Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia ©Fundação de Serralves, Porto.


Vista da exposição. Fotografia ©Fundação de Serralves, Porto.


Vista da exposição. Fotografia ©Fundação de Serralves, Porto.


Vista da exposição. Fotografia ©Fundação de Serralves, Porto.


Vista da exposição. Fotografia ©Fundação de Serralves, Porto.


Vista da exposição. Fotografia ©Fundação de Serralves, Porto.

Outras exposições actuais:

BÁRBARA WAGNER & BENJAMIN DE BURCA 

ESTÁS VENDO COISAS


Galeria Boavista, Lisboa
FRANCISCA CORREIA

ANDREAS H. BITESNICH

DEEPER SHADES: LISBOA E OUTRAS CIDADES


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

MANON DE BOER

DOWNTIME / TEMPO DE RESPIRAÇÃO


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
MARC LENOT

CLAUDIA ANDUJAR

LA LUTTE YANOMAMI


Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris
MARC LENOT

ORLANDO FRANCO

THE EYES ARE NOT HERE


Galeria TREM, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A LINHA EM CHAMAS


Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada
CARLA CARBONE

ISABEL MADUREIRA ANDRADE E PAULO BRIGHENTI

OUTRAS VOZES


O Armário, Lisboa
ANDREIA CÉSAR

MARIA PIA OLIVEIRA

O PONTO PERFEITO


Fundação Portuguesa das Comunicações,
JOANA CONSIGLIERI

BRIDGET RILEY

BRIDGET RILEY


Hayward Gallery, Londres
JULIA FLAMINGO

COLECTIVA

DELLA MATERIA SPIRITUALE DELL’ARTE


MAXXI – Museo delle Arti del XXI Secolo, Roma
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:


PAULA REGO

PAULA REGO. O GRITO DA IMAGINAÇÃO




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto

25 OUT - 08 MAR 2020


 

É com O Grito da Imaginação que Paula Rego (Lisboa, 1935) regressa ao Museu de Arte Contemporânea de Serralves depois da sua grande exposição nesta instituição, em 2004, comissariada por João Fernandes.

 

Encontrando-se Serralves a celebrar, no presente ano 2019, o trigésimo aniversário da sua coleção, é precisamente da artista Paula Rego que o museu conta com um número de obras muito significativo. É a partir deste espólio que se concebeu a mais recente ocasião expositiva, à qual ainda se acrescentaram algumas outras peças selecionadas pela curadora Marta Moreira de Almeida. Tratam-se, essas últimas, de duas séries de gravuras cedidas pela Casa das Histórias Paula Rego e pela Câmara Municipal de Cascais, e do filme de Nick Willing, Paula Rego, Histórias & Segredos (2016). Assim se consolidou um forte discurso que se materializa sob a forma de uma excepcional mostra.

Inaugurada no passado dia 25 de outubro na Casa de Serralves, apresenta em nítido destaque a série de pastéis de óleo Possessão (2004) que, como Marta de Almeida indica, foi o ponto de partida e o elemento determinante do que demais se apresenta. De facto, pode identificar-se esta obra enquanto a mais impressionante e arrebatadora de toda a mostra. Situada à direita, a partir da entrada do hall do edifício, e exibida numa estrutura concebida propositadamente para a acolher, afirma-se com tamanhas dimensão e potência físicas e visuais que instaura uma esfera própria. Forma uma espécie de força gravitacional que prende o espectador ao centro da sala e que não somente o convida a entrar, como o transporta abruptamente para o universo de Paula Rego.

Possessão, como a curadora explica, é um conjunto de sete telas que, não se definindo por uma ordem rigorosa, tem uma certa lógica, convocando uma narrativa com princípio, meio e fim. Esta foi a mais recente aquisição de peças da artista por parte do Museu de Serralves, não sendo, porém, a mais recente que agora se expõe, contando-se duas outras de 2006.

A exposição traça-se a partir de três eixos distintos. Em primeiro lugar, dá destaque a matérias do quotidiano, de seguida, problematiza o papel da mulher na sociedade contemporânea e, por fim, como se explica no texto que acompanha a exposição, revela universos inesperados do foro das preocupações do homem, principalmente ao nível das relações e da intimidade. No que diz respeito à distribuição espacial das obras, esta não se determina por uma ordem cronológica. O piso térreo está bastante diversificado, encontrando-se dedicado aos últimos vinte e cinco anos de produção da artista, com vários trabalhos desenvolvidos a partir da década de 90 e alguns exemplares de 70.

No andar superior apresentam-se criações dos anos 80, já se revelando aí uma maior orientação temporal e/ou temática e onde as personagens ganham maiores volumetria e protagonismo, repetindo-se a representação de figuras femininas, animais e máscaras. Como Marta de Almeida esclarece, é no início dessa área da Casa que se expõem obras procedentes da exploração plástica da colagem, prática à qual Paula Rego se havia dedicado entre os anos 60 e 70. Enquanto uma das peças mais marcantes dessa expressão criativa refira-se The vivan girls on the farm (1984/85), que já havia sido exposta na primeira mostra individual da artista em Serralves, em 1988. Trata-se de uma tela de grandes dimensões, desconcertante e subversiva, que afeta o espaço em que se instala e qualquer um que se detenha na sua presença. Com uma composição plana, cores fortes e pinceladas largas e vigorosas, aproxima-se da linguagem do desenho e da banda desenhada.

Ainda no piso superior, na última sala, destacam-se duas pinturas ilustrativas de uma menina que tanto cuida e protege como provoca um cão, personagem claramente simbólico da figura masculina. Como a curadora indica, ambas as peças podem ser compreendidas como autobiográficas, sendo importante ter em conta o contexto da sua realização, próximo do falecimento do marido da artista.

Firma-se e expõe-se, assim, um amplo conjunto de obras que, sendo bastante heterogéneas, caracterizam-se por princípios formais e visuais comuns, os quais, por sua vez, são próprios de Paula Rego. É, pois, uma obra que, mesmo revelando um gradual crescimento plástico e conceptual, é pautada por uma qualidade e uma singularidade autoral transversais. O traço da artista é veloz e assertivo, canalizando a sua energia e confiança inconfundíveis e aparentemente inabaláveis. Podem ainda referir-se determinados rituais e processos criativos reincidentes, tal sendo o caso de uma espécie de encenação cénica, preparatória das representações, que tem lugar no atelier e que constitui uma exercício de particular importância para a artista.

Um outro elemento estrutural em toda a obra é o desenho, motivo pelo qual a curadora deu particular destaque às gravuras que, principalmente nos anos 80, Paula Rego compreendeu serem ideais para elaborar e transportar em viagem.

Também comummente, a criação da artista provém, em grande parte, das suas memórias de infância, não somente num sentido vivencial transcrito nas suas ilustrações, como também decorrente de fábulas, contos populares e referências da literatura que a marcaram, caso de Eça de Queiroz e de Shakespeare.

Enquanto espaço expositivo, a Casa de Serralves consiste num particular desafio. Caracterizada pela arquitetura Art Decó dos anos 30 do séc. XX, é constituída por pedra, mármore, madeira e vidro conjugados num rigor decorativo que se distribuí sob a forma de uma singular estrutura, sobretudo no labiríntico piso superior. Por conseguinte, o edifício é capaz de absorver a arte que nele se expõe, algo que já se viu acontecer anteriormente. Porém, como se verifica na presente mostra, tal não acontece, assim se refletindo a qualidade da curadoria de Marta de Almeida, ao alcançar um equilíbrio ideal entre "deixar a casa ser vista como ela é" e destacar e valorizar o trabalho da artista. Mais importante, Paula Rego é, ela mesma, imune às mais complexas condições espaciais.

Entre divisões denota-se uma harmonia na relação objeto/espaço e, em alguns casos até, um sentido de pertença, como se cada obra se instalasse como habitante da casa. A criação da artista não se deixa subjugar e a sua especificidade sobrepõe-se à do contexto em que se insere, tanto espacial como temporal. Trata-se, com efeito, de uma obra acrónica, qualidade de que poucos artistas se podem vangloriar.

Como Philippe Vergne referiu na inauguração, o trabalho de Paula Rego mantem-se extremamente relevante. Todos os assuntos por si abordados, a intimidade, a identidade de género, a violência, os abusos e as relações são, sempre, atuais. Pode, de facto, compreender-se que, sendo questões de natureza humana, projetam-se no tempo, independentemente do momento em que sejam expostas, recebidas e experienciadas. Mesmo, por exemplo, no caso da obra A Cinta (1995), apesar de atualmente não ser tão habitual o uso do referido acessório de vestuário, a pintura não se esgota aí, simbolizando e remetendo para outras problemáticas da esfera feminina.

A atemporalidade de Paula Rego é acentuada e exacerbada pelas sublimes qualidades criativas, plásticas e expressivas da sua obra, razão pela qual a artista é reconhecida e enaltecida como uma das mais relevantes e valiosas no panorama artístico português contemporâneo. Ora, com convicção, afirma-se que assim se manterá, para a posteridade, enquanto máxima referência da arte nacional.

É deste modo, com igual força e segurança que a exposição reclama, em Grito, por ser visitada, o que se encontra passível de concretizar até ao dia 08 de março de 2020.

 

 



CONSTANÇA BABO