Links

O ESTADO DA ARTE


Fotografia: Teresa Tojo


Fotografia: Teresa Tojo


Fotografia: Teresa Tojo


Fotografia: Fábio Verissimo


Fotografia: Fábio Verissimo


Fotografia: Fábio Verissimo


Fotografia: Fábio Verissimo

Outros artigos:

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA

JOANA CONSIGLIERI

2018-11-17




Os efeitos do gosto, tomados na sensibilidade, consistem em harmonizar as forças sensíveis e espirituais do ser humano, juntando-as numa íntima aliança.

Schiller, Friedrich (1994). Sobre a Educação Estética do Ser Humano numa Série de Cartas e Outros. p. 105.


Quando contemplamos uma coleção, debruçamos-nos quase sempre sobre a sensibilidade de um olhar de um determinado autor, o colecionador, um gosto de uma dada personalidade, cuja curiosidade é imbuída da paixão pela obra de arte, por abarcar a vida, o conhecimento, o significado, o valor emocional, uma aspiração de algo que sonha.

Se recordarmos a arte contemporânea, damos conta de múltiplas experiências estéticas muito díspares entre si, tais como o belo, o sublime, a tragédia, o horror, a vida ou a morte, bem como uma série de vivências e estilos que estejam profundamente afins ao respetivo criador, como o pensamento, a ideia, a emoção à cor, forma, luz e sombra.

Educação Sentimental. A Coleção Pinto da Fonseca reflete o diálogo entre duas visões e experiências estéticas, que se cruzam e se entrelaçam intimamente entre a vida e a cultura. Apresenta-se uma coleção de autor, o colecionador António Pinto da Fonseca, pai; e do curador, Victor Pinto da Fonseca, filho, que também participou como autor nesta seleção exposta na Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva.

Esta exposição nasce desse encontro entre a vida e a cultura: o gosto dos colecionadores, pai e filho, que se fundem pela cumplicidade de serem amantes da arte, o que, em certa medida, provocam no espectador um sentimento desconcertante por escapar a este quem determinou este “corpo-estético” constituído por uma série de obras de arte inéditas da História da Arte portuguesa.

Educação Sentimental surge da necessidade ou de uma «jornada pedagógica» para os seus filhos, enquanto valor estético ou enquanto aprendizagem de uma consciência crítica a partir de uma obra de arte, evidenciando uma paixão pela cultura e pelo conhecimento. Desta forma, o título alude ao romance do escritor francês Gustave Flaubert, A Educação Sentimental, de 1869, tal como afirma Victor Pinto da Fonseca. Todavia, não se trata de uma correspondência narrativa, nem de uma citação do conteúdo literário, mas sim, de um reflexo do que se poderá entender uma «educação sentimental», na medida em que o motivo educacional permitiu o despertar para outras dimensões inesperadas do ser. Relembramos, desta forma, o que afirmou Friedrich Schiller, filósofo germânico (1994, p. 31), sobre educação estética: «(…) uma vez que é pela beleza que se caminha para a liberdade.».

Nesta exposição, misturam-se as vozes e as memórias que formam a sensibilidade estética, o belo como a constante descoberta do universo interior. Molda-se o pensamento crítico, o sentimento e a emoção, cujo eu é caracterizado pela contemplação de uma obra de arte, num descortinar do conhecimento. Gera-se um caminho altruísta, o amante da arte, uma jornada de um filantropo.

Esta vontade ímpar intimista entre o “eu-sujeito” e a “obra de arte-objeto” origina laços com o outro, o artista. O amante da arte aprecia o mundo, ideias e pensamentos. A obra de arte passa a ser o mediador da vida. Usufruímos através dela múltiplas experiências sentidas por quem a fez, estimulando elos sensitivos, cujas ideias se produzem por um ato educacional da beleza. Numa construção emocional e racional de um olhar, contemplamos quem sentiu o valor estético de uma obra de arte.

A vida e a cultura sofrem mutações por quem a vê, enquanto fenómeno real. Através da obra de arte, o ser humano reflete o que pensa, questiona e duvida. Vivencia mundos e sonhos, virtudes e defeitos, beleza e feio, drama e morte.

Educação Sentimental emerge desta fusão, memórias e vivências que determinam o ser. Através da sensibilidade, olhar crítico e gosto pela obra de arte, diferencia-se o estado do ser no mundo.
Vislumbramos, desta forma, o gosto e a paixão pela obra de arte, cuja perceção se lança para domínio do grande público. Este, enquanto espectador, acolhe esta dialética estética, em que a “sensação dos autores”, colecionadores e curador, se dissemina no espaço. Acedemos à partilha da «forma-dupla» do gosto, à paixão que os motivou. Uma «obsessão» pelo belo. Numa descoberta do pensamento artístico, vislumbramos o conhecimento, quando deambulamos pelas obras de arte.

Apreciamos, assim, cerca de sessenta obras de trinta artistas portugueses consagrados, das décadas de 1960 a 1970, agrupados de modo a orientar o olhar do espectador, de maneira a educar-nos também.

Percorremos as diversas salas, descobrimos a «forma-dupla» de ver quando visitamos as obras de arte. Num passeio pela coleção, viajamos através de uma «educação sentimental». Vemos, sentimos e questionamos através das obras de arte. Partilhamos o conhecimento e a emoção. A escolha é muito diversificada, constituída por grandes “nomes” da História da Arte portuguesa.

Salientamos, Helena Almeida, que se situa na segunda sala, numa das suas séries que nos chama mais a atenção, em particular, por continuar a ser uma das obras de arte que questiona a própria natureza da arte. Tal como afirma Delfim Sardo (2003, p. 9): «Falar do trabalho de Helena Almeida é uma tarefa difícil, porque a corporalidade, a relação com o espaço e a singularidade do seu processo criativo colocam interrogações e questões acerca da própria natureza do que vemos: trata-se de fotografia, ou de desenho por via de um diferente suporte?». Joaquim Rodrigo coloca-nos numa outra dimensão, em que, através de uma precisa investigação de regras compositivas sobre a «terra», levanta questões de ordem política e social em “mapas codificados” e memórias subtis, cujos sentidos vibram em figuras de expressão étnica. Desta forma, recordamos o que afirmou o pintor: «pintar o certo», pois era a sua maior preocupação para criar um novo sistema. Quase na última sala, temos Álvaro Lapa. “Educa-nos”, por construir uma linguagem reflexiva do pensamento plástico. Entre a literatura e a pintura, filosofia e arte, propõe outras formas de pensar em arte.

A paixão por uma obra de arte também anima o sentimento, tal como revelou Victor Pinto da Fonseca. Numa composição espacial, o movimento das pinceladas soltas rompe a tela com o enaltecimento da figura de S. António, de Júlio Pomar. Estabelece um elo entre o amante da arte e a pintura, vibrando no seu íntimo como um espelho de si próprio.

Num olhar mais amplo, o espectador contempla várias linguagens que continuam a surpreender-nos. Todavia, temos de dar «livre-arbítrio» ao público para a descoberta da experiência da «Educação Sentimental», apresentando apenas pequenos detalhes para aguçar a curiosidade. E fazemo-lo passeando pela abstração não figurativa, acentuada em linhas, com Vieira da Silva, pela abstração-figurativa, em que a cor sublinha as formas com Arpad Szenes, pelas memórias que quase assumem uma melancolia, cujas figuras femininas se encontram em espaços cenográficos como em Menez, e pela figuras que se cruzam em narrativas e temáticas provocatórias, num ordenação caótica, revelando, deste modo, o inconsciente da pintora Paula Rego. Vemos também os surrealistas Dacosta e Vespeira, que regressam à sua atividade de artistas, dando lugar aos seus mundos imaginários, novas linhas imagéticas em memórias desprendidas, e as figuras emblemáticas de José Guimarães, que se cruzam transveralmente entre mundos e culturas. É preciso destacar ainda, o registo da sombra, enquanto forma imaterial para questionar a fisicalidade dos objetos, do espaço e do corpo humano de Lourdes Castro, ou de outros artistas do grupo KWY, que mobilizam linguagens e outras soluções poéticas conceptuais para o mundo da arte portuguesa. Além do mais, exaltam-se grandes superfícies de cor bidimensional, que delineam corpos em cores fortes como em Jorge Martins; e, num registo autobiográfico conceptual, encontramos uma fotografia em grande formato, a preto e branco, de Jorge Molder.

O espectador desfrutará com prazer uma jornada de dois amantes da arte, onde descobrirá outras obras de arte, nesta coleção singular da História da Arte portuguesa.

 


Joana Consiglieri

 

 

>>>

 

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
20 de setembro 2018 - 13 de janeiro 2019

Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva
Praça das Amoreiras, 56
1250-020 Lisboa – Portugal