Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.


Vistas da exposição Grids and Filters , Ramiro Guerreiro. Cortesia do artista e da galeria Lehmann + Silva. © Dinis Santos.

Outras exposições actuais:

MARIA DURÃO

EVAS


Kubikgallery, Porto
SANDRA SILVA

COLECTIVA

ENSAIOS DE UMA COLEÇÃO – NOVAS AQUISIÇÕES DA COLEÇÃO DE ARTE MUNICIPAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

ANAGRAMAS IMPROVÁVEIS. OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

JOÃO BRAGANÇA GIL

TROUBLE IN PARADISE


Projectspace Jahn und Jahn e Encounter, Lisboa
CATARINA PATRÍCIO

JOÃO PIMENTA GOMES

ÚLTIMOS SONS


Galeria Vera Cortês, Lisboa
MADALENA FOLGADO

COLECTIVA

PERCEPÇÕES E MOVIMENTOS


Galeria Presença (Porto), Porto
CLÁUDIA HANDEM

MARIA LAMAS

AS MULHERES DE MARIA LAMAS


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
FÁTIMA LOPES CARDOSO

PEDRO TUDELA

R!TM0


Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, Santo Tirso
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

COLIBRI EM CHAMAS


ZARATAN - Arte Contemporânea , Lisboa
FILIPA ALMEIDA

ARQUIVO:


RAMIRO GUERREIRO

GRIDS AND FILTERS




GALERIA LEHMANN + SILVA
R. do Duque da Terceira 179
4000-535

16 SET - 04 NOV 2023


 

As paredes da galeria poderiam ser as de um estúdio de arquitetura. Há a maquete, o desenho à escala 1/1, os moodboards com fotografias, sobras de recortes, estudos de cor e composição. Nesta que é a sua segunda exposição individual na Galeria Lehmann + Silva, Ramiro Guerreiro volta a trazer as disciplinas basilares da sua prática artística – a arquitetura e o desenho -, concentrando-se em “elementos plásticos da composição das fachadas de edifícios associados ao chamado Estilo Internacional” [1]. Tais elementos caracterizam-se por paredes em grelha, parcialmente vazadas e com diferentes padrões ortogonais. Nas suas viagens por cá e pelo mundo, Ramiro fotografa-os. Interessa-lhe essa ideia de uma linguagem universal que “vai para além do estético” [2], ambiciosa em várias frentes.

Vemos essas fotografias compostas em quadros tripartidos, numa ordem que junta uma pintura abstrata de carácter geométrico, e uma impressão de recortes dos decalques da descontinuada marca Mecanorma. Se pensarmos estes Moodboards (2023) como a conceção visual da essência de uma ideia que se quer materializar, ficamos curiosos sobre que projeto ou objeto vão estas referências originar. No entanto, a palavra mood parece revestir estas composições com um carácter mais emocional do que racional.

Esta particular atenção à linguagem vem do facto de Ramiro não descartar os cabeçalhos das folhas dos decalques, não sendo a primeira vez que se apropria deste material nas suas obras. As palavras que vamos lendo, na sua (de)composição, dão azo a uma especulação intelectual que nos faz considerar mais do que o que aparentemente lá está. “Norma-”, “-tone”, “-one”, “-set”, “mini-”, “heat”. O espetador é convidado ao exercício de expandir significados dentro deles próprios, por vezes antagónicos na sua coexistência, e que podem referir tanto uma preocupação formal sobre o tom ou a escala, como sugerir uma reflexão profunda sobre a relação indivíduo-coletivo. Além disso, numa mostra que parte da referência a uma linguagem plástica de um Estilo que se definia como Internacional, é sugestiva a existência de vocábulos que referem – tanto nos títulos das obras como inseridos nelas – pontos geográficos específicos: Estados Unidos da América, França, Holanda, Lisboa, Loulé, Meca-. De notar que os países referidos constituem lugares-chave na história da arquitetura e arte modernas, onde nasceu o Estilo Internacional.

A também presença do número nas suas configurações visuais – caractere numérico, palavra, fração, código de barras, percentagem –, apesar de tímida, não passa despercebida. O número e a palavra, juntos, parecem indicar um jogo secreto de correspondências quânticas impossíveis de decifrar.

Já as pinturas impõem uma estabilidade visual depurada pela perpendicularidade das linhas, rectângulos e quadrados, cujos perímetros não são rigorosamente considerados. A mancha passa o contorno de grafite, e as linhas surgem tortas do primeiro gesto de as desenhar. Não existe aqui a ambição do purismo das formas e das cores, mas a simplicidade e coerência com o que lhes é adjacente, articulando cheios e vazios numa paleta cromática tipicamente corbusiana. O material visual e linguístico da Mecanorma constitui um contraponto pois, além de incluir a ambiguidade da palavra, introduz a diagonal pelo corte e, assim, o desequilíbrio, o movimento, uma possível subjetividade temperamental. É nesse espaço reservado que Ramiro dá lugar à provocação, porventura ao conflito, quando integra uma folha de figuras humanas estilizadas há demasiado tempo à espera de serem transferidas para esse lugar ideal que é o pragmatismo das formas (construídas ou não).

A disposição destes referentes, reunidos e não imiscuídos nos quadros, filia-se a uma noção de pré-projeto que, ao mesmo tempo, também refere uma época “pré-digital” [3]. Os decalques de figuras e tramas, usados em projetos de arquitetura e artes gráficas a partir dos anos 70, dialogam com a pintura e o desenho manuais, que se assumem como processo e fim em si mesmo.

Desenho Grelhagem (2023), um muro-cortina de tijolos-losangos, evoca essa maneira inicial de aprender e projetar arquitetura: a que começa na mão que mede e escala, que experimenta o tom e não o deixa uniforme, que mancha e suja o suporte, que demora e não chega a acabar. Associo este contacto físico com a matéria ao que Ramiro diz ser “uma inteligência pré-racional, pré-mental” [4] que tendemos a esquecer com frequência e que é, não raras vezes, guia das opções tomadas pelo(s) artista(s).

Ramiro apresenta outra grelha, desta vez tridimensional, um protótipo que apelidei de “grelha fora-da-norma”, uma vez que a unidade que a compõe é irregular e tem inclinado um dos seus lados, algo invulgar neste tipo de estruturas. Esta peça traz-me à lembrança o que escreveu Walter Benjamin sobre como recebemos a arquitetura: a sua receção visual só é (a)percebida “gradualmente pelo hábito, após a aproximação da recepção táctil” [5]. Esta janela funciona como um ponto de retorno entre as obras, o que permite intermediar ambas as experiências – a ótica e a tátil. Sem frente ou verso, a sua perceção varia conforme a nossa posição no espaço apresentando padrões trapezoidais em plano e profundidade, e deixando antever o espaço interior e exterior da galeria e, principalmente, inspirando outros. O uso mediterrâneo do material e da cor saturada (terracota, azul, branco) transporta-nos para territórios mais amenos, quentes, festivos, onde este tipo de soluções cumpre também uma função térmica, capaz de reter o calor e filtrar a brisa. Uma peça sensual e “sensorial” [6], que tem aqui o poder de permear as noções entre uma arte erudita e uma arte vernacular.

Reflito no convívio entre as fotografias autorais de equipamentos datados e definidos por um estilo, pinturas com estética neoplasticista, materiais usados na pós-modernidade, modelos e padrões com um toque vernacular; assim como um filtro que deixa passar apenas uma parte de algo, questiono o que ainda se pode retirar neste vai-e-vem temporal e espacial entre -moodernidades. Como disse Rosalind Krauss em “Grids”, “O poder mítico da grelha é o de nos fazer pensar que estamos a lidar com o materialismo (ou, às vezes, com a ciência ou a lógica) quando, ao mesmo tempo, ela nos proporciona uma liberdade para a crença (ou para a ilusão, ou a ficção)” [7]. Assim também nos faz a obra de Ramiro Guerreiro, com a força de nos apresentar um ponto de vista sem deixar de tocar no seu contrário.

 

 

Cláudia Handem
(n. 1992, Murtosa) Licenciada e mestre em Arquitetura pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, e licenciada em Artes Plásticas - Pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Desenvolve prática artística no campo do desenho e da pintura, e escreve, de forma independente, sobre exposições de arte.

 

:::

 

Notas

[1] Ramiro Guerreiro em conversa com Isabel Carvalho, Folha de Sala, Grids and Filters, p.3
[2] Ramiro Guerreiro em conversa com Vera Appleton no Appleton Podcast - Episódio 104 “Bolsa Appleton – Conversa com Ramiro Guerreiro”, 2023, 28’.
[3] Ramiro Guerreiro em conversa com Isabel Carvalho, Folha de Sala, Grids and Filters, p.3
[4] Ramiro Guerreiro em conversa com Isabel Carvalho, Folha de Sala, Grids and Filters, p.7
[5] Walter Benjamin, “A Obra de Arte na Era da Sua Reprodutibilidade Técnica”, Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política, Lisboa: Relógio D’Água, 1992, p. 110.
[6] Isabel Carvalho em conversa com Ramiro Guerreiro, Folha de Sala, Grids and Filters, p.6
[7] Rosalind Krauss, “Grids”, The Originality of the Avant-Garde and Other Modernist Myths, Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 1986, p. 12. Tradução livre da autora.

 



CLÁUDIA HANDEM