Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 


KEITH SONNIER, ESCULTOR QUE USOU A LUZ DE NEON PARA ULTRAPASSAR OS LIMITES DO DESENHO, MORREU AOS 78 ANOS

2020-07-21




Keith Sonnier, que a partir de 1960 expandiu noções de escultura com materiais como tecido, espuma e luz incandescente, morreu no sábado aos 78 anos de idade. Faleceu por causas relacionadas com uma doença de longa data no Hospital Southampton, perto de sua casa. em Bridgehampton, Nova York.

Sonnier surgiu como parte de um grupo de artistas que refaziam e repensavam os modos como a escultura e outros tipos de arte em Nova York, onde as disciplinas colidiam. Os seus trabalhos mais conhecidos utilizaram luz de neon, que para ele se tornou num meio para criar desenhos eletrificados que podiam parecer soltos e efémeros, como se fossem esboçados com uma sensação de liberdade e facilidade em desacordo com as realidades de fabricação. A luz nas suas mãos poderia contorcer-se e parecer viva.

Como escultor, Sonnier começou a trabalhar com objetos encontrados e materiais dispersos fora das convenções da arte que haviam sido transmitidas no passado. Em vez disso, optou por uma variedade díspar de materiais que variavam de cetim, borracha e feltro a rádios, scanners da polícia e antenas. Uma instalação intitulada Dis-Play II - que remonta a 1970 e recriada pelo Dan Flavin Institute da Dia Art Foundation em Bridgehampton, Nova York, em 2018 - lista lavagens de luz sobrenaturais junto com espuma de borracha, pó fluorescente e filmes projetados.

"O nsso tipo de trabalho era de alguma forma contracultura", disse ele à revista Interview. "Escolhemos materiais que não eram 'high art'; não estávamos a trabalhar em bronze, nem em tinta. Estávamos a usar materiais que antes não eram considerados materiais de arte. Eles foram deliberadamente escolhidos para evocar psicologicamente certos tipos de sentimentos. Eu uso materiais psicologicamente carregados.”

Keith Sonnier nasceu em 1941 e cresceu numa família Cajun na zona rural da Louisiana, casa para outros nativos do estado de Bayou. Mais tarde mudou-se para o centro de Nova York, e juntou-se ao grupo de Lynda Benglis, Richard "Dickie" Landry e Tina Girouard. Estudou arte como aluno de Robert Morris na Rutgers University, em Nova Jersey, e instalou-se permanentemente numa simpática casa na zona proeminente de SoHo, zona pontuada por intervenções de Gordon Matta-Clark, Robert Smithson, Nancy Holt, Donald Judd, Dan Flavin e Barry Le Va, e muitos outros.

Sonnier não estava sozinho no uso do néon no final dos anos 60. "Mas enquanto figuras como Joseph Kosuth e Bruce Nauman usaram o meio na mesma época para desafiar ironicamente as convenções e limitações da linguagem, Sonnier adotou o néon como um meio de ampliar a definição de desenho", escreveu Charlie Tatum numa crítica na Art in America de uma exposição de pesquisa de 2018 organizada pelo Museu de Arte Parrish em Water Mill, Nova York. “Os primeiros exemplos, como o Neon Wrapping Incandescent II (1968), usam os tubos de neon como uma maneira de esboçar em três dimensões. Os laços entrelaçados deste trabalho de vermelho e azul e seus cordões pretos drapeados são como rabiscos luminosos. "

Sonnier falou dos seus trabalhos como representações apaixonadas. "Muitos dos impulsos vieram do erotismo, sensualidade - e seriam mais facilmente compreendidos se fossem sentidos", disse ele sobre as suas primeiras criações em neon na revista Bomb em 1982. E os sentimentos que evocam podem funcionar de maneiras diferentes em diferentes escalas, de obras de parede menores a obras monumentais como Lichtweg, uma instalação ao longo de um corredor de 1.000 metros no Aeroporto Internacional de Munique instalada em 1992 e ainda hoje é uma experiência.

“Ficar envolvido com o néon foi mágico para mim”, disse Sonnier ao Brooklyn Rail em 2018, lembrando a época da sua pesquisa no Parrish Art Museum. “Eu acho que na arte há sempre um elemento mágico que eu acho que é inato na percepção e na visualização desta. E é por isso que eu gosto de levar as pessoas a ver arte.”

Fonte: ARTnews