Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.


Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 2


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

ZHENG BO

THE SOFT AND WEAK ARE COMPANIONS OF LIFE


Kunsthalle Lissabon, Lisboa
DIOGO GRAÇA

PEDRO VALDEZ CARDOSO

O FILHO DO CAÇADOR


Appleton [Box], Lisboa
FRANCISCA CORREIA

CATARINA BRAGA

POST-WORLD


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 1


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

NATÁLIA AZEVEDO ANDRADE

THORNS AND FISHBONES


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

LOURDES CASTRO

A VIDA COMO ELA É


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

TÂNIA CARVALHO

COMO SE UMA CAMADA DE ESCAMAS BEM FECHADA


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

FRANCISCO VIDAL

OFICINA TROPICAL


Zet Gallery, Braga
FRANCISCA CORREIA

MIGUEL CHETA

TODOS NÓS NASCEMOS ORIGINAIS E MORREMOS CÓPIA


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


JOANA ESCOVAL

MUTAÇÕES. THE LAST POET




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 Lisboa

13 FEV - 19 ABR 2020


 

 

[Com os museus temporariamente fechados por todo o mundo, a Artecapital continua a publicar críticas de exposições interrompidas devido à Covid-19]

 

 


 
Na exposição, "Mutações-The Last Poet", que inaugurou em fevereiro no Museu Coleção Berardo e encerrou pouco depois, Joana Escoval transforma toda a arquitetura do espaço numa labiríntica instalação site-specific e a linearidade do habitual percurso expositivo é desafiada. Esta reconfiguração arquitetónica e a sua imprevisibilidade como meio - provavelmente a mais interessante utilização deste espaço até aqui – contém o ápice da exposição.
 
A génese do trabalho de Joana Escoval insurge-se numa sucessiva tentativa de investigar as oscilantes fronteiras delimitadoras entre a natureza e o humano, na ânsia de as extinguir totalmente. Se Antoine Lavoisier enunciava que «na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma», que apontava para uma infinita ciclicidade de toda e qualquer matéria, então o trabalho de Joana Escoval é a sua exata correspondência e materialização. De facto, é-nos possível presenciar essa transformação da matéria e interação nesta exposição, sabendo-se que algumas das peças escultóricas criadas em metal por Joana Escoval (à semelhança da natureza) sofrerão uma natural e inevitável oxidação progressiva, durante o período da exposição.

 

Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.

 

Efetivamente, a transformação da matéria e o fluxo da energia são centrais na prática artística de Escoval, em especial fenómenos causados pela natureza. A natureza empresta-lhe os elementos clássicos (terra, ar, água, fogo) e os materiais que lhes derivam (metal ou a madeira) para criar as suas obras, que em parte apresenta intactas, em bruto (como a rocha vulcânica); outra parte altera e trabalha (como as esculturas metálicas). A escrutinada eleição de materiais tão dispares esteticamente quanto a rocha vulcânica e o ouro – com que trabalha e depois transfere para o espaço expositivo – é realizada a partir de processos criteriosos de escolha focados no processo, tendo a origem dos materiais um papel crucial na conceção das peças – como que a deslocação trouxesse uma significância quimérica ao seu encontro. Para Joana Escoval, que já viveu na Madeira, em Florença e em Berlim, tais informações seriam naturalmente irrelevantes, não fosse a busca incessante da artista pelo material ideal e a sua inerente significação, parte elementar na sua prática artística.

 

Vista da exposição. Fotografia: Bruno Lopes.

 

O mais identificável e, porventura, o mais intrigante na obra de Joana Escoval é o carácter imaterial inseparável de muitas das suas peças. Apesar da robustez e amorfia dos materiais que utiliza - como a rocha vulcânica, o ouro ou o metal – as obras que cria são delicadas e frágeis, extrapolando a materialidade e o formalismo dos seus constituintes, para criar algo propício de desencadear significações metafisicas, elevação espiritual ou até mesmo sentido poético.
Esta “Mutações- The Last Poet”, evidencia substancialmente essa característica imaterial da sua obra, uma vez que, numa primeira observação, o que parece ser exibido é a arquitectura do espaço, as salientes curvas, quase labirínticas, que percorrem as paredes da galeria; e não as peças da artista. Todas as obras aqui apresentadas se destacam pela sua intrínseca subtileza, especialmente evidente nas peças escultóricas I would rather be a tree, 2017-2020, ou I would rather be a storm, 2020, de capilares ramificações feitas de metal, percetíveis no espaço apenas pela praticável aproximação do espectador.

A renovada arquitetura do espaço materializada em contornos orgânicos, formando um corredor ondulante, incita o espectador a percorrer um trilho, não visível e não antecipável (que se revela inesperado e abrupto), à medida que se encontra no espaço com as obras da artista. De forma cifrada, as obras criadas pela artista, coexistem num todo contínuo, em mutação e inalterável equilíbrio.

 

 

Francisca Correia 
Aluna de Programação e Produção Cultural na ESAD.CR. Encontra-se neste momento a realizar um estágio curricular na Artecapital, na área de produção e divulgação de conteúdos.

 



FRANCISCA CORREIA