Links

ARQUITETURA E DESIGN




Fahr 021.3 e Dalila Gonçalves. Fotografia: Claudio Reis.


in-cisões-forma by Diogo Aguiar Studio + Pedro Tudela. Fotografia: Claudio Reis.


in-cisões-forma by Diogo Aguiar Studio + Pedro Tudela. Fotografia: Claudio Reis.


focus_Moradavaga ©Moradavaga


focus_Moradavaga. Fotografia: Claudio Reis.


a linha da história foge à linha do tempo de Gabriela Vaz-Pinheiro. Fotografia: Claudio Reis.


a linha da história foge à linha do tempo de Gabriela Vaz-Pinheiro. Fotografia: Claudio Reis.

Outros artigos:

2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS


share |

SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA

CONSTANÇA BABO


 

 

A arquitetura foi uma disciplina desde cedo separada das belas-artes devido à sua intrínseca função prática. Essa separação também exercida entre outras áreas, situação que, presentemente, tem sido ultrapassada perante uma crescente noção de pluralidade, de relações interdisciplinares e uma compreensão da contemporaneidade como determinada por fluxos e cruzamentos entre as mais diversas esferas e dinâmicas.

Como tal, a arquitetura é, cada vez mais, analisada em relação à sua estética formal e artística. E, nessa sua aproximação à arte, abre-se um território que revela determinadas problemáticas tais como os limites das práticas e os seus vários possíveis diálogos de acordo com as linguagens que cada uma comporta.

Tendo em conta esta nova realidade, na Bienal da Maia do presente ano 2017, foi desenvolvida uma secção de arquitetura assinada por alguém que incorpora a relação entre as duas disciplinas, a arquiteta e curadora Andreia Garcia.

Com o intuito de testar os limites da arquitetura enquanto prática artística, a curadora procurou um ponto de partida desafiante, escolhendo para tal uma estrutura unicamente funcional, a dos silos da Maia. Esta, atualmente propriedade do grupo Lionesa, foi concebida exclusivamente para armazenamento de óleos e, mais recentemente, de cereais. Icónica na cidade, e já integrada na paisagem pela sua grande escala e visibilidade, é absolutamente familiar à população e, como tal, propícia a causar um grande impacto quando alterada. Contudo, mesmo com o objetivo de construir algo que se destacasse, Andreia Garcia procurou que a obra não entrasse em conflito com a natureza dos silos e com a sua envolvente. Isto porque, aqui e ao longo de todo o projeto, a curadora privilegiou uma consideração pelo contexto, ou seja, o espaço e o tempo.

O projeto foi, pois, transformador da estrutura, atribuindo-lhe um caráter artístico mas sem a descaracterizar, preservando, assim, o seu sentido de pertença na cidade. Por sinal, em certa medida verifica-se que as intervenções realizadas se tornam parte do edifício e, consequentemente, do espólio do município.

 

Fahr 021.3 e Dalila Gonçalves. Fotografia: Claudio Reis.

 

Também no âmbito de pretender respeitar as duas disciplinas exploradas e aprofundar a relação entre ambas, a proposta foi para arquitetos e artistas trabalharem em conjunto. Daí resultou, na fachada poente, uma obra do atelier Diogo Aguiar Studio e do artista Pedro Tudela, e, na fachada nascente, uma outra dos Fahr 021.3 e de Dalila Gonçalves. Nos dois casos os diálogos entre autores ecoaram com força e equivalente harmonia, tanto em relação ao edifício como ao seu redor. Em especial, no primeiro caso, o impacto visual é inesperado, sóbrio e marcante, provocando novas experiências no observador, que se multiplicam consoante as alterações das luzes e reflexos da obra ao longo dos dias.

  

in-cisões-forma by Diogo Aguiar Studio + Pedro Tudela. Fotografia: Claudio Reis.

 

Paralelamente, sendo o Fórum da Maia o espaço central da Bienal, foi esse o palco de uma segunda ação, e primeira a inaugurar, assinada por Manfred Eccli e Pedro Cavaco Leitão, os Moradavaga. Conceituados por trabalharem a interseção entre a arquitetura, a arte e o design, a dupla desenvolveu uma estrutura com caráter e voz, complexa e distinta. Manifestando-se através de uma ação pictórica neste espaço monocromático, com tom de vermelho forte, o objeto proporciona uma experiência plena, tanto visual quanto física, perceptiva e estética. Para tal, o espetador é convidado a um envolvimento e interação com a obra e com o contexto espacial em que esta se encontra inserida. Os espelhos estrategicamente dispostos proporcionam jogos imagéticos capazes de agradar a um vasto e diversificado público, algo que se adequa à sua localização no trânsito urbano, em frente à estação de metro. A obra é, curiosamente, tão artística quanto arquitetónica, assim representando com rigor as duas disciplinas exploradas.

Ao mesmo tempo, no que diz respeito ao alargamento a vários públicos, destaca-se uma outra superfície, caracterizada pela mobilidade, circulação e movimento, o aeroporto Francisco Sá Carneiro. Assim, e de acordo com uma contínua necessidade de desdobramento para novos territórios, Andreia Garcia convidou Gabriela Vaz-Pinheiro para intervir neste não-lugar, tão vivo e ativo. A resposta que se apresenta desdobra-se num contínuo de caixas que parecem ter sido desfragmentadas, separadas umas das outras, e que se estendem no exterior de uma das extremidades do edifício. Com luzes de várias cores, intensificadas e prolongadas através de reflexos nas superfícies de aço inox e vidros, a obra requer uma observação atenta e uma abertura receptiva a um certo encantamento visual. A multiplicação da cor e da forma, condicionada pelo espaço, é também representativa de um entendimento da artista sobre o que o atual tempo, da sociedade do espetáculo, que é composto e dominado por uma acumulação e sobreposição de imagens, formas, informações e comunicações tão excessivas quanto voláteis. É de uma forma também efémera embora prolongada que a obra perdurará em exposição durante dois anos.

Assim e sendo ilimitada a duração de permanência das três outras instalações, esta programação contorna o factor tempo, condicionante da restante Bienal e de grande parte dos projetos de arte contemporânea. O trabalho realizado molda formas que se estendem tanto para o futuro como, a nível territorial, pelo município da Maia, num notável exemplo de ação artística em espaço público.

Por fim, é importante notar que, ao longo de todo o processo, das suas três fases e correspondentes formas resultantes, Andreia Garcia manteve uma constante e predominante preocupação em compreender o que é a cidade da Maia. Paralelamente, e numa maior escala aqui, mas também ao longo do seu demais trabalho como arquiteta e curadora, reflete sobre o que são as cidades de hoje. Como esclarece, as respostas não são de todo evidentes, isto porque, hoje, "a identidade é um aglomerado de referências".

Nessa mesma medida e de acordo com um entendimento global das várias esferas e áreas que compõem a atualidade, devemos observar estas shapingshape nos Silos e as unlimitedshape no Fórum e no aeroporto, não mediante uma inteligibilidade fechada e unívoca, mas antes, na dimensão ampla e plural das suas múltiplas possibilidades. Estas tão diversas e heterogéneas como a arquitetura e a arte mais contemporâneas.

 


Constança Babo