Links

PERSPETIVA ATUAL


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


Coluna Vertebral ou o princípio do mundo, 2019. © Artadentro/Stills - Vasco Célio.


De corpo inteiro - costas, 2021. Fotografia, impressão digital s/papel e objecto escultórico (Território, 1995). © Artadentro/Stills - Vasco Célio.


O Erro de Ícaro, 2021. Técnica mista. © Rita Anuar.


Flutuar para voar, 2021. Técnica mista c/concha de calcário, de nome aragonite, utilizada para tornar o choco mais leve ou mais pesado. © Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.


© Artadentro/Stills - Vasco Célio.

Outros artigos:

2021-07-04


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-05-30


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2021-04-28


CONSTANÇA BABO


2021-03-17


VICTOR PINTO DA FONSECA


2021-02-08


MARC LENOT


2021-01-01


MANUELA HARGREAVES


2020-12-01


CARLA CARBONE


2020-10-21


BRUNO MARQUES


2020-09-16


FÁTIMA LOPES CARDOSO


2020-08-14


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-07-21


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-25


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-06-09


PEDRO CABRAL SANTO E NUNO ESTEVES DA SILVA


2020-05-21


MANUELA HARGREAVES


2020-05-01


MANUELA HARGREAVES


2020-04-04


SUSANA GRAÇA E CARLOS PIMENTA


2020-03-02


PEDRO PORTUGAL


2020-01-21


NUNO LOURENÇO


2019-12-11


VICTOR PINTO DA FONSECA


2019-11-09


SÉRGIO PARREIRA


2019-10-09


LUÍS RAPOSO


2019-09-03


SÉRGIO PARREIRA


2019-07-30


JULIA FLAMINGO


2019-06-22


INÊS FERREIRA-NORMAN


2019-05-09


INÊS M. FERREIRA-NORMAN


2019-04-03


DONNY CORREIA


2019-02-15


JOANA CONSIGLIERI


2018-12-22


LAURA CASTRO


2018-11-22


NICOLÁS NARVÁEZ ALQUINTA


2018-10-13


MIRIAN TAVARES


2018-09-11


JULIA FLAMINGO


2018-07-25


RUI MATOSO


2018-06-25


MARIA DE FÁTIMA LAMBERT


2018-05-25


MARIA VLACHOU


2018-04-18


BRUNO CARACOL


2018-03-08


VICTOR PINTO DA FONSECA


2018-01-26


ANA BALONA DE OLIVEIRA


2017-12-18


CONSTANÇA BABO


2017-11-12


HELENA OSÓRIO


2017-10-09


PAULA PINTO


2017-09-05


PAULA PINTO


2017-07-26


NATÁLIA VILARINHO


2017-07-17


ANA RITO


2017-07-11


PEDRO POUSADA


2017-06-30


PEDRO POUSADA


2017-05-31


CONSTANÇA BABO


2017-04-26


MARC LENOT


2017-03-28


ALEXANDRA BALONA


2017-02-10


CONSTANÇA BABO


2017-01-06


CONSTANÇA BABO


2016-12-13


CONSTANÇA BABO


2016-11-08


ADRIANO MIXINGE


2016-10-20


ALBERTO MORENO


2016-10-07


ALBERTO MORENO


2016-08-29


NATÁLIA VILARINHO


2016-06-28


VICTOR PINTO DA FONSECA


2016-05-25


DIOGO DA CRUZ


2016-04-16


NAMALIMBA COELHO


2016-03-17


FILIPE AFONSO


2016-02-15


ANA BARROSO


2016-01-08


TAL R EM CONVERSA COM FABRICE HERGOTT


2015-11-28


MARTA RODRIGUES


2015-10-17


ANA BARROSO


2015-09-17


ALBERTO MORENO


2015-07-21


JOANA BRAGA, JOANA PESTANA E INÊS VEIGA


2015-06-20


PATRÍCIA PRIOR


2015-05-19


JOÃO CARLOS DE ALMEIDA E SILVA


2015-04-13


Natália Vilarinho


2015-03-17


Liz Vahia


2015-02-09


Lara Torres


2015-01-07


JOSÉ RAPOSO


2014-12-09


Sara Castelo Branco


2014-11-11


Natália Vilarinho


2014-10-07


Clara Gomes


2014-08-21


Paula Pinto


2014-07-15


Juliana de Moraes Monteiro


2014-06-13


Catarina Cabral


2014-05-14


Alexandra Balona


2014-04-17


Ana Barroso


2014-03-18


Filipa Coimbra


2014-01-30


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2013-12-09


SOFIA NUNES


2013-10-18


ISADORA H. PITELLA


2013-09-24


SANDRA VIEIRA JÜRGENS


2013-08-12


ISADORA H. PITELLA


2013-06-27


SOFIA NUNES


2013-06-04


MARIA JOÃO GUERREIRO


2013-05-13


ROSANA SANCIN


2013-04-02


MILENA FÉRNANDEZ


2013-03-12


FERNANDO BRUNO


2013-02-09


ARTECAPITAL


2013-01-02


ZARA SOARES


2012-12-10


ISABEL NOGUEIRA


2012-11-05


ANA SENA


2012-10-08


ZARA SOARES


2012-09-21


ZARA SOARES


2012-09-10


JOÃO LAIA


2012-08-31


ARTECAPITAL


2012-08-24


ARTECAPITAL


2012-08-06


JOÃO LAIA


2012-07-16


ROSANA SANCIN


2012-06-25


VIRGINIA TORRENTE


2012-06-14


A ART BASEL


2012-06-05


dOCUMENTA (13)


2012-04-26


PATRÍCIA ROSAS


2012-03-18


SABRINA MOURA


2012-02-02


ROSANA SANCIN


2012-01-02


PATRÍCIA TRINDADE


2011-11-02


PATRÍCIA ROSAS


2011-10-18


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-09-23


MARIA BEATRIZ MARQUILHAS


2011-07-28


PATRÍCIA ROSAS


2011-06-21


SÍLVIA GUERRA


2011-05-02


CARLOS ALCOBIA


2011-04-13


SÓNIA BORGES


2011-03-21


ARTECAPITAL


2011-03-16


ARTECAPITAL


2011-02-18


MANUEL BORJA-VILLEL


2011-02-01


ARTECAPITAL


2011-01-12


ATLAS - COMO LEVAR O MUNDO ÀS COSTAS?


2010-12-21


BRUNO LEITÃO


2010-11-29


SÍLVIA GUERRA


2010-10-26


SÍLVIA GUERRA


2010-09-30


ANDRÉ NOGUEIRA


2010-09-22


EL CULTURAL


2010-07-28


ROSANA SANCIN


2010-06-20


ART 41 BASEL


2010-05-11


ROSANA SANCIN


2010-04-15


FABIO CYPRIANO - Folha de S.Paulo


2010-03-19


ALEXANDRA BELEZA MOREIRA


2010-03-01


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-02-17


ANTÓNIO PINTO RIBEIRO


2010-01-26


SUSANA MOUZINHO


2009-12-16


ROSANA SANCIN


2009-11-10


PEDRO NEVES MARQUES


2009-10-20


SÍLVIA GUERRA


2009-10-05


PEDRO NEVES MARQUES


2009-09-21


MARTA MESTRE


2009-09-13


LUÍSA SANTOS


2009-08-22


TERESA CASTRO


2009-07-24


PEDRO DOS REIS


2009-06-15


SÍLVIA GUERRA


2009-06-11


SANDRA LOURENÇO


2009-06-10


SÍLVIA GUERRA


2009-05-28


LUÍSA SANTOS


2009-05-04


SÍLVIA GUERRA


2009-04-13


JOSÉ MANUEL BÁRTOLO


2009-03-23


PEDRO DOS REIS


2009-03-03


EMANUEL CAMEIRA


2009-02-13


SÍLVIA GUERRA


2009-01-26


ANA CARDOSO


2009-01-13


ISABEL NOGUEIRA


2008-12-16


MARTA LANÇA


2008-11-25


SÍLVIA GUERRA


2008-11-08


PEDRO DOS REIS


2008-11-01


ANA CARDOSO


2008-10-27


SÍLVIA GUERRA


2008-10-18


SÍLVIA GUERRA


2008-09-30


ARTECAPITAL


2008-09-15


ARTECAPITAL


2008-08-31


ARTECAPITAL


2008-08-11


INÊS MOREIRA


2008-07-25


ANA CARDOSO


2008-07-07


SANDRA LOURENÇO


2008-06-25


IVO MESQUITA


2008-06-09


SÍLVIA GUERRA


2008-06-05


SÍLVIA GUERRA


2008-05-14


FILIPA RAMOS


2008-05-04


PEDRO DOS REIS


2008-04-09


ANA CARDOSO


2008-04-03


ANA CARDOSO


2008-03-12


NUNO LOURENÇO


2008-02-25


ANA CARDOSO


2008-02-12


MIGUEL CAISSOTTI


2008-02-04


DANIELA LABRA


2008-01-07


SÍLVIA GUERRA


2007-12-17


ANA CARDOSO


2007-12-02


NUNO LOURENÇO


2007-11-18


ANA CARDOSO


2007-11-17


SÍLVIA GUERRA


2007-11-14


LÍGIA AFONSO


2007-11-08


SÍLVIA GUERRA


2007-11-02


AIDA CASTRO


2007-10-25


SÍLVIA GUERRA


2007-10-20


SÍLVIA GUERRA


2007-10-01


TERESA CASTRO


2007-09-20


LÍGIA AFONSO


2007-08-30


JOANA BÉRTHOLO


2007-08-21


LÍGIA AFONSO


2007-08-06


CRISTINA CAMPOS


2007-07-15


JOANA LUCAS


2007-07-02


ANTÓNIO PRETO


2007-06-21


ANA CARDOSO


2007-06-12


TERESA CASTRO


2007-06-06


ALICE GEIRINHAS / ISABEL RIBEIRO


2007-05-22


ANA CARDOSO


2007-05-12


AIDA CASTRO


2007-04-24


SÍLVIA GUERRA


2007-04-13


ANA CARDOSO


2007-03-26


INÊS MOREIRA


2007-03-07


ANA CARDOSO


2007-03-01


FILIPA RAMOS


2007-02-21


SANDRA VIEIRA JURGENS


2007-01-28


TERESA CASTRO


2007-01-16


SÍLVIA GUERRA


2006-12-15


CRISTINA CAMPOS


2006-12-07


ANA CARDOSO


2006-12-04


SÍLVIA GUERRA


2006-11-28


SÍLVIA GUERRA


2006-11-13


ARTECAPITAL


2006-11-07


ANA CARDOSO


2006-10-30


SÍLVIA GUERRA


2006-10-29


SÍLVIA GUERRA


2006-10-27


SÍLVIA GUERRA


2006-10-11


ANA CARDOSO


2006-09-25


TERESA CASTRO


2006-09-03


ANTÓNIO PRETO


2006-08-17


JOSÉ BÁRTOLO


2006-07-24


ANTÓNIO PRETO


2006-07-06


MIGUEL CAISSOTTI


2006-06-14


ALICE GEIRINHAS


2006-06-07


JOSÉ ROSEIRA


2006-05-24


INÊS MOREIRA


2006-05-10


AIDA E. DE CASTRO


2006-04-05


SANDRA VIEIRA JURGENS



ESTAMOS AQUI PORQUE VOÁMOS - OU O GESTO CONTÍNUO DE MARIA JOSÉ OLIVEIRA



RITA ANUAR

2021-08-11




 


Qualquer coisa está perto de nós e se principia.

Ainda não sabemos, mas esperamos. Olhamos e medimos, com a intuição, a distância que nos separa dos corpos silenciosos que lentamente vão sendo acordados pelos ecos (das vozes, dos pássaros e dos sinos), que ressoam numa antiga capela preservada no actual Museu Municipal de Faro.

Sentimos, ao estar na presença das obras de Maria José Oliveira, um aproximar que simultaneamente se evade, escapando-nos, como uma «corrente de ar» que vai, mas que regressa. Ou um pássaro que nos oferece um voo rápido e furtivo.

Poderíamos falar de pressentimento, o que sentimos sem Saber. Um «porvir» com raízes num lugar que habitamos, mas que também nos habita.

Em Estamos aqui porque voámos somos conduzidos por Maria José Oliveira aos lugares de sangue, aquele que nos nasce em toda a parte. Nas profundezas da terra, a água também é plasma, o plasma que nutre as raízes imemoriais com as quais convivemos desde o início dos tempos.

Estamos vivos.

 

-

 

Ao ritmo da vida, na escuta da terra e perante a sua mutabilidade praticamente invisível mas perscrutada pelo tempo, e pelo corpo, Estamos aqui porque voámos diz-nos sobre isto de se estar vivo, de se ser vivo.

À entrada da capela, Coluna Vertebral ou o princípio do mundo (2019), apresenta uma «coluna» composta por elementos de natureza heterogénea.

A coluna de Maria José Oliveira possui no topo um ovo e uma lâmpada, algo que também encontramos na obra Universo e luz (2017).

O ovo é uma questão actual. Um princípio. Parece que este problema, do ovo e da galinha, permanecerá connosco até ao fim. Lembrando o conto de Clarice Lispector, “Quando morri; tiraram de mim o ovo com cuidado. Ainda estava vivo. — Só quem visse o mundo veria o ovo. Como o mundo, o ovo é óbvio.” [1]. O princípio do mundo é também o que lhe dá a morte, mas a morte pode ser entendida como um princípio vital. A morte como matéria viva, é o fundamento dos que fazem dos restos, dos ossos, diamantes. Tesouros.

No fim da vida, o corpo liberta gases, e se a luz é a potência que inflama o princípio desta coluna vertebral, ela lateja também no fim. Com o Ar.

Tudo isto parece desenhar uma elipse achatada, e a luz e o ovo podem afinal partilhar alguma afinidade.

Ao percorrer com os olhos a coluna, encontramos objectos de uso quotidiano (facas, uma chávena, molas, pedaços de madeira, fios, letras inscritas em pedaços de madeira, pincéis).

Todos os objectos estão atados com corda, cravados uns nos outros, formando uma linha vertical, da qual, na extremidade inferior, surge a espinha de um peixe, sucedida por uma pequena cauda.

Ao partir da coluna para pensar a génese do mundo, Maria José Oliveira coloca na fisionomia das espécies e no mundo natural, o eixo sob o qual assenta a origem do mundo.

Esta ideia ecoa as teses de Charles Darwin. Com o seu trabalho, Darwin destruiu a crença em torno da origem divina, e no lugar desta, colocou o processo natural de selecção e transformação das espécies do qual deriva a sua vida, mutabilidade e sobrevivência no tempo.

A coluna vertebral de Maria José Oliveira reverbera igualmente o contributo de Donna Haraway. A autora interdisciplinar, também bióloga, em Staying with the Trouble, Making Kin In The Chthulucene (2016), trata a hipótese do cruzamento das narrativas entre espécies naquilo que designa por «narrativa multiespécie». Trata-se para Haraway de cruzar humano e não humano, uma perspectiva que visa subverter a narrativa do humano como espécie soberana, dona da história e do mundo. Curiosamente, a capa do livro de Haraway, é um esqueleto heterogéneo, composto por partes da ossatura humana, articulada com seres vivos de outras espécies.

Os objectos que compõem a coluna vertebral de Maria José Oliveira confluem várias narrativas, aquelas inscritas no uso e na vida dos objectos, também partes da vida da artista. Há por isso uma multiplicidade de media, mas também de tempos. Os tempos que atravessam as histórias que levamos na coluna e nos ossos. Quantas serão as narrativas que carregamos?

 

-

 

O canto dos pássaros flutua no ar, e no exterior da capela, um ninho de aves permanece no topo de uma das torres do museu. A água e o sangue não vivem sem o ar.

Mas houve quem quisesse ir mais longe, mais alto. Ícaro desejou qualquer coisa que não é sua, por natureza. O Erro de Ícaro (2021) apresenta uma diversidade de objectos depositados sobre um banco (moldes de sapatos, espalhadores de calor, o desenho de um pé, restos de cera, penas). Em conjunto, estes objectos levam-nos a especular sobre o erro de Ícaro. “Não ter medo”. De acordo com Maria José Oliveira, o «erro», ao partir da experiência, é uma afirmação. É possuir a certeza do que se é, criando e arriscando no contacto com o mundo, com a matéria que ele nos fornece. Se Ícaro cometeu um erro, certamente não foi ter desejado voar.

A intersecção entre orgânico e inorgânico, ou o que vem da terra, e o que vem das mãos - como as asas de Ícaro moldadas por seu pai -, apresenta-se em obras como Flutuar para voar (2021), e Território (1995/2021). O gesto da mão, e o seu ofício fazedor, intersectam- se com elementos com origem no mundo natural - concha de choco, espinha de peixe -, que nos convidam a penetrar no avesso das coisas vivas, no seu interior.

A memória é preciosa e as mãos guardam-na, tocando aquilo que nela não é conciliável com as formas do corpo. Com ele, preserva-se o vestígio de algo que agora é eterno, e por isso, vivo, como Cíclade, osso adivinhatório (2020/2021).

 

-

 

O que é isso de ser vivo?

Como uma corrente de ar amiga e familiar, António Ramos Rosa, natural de Faro, escreveu, em Gravitações: «Habitar a terra é ser o olhar e a luz» [2]

É preciso Saber para olhar?

 

Saber ler, 2021
11 x 18 cm. Técnica mista. © Rita Anuar

 

 

Saber ler (2021) parece convidar-nos a ler com o corpo. O automatismo da leitura é desafiado pelo exercício oposto - ler ao contrário exige esforço.

Talvez porque também sabemos o mundo com o corpo, e que essa sabedoria é um saber outro, um saber orientado pela «razão corporal», como diria Merleau-Ponty, a artista coloca uma colher debaixo dessa inscrição. A colher na boca é também ela uma memória, outra vida - aprendemos a comer com as mãos, e depois com a colher -, colhendo, mais tarde, o fruto desse alimento. Hoje sabemos ler, mas diz-nos Maria José Oliveira, que é preciso respirar. Com os olhos.

 

Desenho do neto Francisco para o desenho da avó Zé, 1974/ 2019.
70 x 50 cm. Técnica mista s/ papel. © Rita Anuar

 

 

A luz «irriga as coisas em vez de as iluminar» [3], diz ainda Ramos Rosa. A luz que actua nas coisas dá-lhes vida. Brilha-lhes no sangue, oferecendo-lhes mutabilidade.

Desenho do neto Francisco para o desenho da avó Zé (1974-2019), é um gesto de afecto. A transmigração, do coração e do sangue, pousados na folha, traçam um «micro cosmos» irrigado pela força da mão que desenha a dois ritmos, a duas vidas.

A noção de «transformação» presente no trabalho de Maria José Oliveira, sublinha a ideia, como diz a própria artista, de que “todos os materiais são bons para trabalhar”. É a movimentação da matéria que funda a actividade da artista e que qualifica a sua abertura ao mundo em permanente devir. Trata-se de liberdade, de experimentação, de fazer, mas também de contemplar o mundo a coser-se ou a desenhar-se a si mesmo.

 

Sal sobre o efeito do tempo, 2021.
178 cm altura variável. Sal s/ tela crua. © Artadentro/ Stills - Vasco Célio.

 

 

Em Sal Sobre o efeito do tempo (2021), a artista apresenta um montículo de sal sobre tela crua. O tempo torna-se matéria criadora, aquilo que José Gil refere como o «trabalho artesanal do tempo», manuseado por Maria José Oliveira.

A tela crua, cortada na forma de um círculo, foi parte de uma intervenção de land art executada pela artista. A tela crua exposta aos elementos naturais num período extenso, inscreveu nela as manchas do mundo (provocadas pela acção das folhas, da madeira dos troncos, dos ramos, da terra, da chuva, do vento).

Sal sobre o efeito de tempo é um trabalho que reenvia a essa mutabilidade que o mundo natural produz, e que nesta obra é aliado a uma matéria com uma carga ancestral. Também o sal atravessou tempos. Tendo tido diversos usos, o sal foi moeda de troca, conservante, curativo, alimento. O sal atravessa inclusive, a nossa própria pele, o nosso tecido, e assim parece que o eco destes objectos, a sua ressonância, está também dentro de nós.
Por isso parece que os adivinhamos. Por estarmos vivos. Por preservarmos, desde o tempo ancestral, ao tempo das Mães, um corpo, um cosmos.

 

 

 

Rita Anuar
Autora e investigadora interdisciplinar pós graduada em Filosofia (Estética) pela FCSH-UNL, frequenta o mestrado em História da Arte Contemporânea na mesma universidade. Membro do grupo de investigação em Literatura, Filosofia e Artes (FCSH/ IELT).

 

 


:::

Notas

[1] Clarice Lispector, «O Ovo e a Galinha», em Todos os Contos, Rio de Janeiro: Rocco, 2016, p. 303
[2] António Ramos Rosa, Terra aérea, em Gravitações, Portugal: Litexa, 1983, p. 50
[3] António Ramos Rosa, Origem, em Gravitações, Portugal: Litexa, 1983, p. 43


:::

Estamos aqui porque voámos
Maria José Oliveira
Esteve patende de 12 de Junho a 1 de Agosto no Museu Municipal de Faro