Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Alexandre Estrela, “Motion seekness”, 2010


Alexandre Estrela, “Queda e contra-queda”, 2010

Outras exposições actuais:

DOROTHEA LANGE

WORDS & PICTURES


MoMA - The Museum of Modern Art, Nova Iorque
MAURO SANTOS GONÇALVES

COLECTIVA

A IDADE DE OURO DO MOBILIÁRIO FRANCÊS. DA OFICINA AO PALÁCIO


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
CARLA CARBONE

TÚLIA SALDANHA

UMAHORA VI


Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, Bragança
LAURA CASTRO

DIOGO TUDELA

VOCAL TRACT / BLACK HOLE / VENT SHAFT (PART I)


gnration, Braga
CATARINA REAL

COLECTIVA

FAZER DE CASA LABIRINTO


Balcony, Lisboa
DIOGO GRAÇA

JAMES NEWITT

FOSSIL


Carpintarias de São Lázaro, Lisboa
DIOGO GRAÇA

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE III


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

CORPO, ABSTRACÇÃO E LINGUAGEM

OBRAS DA SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA EM DEPÓSITO NA COLEÇÃO DE SERRALVES


Museu Municipal de Espinho / FACE, Espinho
SORAIA FERNANDES

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 2


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

ZHENG BO

THE SOFT AND WEAK ARE COMPANIONS OF LIFE


Kunsthalle Lissabon, Lisboa
DIOGO GRAÇA

ARQUIVO:


ALEXANDRE ESTRELA

Motion seekness




CULTURGEST (PORTO)
Edifício Caixa Geral de Depósitos Avenida dos Aliados, 104
4000-065 Porto

20 FEV - 10 ABR 2010

Dois momentos

Exactamente uma semana após a abertura da exposição no Porto de “Motion Seekness” de Alexandre Estrela, o crítico Celso Martins lamenta, num artigo intitulado de “Estratégias de apresentação” no suplemento Actual do Expresso (1), que a Culturgest esteja transformada numa espécie de adido cultural dos Países Baixos, “demasiado dependente do gosto pessoal do seu responsável [Miguel Wandschneider]”. No decorrer do artigo não deixa de referir que – “Não quer isto dizer que não tenham vindo belíssimas exposições a Lisboa pela mão de Miguel Wandschneider (as de Jochen Lempert e Gruyter/Thys são disso bons exemplos).” O cerne deste queixume de Celso Martins reside na previsibilidade das propostas apresentadas pela Culturgest.

Este trejeito em forma de balancete, sem aludir a grandes detalhes, sobre a actividade do curador Wandschneider na Culturgest só é possível, porque se inscreve no conhecimento de que a curadoria se tornou num terreno fértil em competição. Não se trata apenas de assistir a um gladiar de gostos. Isso seria ingénuo. Particularmente porque o fazer mais com menos é o capacho que se coloca a todo o curador, proporcionando cada vez menos margem para correr atrás de gostos. E sendo assim, a receita surge como farmacopeia comum, digamos que é genérico: na certeza de que tudo é passível de existir numa forma expositiva, nem que seja invocando a diluição eficaz que é o pluralismo. E que facilmente se encapuça no agenciar do múltiplo (no histórico, no social, no cultural, etc.); o curador encontra-se menorizado no seu papel de especialista de conteúdos, para ser apreciado como programador de um espaço. É nesta condição, que tem de encontrar alternativas dinâmicas e baratas. E sim, continua a ter que justificá-las. Porém sendo a predisposição mais festiva, o argumento da quantidade de visitantes é a pedra basilar sempre pronta a ser arremessada. Instalações, projecções, concertos de música, obras encomendadas para o local (grande parte destas efémeras) são as soluções mais comuns. Daí advém, talvez, grande parte da previsibilidade que Celso Martins evoca.

Pode-se reclamar um interesse na criação de novos valores, ou até a necessidade de dinamismo na área. Mas é corrente fazê-lo porque, simplesmente, se tem de fazer mais com menos. Neste a priori a peneira do curador vira-se para artistas cujos nomes não estejam inflacionados. Encontrados, vê-se ainda se há necessidade de sacudir algum grumo mais atravancado em trabalhos anteriores. E volta e meia, durante este processo, até se encontra um artista cujo trabalho foi injustamente colocado no refugo. Mas é raro como a sorte grande. Mais frequente é inventariar-se um novo valor na prometedora expectativa de vir a ser, pelo menos, um diferente no mesmo.

Mas a localização de um “novo valor artístico” é apenas uma quota-parte do trabalho do curador. É apenas o olho e o ouvido a trabalhar. E as inovações tecnológicas também trouxeram a sua velocidade para essa flânerie. O trabalho de ardil do curador está em formar aquilo que é entendido por mediação entre a proposta artística e os diversos públicos. Na construção, divulgação e consolidação do designado valor simbólico e para a qual a crítica também contribui. Mas como ver tudo isto, quando a mediação não é feita pela eficácia das obras; quando a disposição dos trabalhos pelo respectivo espaço expositivo nem sequer assegura uma leal confrontação; quando a única mediação surge sobre a forma de texto (de sala ou em catálogos) e nestes esperando-se uma minuciosa pesquisa do curador deparamo-nos, por sua vez, com o assumir de funções idênticas à de um narrador, que em vez de justificar a premência da proposta ou aposta, descreve com empatia envolvente o processo criativo de determinado autor. Sobre a empatia Walter Benjamim já o disse bem – que é a natureza da intoxicação. Não é de admirar que a toxidade destes textos seja tal, que são poucas as pessoas que pegam neles, e menos aqueles que se dão ao trabalho de os ler. Os espectadores ocasionais de arte contemporânea, ao lê-los, sentir-se-ão debilitadamente remetidos para o seu processo de iniciação na arte contemporânea. Os familiarizados, abeirar-se-ão à cisma de estarem a assistir a uma alavancagem de nomes, que tende e atende às lógicas de mercado.

Quem for ver a exposição de Alexandre Estrela e no enfiamento ler o texto de sala não poderá deixar de notar na dissonância entre a intencionalidade do autor e o seu trabalho. Depara-se com uma encriptação, cuja chave só está ao alcance do texto que o narrador-comissário activa. É o texto que tenta envolver o visitante naquele universo e reparar as deficiências da proposta expositiva. E na fabricação desse resultado o texto de Miguel Wandschneider é eficaz.

A exposição tem o título sugestivo de “Motion seekness” sendo este também o título de um dos trabalhos. Joga na junção do verbo to seek (procurar) e o substantivo sickness (enjoo). Essa associação é também evocada no texto de sala, num reforçar do esforço para que ambos sentidos não passem despercebidos. E é nesta divisão, entre a acção e a condição indicada, que se forma o mote: o tipo e o topos que deverão acompanhar o visionamento da exposição.

A estrutura do espaço da Culturgest do Porto está alterada – encontra-se dividida em duas áreas contíguas, onde vamos encontrar os dois momentos que compõem a proposta de Alexandre Estrela.

Na primeira sala encontramos o trabalho “Queda e contra-queda”, trata-se de uma serigrafia composta por dois círculos, um traço em cunha e uma seta. Todos da mesma cor vermelha. Esta representação estática é sujeita a projecções de luz estroboscópica que alterna com uma sonorização de duas frequências, uma grave outra aguda. Todo este dispositivo, de sobreposição de mediums, tem a intenção de dificultar as condições de captura da imagem estática. A criação de trabalhos que concebem estas fissuras perceptivas tem sido o filão do artesão. Basicamente é neste campo que Alexandre Estrela tem apostado e pelo qual é referenciado. Mas aqui, e quem conhecer trabalhos anteriores do autor como “Stargate” ou “Deserto Acéfalo”, facilmente percebe que “Queda e contra-queda” não provoca a mesma inquietação. Que se assimila pelo que é, uma sobreposição de ruídos.

Na segunda sala, numa área circular, surge então o trabalho “Motion Seekness”, este tem por base um registo que é inabitual ver-se no autor, o desenho. São uma série de impressões a jacto de tinta em grande formato. Que explora diferentes disposições de capacetes acoplados por máquinas de fotografia e vídeo, e onde cada um deles possui um rasto que sugere estar em queda. É necessário recorrer ao texto do curador para não levar deste trabalho a sugestão de estarmos diante de uma parafernália de registos ópticos numa espécie de update craniano. É o texto que nos informa que se trata de capacetes usados por pára-quedistas para registarem as suas formações em voo. É o texto que nos diz que este trabalho surge da memória que o autor tem de um programa televisivo francês, da década de 80, em que assistiu à queda descontrolada de um operador de câmara pára-quedista que esqueceu-se do pára-quedas e é esse movimento de queda registado, que Alexandre Estrela tenta reproduzir neste trabalho. Levando-nos novamente para a temática da desorientação ou das dificuldades de percepção (neste caso de registar a queda) quando existe a sobreposição de médiuns, a fotografia e o vídeo respectivamente.

A história desta exposição resume-se ao facto de que com a narração existe pontualmente questões de interesse empático. Mas se atendermos só ao impacto com os trabalhos é uma exposição que não irá aspirar a grandes voos. É bom ter um curador que saiba usar um ampara-quedas.




NOTAS
(1) Actual de 27 de Fevereiro Expresso


Rui Ribeiro