Links

PERSPETIVA ATUAL





Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo


Fotografia: Pedro Figueiredo

Outros artigos:

2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-20


JORGE DIAS


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS


share |

ÁLVARO LAPA: UM OBJETO E SEUS DISCURSOS



CONSTANÇA BABO

2017-02-10




O Museu de Arte Contemporânea de Serralves aproximou-se de 2017 deixando o registo de um último ano marcado por conferências e conversas com algumas das maiores personalidades da esfera artística a nível nacional e internacional. A instituição manifesta o seu compromisso com a promoção da arte contemporânea e dá mais um passo no caminho para o avanço e conhecimento da arte e da cultura no nosso país.


A proposta foi lançada para pensar toda a esfera da arte contemporânea, desde a sua produção nas mais variadas formas, à sua exposição, curadoria e colecionismo, e suas relações com a atualidade. O auditório e a biblioteca do museu tornaram-se palcos de ocasiões inéditas, algumas que se destacam, aqui, pela possibilidade de representarem esta forte programação.

 


>>>


 


Como o Presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira indica [1], o ciclo Um objeto e seus discursos já está inscrito na rotina cultural da cidade. Uma vez por semana, em diferentes espaços, vários objetos artísticos são abordados e explorados por personalidades da arte e da cultura nacionais.


João Sousa Cardoso, convidado a intervir na sessão de 26 de novembro de 2016, defende a importância de repensar toda a arte sob um novo olhar. Procura compreender e rever cada obra na atualidade, revisitando-a no presente independentemente do momento da sua produção. Sugere-nos atribuir-lhe novos significados e interpretações, permitindo que desperte, em nós, outros sentidos e experiências. Só assim impedimos que qualquer criação artística se esgote no tempo e no espaço, possibilitando que permaneça intemporal e contrariando a sua condição efémera. A arte passa, assim, a viver e a circular num revivalismo da sua própria existência.


O alargamento do tempo de cada obra é determinado, também, pelo seu autor. Tal é nítido no trabalho do conceituado artista Álvaro Lapa, mas, particularmente, quando este escreveu numa tela sua "Em que pensas? No tempo todo", objeto convocado para análise. Ora, estas palavras, ao indicarem uma dimensão temporal infinita, proporcionam múltiplas interpretações e uma abertura do campo de análise e de compreensão da obra. Mesmo que, visualmente, o quadro sugira uma leitura a partir das duas formas nele visíveis, a de uma mulher e a de um homem, a frase tem mais impacto no espetador.


Esta obra, datada de 1979/80, pertence à Coleção de Serralves, mas nunca tinha sido exposta e, como Ricardo Nicolau referiu no encontro, foi um privilégio vê-la ao vivo. Falar desta pintura pode iniciar-se por identificá-la como particularmente relacionada com a escrita de Lapa e, por isso, bem representativa do que alcançou enquanto artista livre e global. Foi autor de variadíssimas obras de literatura e pintura, as quais se encontram intimamente relacionadas entre si e ligadas ao seu tempo. E, precisamente, para associar essas duas vertentes do trabalho artístico, a plástica e a literária, Miguel-Manso esteve presente nesta ocasião, confessando ter como grande influência a obra de Lapa e tendo também começado por ser pintor, para se dedicar, de seguida, à poesia. O poeta sugere-nos não desvendar na totalidade a obra sobre a qual nos debruçamos e, pelo contrário, defende que o enigma se mantenha, pois, como Lapa referiu "se eu puder ler uma pintura não regresso a ela".


Contudo, ainda assim, podemos meditar em conjunto sobre a obra, tal como João Sousa Cardoso sugeriu no início da sua intervenção. Começando por reconhecer, humildemente, o prazer que foi ter Álvaro Lapa como professor, revelou o impacto que isso causou na sua vida. Ainda hoje, e sempre que sente ser necessário, João Sousa Cardoso retorna à obra deste conceituado artista português para se dedicar a ela uma vez mais. Para tal, o artista visual explica que se deve vê-la e lê-la, identificando fragmentos da pintura na escrita e vice-versa. Chegou, inclusivamente, a levar três obras de Lapa a palco, entre as quais, Raso como o chão (2012), no TECA, e Barulheira (2015), no Mosteiro São Bento da Vitória. Considerando que no teatro descobre o que o texto pode ser, é aí que o desperta do passado, dando-lhe uma inesperada utilização e atualidade. Como explicou na sessão de Serralves, trata-se de migrar o texto do escritor para um território que não é literário, sendo esta vontade e ímpeto arrojados, inovadores e característicos da arte mais contemporânea.


Ao mesmo tempo, estas novas formas que se podem criar a partir da obra de Lapa, ainda que, aparentemente, inusitadas, estão de acordo com a sua própria natureza, a qual, como destaca João Sousa Cardoso, se apresenta profundamente contraditória. É possível denotar na criação artística de Lapa uma polifonia de vozes que se atropelam, resultantes de uma multiplicação do próprio autor. De tal modo que, como Lapa refere no seu livro Sequências narrativas completas (1994), "ninguém escreve este livro".


Álvaro Lapa, caracterizado por um premeditado amadorismo, como Ricardo Nicolau sugeriu, deixou-nos um espólio de objetos densos e plurais, em consequência de um particular percurso artístico e intelectual marcado por múltiplas influências. Desde a experiência em Paris, onde Lapa conheceu o surrealismo e a arte pop, até aos estudos de pintura e filosofia, nutrindo, paralelamente, um enorme interesse por política, cruzaram-se e fundiram-se ideias, conteúdos e impressões que resultaram numa obra complexa, polissémica e multidimensional.


Ainda assim, observando a obra do artista como um todo, é possível desenhar uma linha de acontecimentos e um itinerário, desde Évora, cidade natal de Lapa, à sua imigração para Lagos, espaço transitório, ao norte de África, à Arrábida e, por fim, ao Porto, estadia sugerida por Ângelo de Sousa. Ao longo deste atribulado caminho percorrido, surgiram elementos que marcaram Lapa e, consecutivamente, a sua obra literária, entre os quais os cigarros, o profeta e as putas, referências que surgem, recorrentes, nas páginas dos seus livros.


Contudo, a maior constante na obra deste grande artista é, sem dúvida, a fuga ao doméstico numa procura contínua de estudar mais, saber mais e, acima de tudo, fazer mais. Os quadros são exemplo disso, neles se identificando riscos, emendas, casos de tentativa-erro, também visíveis nos livros, nas interrupções que se mantêm no assumir da dúvida como parte integrante do ato de produção artística. Em parte, será graças a esta preservação de uma criação genuína combinada com um incessante desejo de crescer que o trabalho de Álvaro Lapa se destaca entre a sua geração e se revela como uma enorme influência para as seguintes.


Hoje, torna-se necessário compreender toda a criação artística na perspetiva do que ela poderá ser no futuro, preservando o apreço pelo seu passado, sendo nesse sentido que avança o ciclo Um objeto e seus discursos e o Porto. Assim, do mesmo modo que a arte, e como o Presidente da Câmara Rui Moreira refere, a cidade projeta-se "no futuro através do amor que nutre pela sua história".


 


Constança Babo




>>>


Notas:


[1] Citação e mais informações em: http://www.umobjetoeseusdiscursos.com