Links

PERSPETIVA ATUAL


Oficina Brennand. Fotografia: Marc Lenot


Oficina Brennand. Fotografia: Marc Lenot


Oficina Brennand. Amarradas, 1981. Fotografia: Marc Lenot


Oficina Brennand. Fotografia: Marc Lenot


Oficina Brennand. Fotografia: Marc Lenot


Oficina Brennand. Fotografia: Marc Lenot


Oficina Brennand. Templo do Sacrifício. Fotografia: Marc Lenot


Oficina Brennand. Fotografia: Marc Lenot


Francisco Brennand, Batalha dos Guararapes, Rua das Flores, Recife. Fotografia: Marc Lenot

Outros artigos:

2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

FRANCISCO BRENNAND, MEGALOMANIA CERAMICA E TROPICALISMO



MARC LENOT

2017-04-26




 


Fora da arte bruta (o carteiro Ferdinand Cheval ou Filippo Bentivegna) é raro que um artista decida ocupar um grande terreno para aí expor as suas obras e geralmente aqueles que têm a loucura e os meios para o fazer confrontam aí o seu trabalho com o de outros artistas, como por exemplo Daniel Spoerri na Toscana. Claro que museus ou coleccionadores podem organizar um parque de esculturas à volta de um só artista, como por exemplo o jardim de Barbara Hepworth na Tate St-Ives ou, mais estranho, o Sacro Bosco do Príncipe Orsini em Bomarzo. Claro que um artista pode por vezes abrir o seu atelier ao ao ar livre ao público, como é o caso de Anselm Kieffer, claro que existem instalações especificas de Land-Art (como as de Walter de Maria, James Turrell,…), mas o único exemplo de que me lembrei, de um artista que cria assim o seu próprio espaço em grande escala, foi o do Jardin des Tarots de Niki de Saint-Phalle, também na Toscana.


Nesse dia estava na periferia do Recife, à borda da floresta atlântica dificilmente preservada e descobri um lugar extraordinário. Francisco Brennand, herdeiro de uma família rica de Pernambuco (não confundir com o seu irmão Ricardo que, também ele rico, construiu um parque – museu que não visitei, mas que me descreveram como sendo uma espécie de Disneyland medieval) transformou, a partir de 1971, uma antiga fábrica de família, de tijolos e de telhas, num local de exposição das suas obras, numa área de 15 km².


É uma encenação impressionante do seu trabalho em escultura, essencialmente em cerâmica, um templo cheio de símbolos, de traços de rituais, com as marcas de um tropicalismo pagão e sensual. Tudo é feito para incutir assombro, admiração, inquietude e causar emaravilhamento. Avançamos pelo meio de colunas fálicas encimadas por seres híbridos, atravessamos uma capela de cúpula azulada onde flutua um ovo primordial, contornamos um nível de água onde (verdadeiros) cisnes negros defendem abstracções calipígias. Tudo é marcado com o cunho do mestre, uma espécie de sino encimado por um triângulo (evitemos qualquer simbolismo vulgar). Uma obra em desenvolvimento há mais de 45 anos.


Maravilhamo-nos e depois interrogamo-nos. Este filho de família nascido em 1927, depois de uma primeira formação no Recife (em particular com Álvaro Amorim e Abelardo da Hora) passará três ou quatro anos em França (onde foi próximo de Léger e de Balthus) e em Itália, onde admirará Masaccio e Piero della Francesca e aperfeiçoará a sua técnica de ceramista em Deruta. Para além da técnica, esta estadia europeia parece ter tido uma influência confinada à sua escultura mas não sobre a sua pintura. Duvido que se tivesse tornado tão famoso apenas com as suas telas, depois do que é mostrado num dos edifícios deste complexo: numerosos nus planos, sem chama e energia, e paisagens, em que as melhores lembram um pouco as cores deslavadas de Munch.


Apenas algumas telas prendem a atenção, como estes corpos atados muitos evocadores do seu erotismo pagão bastante brutal.


Em compensação, a sua estadia europeia e a sua cultura, forneceram-lhe uma infinidade de assuntos para a sua escultura: mitologia hebraica e grega, história romana, mas também Jeanne d´Arc, Pauline Bonaparte, Cyrano de Bergerac ou Marat surgem nos títulos das esculturas. Brennand usa tudo o que tem à mão e inspira-se em temas dos mais diversos.


 



Oficina Brennand, Caim. Fotografia: Marc Lenot


 


A execução destas estátuas em cerâmica e a sua disposição, pelo contrário, nada têm a ver com o velho continente. Aqui é apenas exuberância, motivos vegetais e animais luxuriantes, tropicais, pagãos, desenfreados. Encontramos aí uma forma de sincretismo, de antropofagia, a interpretação da cultura antiga em novas formas, que é de facto impressionante e feita para impressionar. Um observador atento vai encontrar aqui e ali uma forma que lhe faz lembrar Picasso, ou um plasticismo à Breker, uma asa à moda de Brancusi (há também uma coluna sem fim), mas estes ecos são diluídos numa estética que as devora e assimila.


O espanto vem depois quando nos interrogamos um pouco sobre a cultura brasileira: neste estado, onde a cultura da cana do açúcar foi sinónimo de escravatura até ao final do século XIX (e não sei de onde vem a fortuna da sua família), nada, absolutamente nada, que evoque, nem que fosse casualmente, a cultura afro-brasileira, as suas formas ou os seus símbolos, julgados sem dúvida indignos de figurar na sua visão artística.


E quanto à cultura indígena, os Ameríndios não estão aqui presentes senão num dos últimos edifícios construídos no local (“Templo do Sacrifício”), mas estes não são os indígenas locais, pouco dignos de interesse, mas dois grandes imperadores decaídos, o asteca Montezuma e o inca Atahualpa, bem mais nobres que os pequenos chefes tupi-guarani. Este distanciamento de duas realidades importantes da constituição do Brasil moderno não surpreendem quando conhecemos o desprezo que tantos brasileiros têm por estas culturas populares. Se Brennand se liberta do eurocentrismo, tão frequente na sua geração e seu meio, não chega a aceitar estas culturas locais e contenta-se com um tropicalismo conveniente, limitado à fauna e à flora.


É portanto uma abordagem bastante surpreendente a que Brennand adoptou para este templo auto-erigido em sua própria honra: uma auto-glorificação não deixando lugar algum a outra pessoa, nem a quem o tenha influenciado, nem aos seus pares, nem discípulos, uma espécie de autismo auto-centrado, uma postura que não tem em conta as culturas locais.


No entanto esta é uma obra apaixonante e um lugar fascinante. A cerâmica revela-se aqui, «in situ», como uma arte do gesto, da materialidade, de uma certa brutalidade criativa, bem mais do que num museu clássico. Brennand é pouco conhecido na Europa: uma participação em Veneza em 1990, exposições em Londres em 1989, em Berlim em 1993, e no Porto em 2001, algumas estátuas em parques de escultura ou exposições colectivas, e é quase tudo.


No centro do Recife, um fresco em cerâmica de Francisco Brennand (em bastante mau estado) celebra a Batalha dos Guararapes contra os Holandeses em 1648, lembrando a tapeçaria de Bayeux, uma imagem que se desenvolve numa vintena de metros. Divertimo-nos ao ver aí a actual bandeira brasileira (que data de 1889) orgulhosamente agitada pelos soldados portugueses.


 


 

Marc Lenot


Autor do blog Lunettes Rouges.