível – uma ilha paradisíaca que flutua no Tejo em direção ao oceano – um acontecimento utópico, tão utópico quanto a idealização da própria ilha.


Flávia Violante