Links

SNAPSHOT. NO ATELIER DE...

































Outros registos:

Daniel Fernandes



Diana Carvalho



Giammarco Cugusi



Rita Senra e João Pedro Trindade



Catarina Domingues



Cristina Regadas



LIONEL CRUET



Pedro Vaz



Luís Nobre



Joana Taya



Angel Ihosvanny Cisneros



Rodrigo Gomes



Ludgero Almeida



Francisco Sousa Lobo



Letícia Ramos



Valter Vinagre



Andrés Galeano



João Pedro Fonseca



Pedro Proença



Tiago Baptista



António Guimarães Ferreira



João Seguro



Isabel Madureira Andrade



Fernando Marques Penteado



Virgílio Ferreira



Antonio Fiorentino



Alexandre Conefrey



Filipe Cortez



João Fonte Santa



André Sier



Rui Algarvio



Rui Calçada Bastos



Paulo Quintas



Miguel Ângelo Rocha



Miguel Palma



Miguel Bonneville



Ana Tecedeiro



João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira



João Serra



André Gomes



Pauliana Valente Pimentel



Christine Henry



Joanna Latka



Fabrizio Matos



Andrea Brandão e Daniel Barroca



Jarosław Fliciński



Pedro Gomes



Pedro Calapez



João Jacinto



Atelier Concorde



Noronha da Costa



Pedro Valdez Cardoso



João Queiroz



Pedro Pousada



Gonçalo Pena



São Trindade



Inez Teixeira



Binelde Hyrcan



António Júlio Duarte



Délio Jasse



Nástio Mosquito



José Pedro Cortes




MARIANA GOMES

CATARINA REAL


19/09/2020 

 

 

Humor, Comida, Matéria, História, Cor, Palavra, Grotesco, Fofo - foram os vectores que sugeri a Mariana Gomes (Faro, 1983) para orientação da nossa conversa. Estas palavras, como a metamórfica e fecunda prática de Mariana, espraiam-se por entre possibilidades, temas, conceitos e disciplinas que a sua obra abarca. Não fosse tão óbvia a ligação, seria difícil encontrar o fio condutor que liga a pintura, de quem Mariana é praticante assídua, às mutantes publicações virtuais do projecto “Sindicato dos Pintores”, fundado por Mariana, passando pelos filmes de terror de série Z. O malfeito alia-se à veia perfeccionista, no que poderia ser um paradoxo, não fosse esse o centro da linguagem da Mariana.


Por Catarina Real

 

 

>>>

 


CR: Comecemos pelo Humor.

MG: É uma das coisas que é mais explícita no meu trabalho.
O Humor é um exercício de inteligência em relação à realidade, que nos faz pensar o mundo de modo a que sejamos capazes de nos rir de nós mesmos, do que fazemos, de como reagimos e do que os outros fazem. É transversal. É quase um modo de exercitar a realidade.

[Hoje estou um bocadinho lenta.]


CR: Mas nem tudo o que é risível é humorístico...

MG: Não, há também o ridículo... e outras variantes.


CR: E para ti faz sentido delimitar esse espectro no teu trabalho?

MG: Não. Exercito-o [o espectro do risível] a trabalhar... mas também na vida. E isso também se manifesta no trabalho, que o exercito na vida. É inerente a mim.

[Já desbloqueio.]


CR: Mas se houvesse uma leitura do teu trabalho como ridículo...

MG: Sim, tens razão, não sei se o espectro é todo aplicável, embora também não tenha medo do ridículo.
Tenho lido bastante sobre isso e é um assunto complexo, o Humor. É uma das primeiras coisas a ser eliminadas em ditadura, juntamente com a Filosofia... tudo o que pensa o mundo e que se relaciona com a liberdade. De expressão e outras. É aí sobretudo que difere do ridículo, ou de outras vertentes do mesmo espectro risível.
O Humor é fundamental. E novamente, no trabalho e na vida.
Aparece naturalmente, ou seja, não tenho intenção explícita de o incluir. As coisas acontecem. Penso sobre elas, mas elas acontecem naturalmente. As formas, as cores.... e as palavras. Talvez essa seja uma forma diferente de o exercitar.


CR: Porque elas aparecem de forma diferente, as palavras?

MG: Sim, e o humor também. As palavras denunciam sobretudo a dimensão poética - que eu e o mesmo trabalho temos - e que acaba por andar sempre mais escondida. O resto é tão espalhafatoso que essa dimensão fica ofuscada.


CR: Queres falar sobre o teu livro “Baldio”, ainda não editado?

MG: Continua à espera [riso].
Eu também escrevo [riso], mas toda a gente escreve. Sempre escrevi e ponderei dedicar-me à escrita, poética, quando acabei a faculdade. Acabei por abandonar a ideia mas esse livro é o resultado de alguns anos de escrita, e tem sido trabalhado e trabalhado durante anos. É uma obra contínua. Talvez quando tiver 80 anos ainda esteja a trabalhar no “Baldio”. [riso]


CR: A escrita não acontece - mais do que só aparecer - da mesma forma que acontece a pintura?

MG: É parecido.


CR: De uma forma aparente, pelo menos, a tua prática adopta uma grande velocidade de produção. E quanto a isso, ri-me ao ler a frase do Bruno Marchand “Costuma dizer-se também que o grande desafio da contemporaneidade para quem trabalha na área da pintura já não é saber como pintar, mas antes o que pintar. Mariana Gomes não parece sofrer dessa angústia.” Pergunto-te se a escrita não vem dessa forma.

MG: Também é muito livre. Quase como uma sucessão de iluminações. [riso] Não me sinto iluminada, não é isso. [riso] É como se uma parte do meu cérebro estivesse disponível para agarrar o inesperado.


CR: Dizias que tanto o humor como as palavras apareciam como espelho da tua personalidade... o que achas aparece mais, também de forma evidente, na tua obra como reflexo da tua personalidade?

MG: A obsessão pela perfeição.
Olhando para as minhas pinturas, rapidamente estás longe disso, mas sou completamente perfeccionista e isso está muito presente no meu trabalho. E relaciona-se comigo, com a minha personalidade.
O trabalho parece solto, fácil, leve, mas não é. É penoso. Estou continuamente a reparar coisas, a voltar a elas. A leveza que transportam as obras, e que por vezes passa para os outros, é uma coisa que me exige muito.


CR: Não será a maior evidência nas imagens. Há claramente a obsessão, nem que seja considerando a dimensão do teu corpo de trabalho, mas também porque abarcas uma série de coisas - imagética, disciplinas, referências - e continuamente as misturas.

MG: Essa obsessão está ligada a isso.

CR: Torna-se quase um perfeccionismo por extensão, se isso fizer sentido.


CR: Consegues dar uma imagem do que seria o processo de uma pintura acontecer?, para compreender melhor essa obsessão. Há alguma recorrência processual?

MG: Não sei bem descrever. É mais ou menos como andar de barco.
Para mim a pintura começa na loja das tintas.

[interrompidas pelos gatos da Mariana]

CR: Como é que se chama os teus gatos?

MG: O mimo, a Filipa e o Orson.

Ou faço um estudo para o que vou pintar... ou então não faço ideia como acontece.
Mas sei que começo sempre a pintar quando estou na loja. Quando estou a escolher cores, mesmo as que não uso, já estou a entrar no processo de pintar. Há tantas cores que é impossível não expôr. [riso] É impossível não pintar. [riso] E não chegam! - são sempre poucas.


CR: E com a matéria?

MG: Gosto do rasto do pincel. Costumava ser mais primário e imediato e isso tornava as pinturas anteriores mais cruas. Havia mais matéria e era tudo mais áspero. Agora a matéria mistura-se, dilui-se. Quando aparece com mais força o rasto, ou a acumulação de matéria, há um destaque maior. Como dantes havia mais matéria mas distribuída uniformemente as acumulações notavam-se menos. O rasto acentuava-se mas havia menos destaque.
Falo claramente do óleo, que é a minha tinta.
A matéria é o óleo.


CR: É a que tem corpo.

MG: Sim. Gosto de outras também. Aliás, adoro materiais e matérias. Sou mesmo muito feliz a fazer o que faço, por isso é que acho que a pintura passa muito isso. Gosto mesmo mesmo de pintar.


CR: E onde entra a parte sofrida nesse gostar?

MG: Entra no mesmo sítio. O que me deixa tão feliz é o que me deixa angustiada também...Quando a pintura não avança, quando esgotaste a cabeça, ou a mão, quando perdes ou duvidas da razão para pintar... Por estares a gastar dinheiro, por não haver retorno... ou não encontrares lugar para expôr... Mesmo comigo... agora tem corrido bem mas tive uns anos difíceis. E, contrariando o Bruno Marchand, às vezes não sei o que pintar. O que pintar é uma questão de pintores. Os pintores pesam toneladas, carregam muitas pessoas às costas.


CR: A História?

MG: Sim! Isso dá-me uma grande liberdade e companhia.
Às vezes ouço pintores a dizerem-me: “Olha lá, mas o que é que estás a fazer?”, estou no atelier acompanhada. Tintoretto diz-me “Oh Mariana desculpa lá, mas essa cor aí...”...


CR: Nunca é elogioso?

MG: Não, por acaso não. São sobretudo dicas!, “não sabes usar os brancos, ora tenta mais assim”.
Os brancos.. para mim são a coisa mais extraordinária. Ainda não sei trabalhar os brancos, ainda ando à procura. A luz na pintura é muito difícil, mas se consegues ter um boa luz, é meio caminho andado para a pintura resultar.
Agora.. como é que trabalhas a luz em pintura abstracta? Essa é que é a questão.


CR: E o que te dizem os pintores-vozes?

MG: Já falamos várias vezes sobre isso.
Há muita coisa que não dá para falar, por isso é que eles vão dando sobretudo dicas.
Há muitas entrevistas com artistas que não têm grande interesse.
Há muitas coisas sobre as quais não há muito a dizer.
O que interessa é mesmo o trabalho. As imagens.
Gosto de falar com outros pintores sobre estas coisas, o branco, a luz... Não quer dizer que haja conclusões ou que haja muito a dizer, mas partilhamos impressões e sentimo-nos acompanhados.


CR: Defendendo a minha posição de entrevistadora, acho que as entrevistas são boas como um exercício paralelo ao trabalho do artista, não como fornecedor de um código de leitura.
Um prefácio, talvez.

MG: Como o livro do Kierkegaard, de prefácios ficcionais, publicados sob pseudónimo.

CR: Há uma colectânea de prefácios do João Barrento de que gosto muito, mas não são ficcionais. Chama-se “Umbrais”, editado pela Cotovia.

MG: Kierkegaard inventou esta personagem escritora de prefácios. Genial, doido, mas genial.


CR: Como é que entra a comida na relação com a pintura?

MG: Tem a ver com uma outra obsessão que é a cozinha, a culinária. Sou capaz de ficar dias a cozinhar. E não comer nada, só porque gosto mesmo de cozinhar. É como pintar, para mim é o mesmo processo criativo. Às vezes prefiro ficar a cozinhar do que ir ao atelier.
Tenho este gosto pelo mundo, pela comida, pelos sentidos, pelo cheiro, pela cor. Isso está na pintura também. É tudo animal... e há um lado sexual e escatológico.
Tudo se relaciona com o bicho que nós somos.


CR: Há uma dimensão... fofa. Como se uma camada velasse tudo o que é visceral dentro do teu trabalho.

MG: Talvez isso aconteça por via da pintura, porque a pintura se coloca no meio, como mediador.
Somos sempre caricaturas de nós próprios, mas nunca quis que isso fosse o meu trabalho, nunca quis que as vísceras o tomassem. Há outras preocupações, como a composição e a materialidade, que são próprias à prática da pintura e que lhe dizem, de facto, respeito. E isso cria barreiras entre o que sou, o que gosto, e o resultado da obra.
As barreiras domesticam, ou arrumam, as coisas que a pintura vai tendo ou evocando.

[A Filipa está sempre escondida. Mas o Mimo apanha a fresca com o Orson.]


CR: A dimensão do grotesco dá-se da mesma forma? Está também controlada pela prática da prática da pintura?

MG: Talvez se destaque um pouco mais do que o resto. Destaca-se nas últimas pinturas sobretudo. Há figuras: línguas, intestinos, traqueias, cocós - e tudo fica mais literal. É mais óbvio do que o que falávamos antes.
O grotesco está muito ligado com o lado poético, que se une ao animal de que falava. O grotesco é o ponto de ligação de tudo. É das entranhas que tens o corpo a funcionar... elas são a ponte.
Não consigo imaginar a minha pintura sem esse ponto de contacto. Era como se me tornasse um animal sem vísceras, só pele. Não seria eu, não seria a minha pintura.


CR: A tua, ou toda a pintura?

MG: Falo da minha. Há pintura que é só pele e é extraordinária.


CR: Isso é fruto da tua inserção numa certa linhagem da pintura.

MG: Sim, tenho muitos parentes.


CR: É clara a linhagem para ti?

MG: Sim. São fáceis de identificar. Não os procurei ou os pensei. Só me juntei a esta família.
Se pensar no contexto português, que é o meu [riso], aparecem-me o Lapa, o Joaquim Rodrigo, o Alvarez, o José Loureiro, o Jorge Queirós, o Casqueiro.

CR: A Maria José Aguiar, não podia ser da tua família?

MG: Podia sobretudo a Luísa Correia Pereira.
Os Bollocks têm uma homenagem à Ana Vieira, que eu conheci e de quem gostei muito, para além de admirar a obra. A Maria José Oliveira, que é incrível...!
Aquela geração tem artistas mulheres que eu não consigo perceber como é que - e sendo agora bastante agressiva - se fala tanto em feminismo dentro do mundo artístico e não se vai buscar estas artistas, muitas delas ainda vivas.
É muito triste deixares de interessar quando és velho. Há muitos artistas agora com oitenta anos, com um percurso exemplar, e muita gente não sabe sequer que eles existem. A Maria José Oliveira é para mim um exemplo gritante disso.


CR: É por aí que surge o Sindicato dos Pintores [projecto expositivo nómada organizado pela Mariana], para reivindicar algumas das coisas que enunciaste?

MG: O Sindicato dos Pintores vem do grande desejo de diálogo sobre pintura e também de encontros improváveis. Provocaram-se encontros que trazem e poderão ainda trazer coisas muito boas.
Tem sido uma experiência incrível acompanhar esses encontros, fazer parte deles.


CR: Há o trabalho de activação de memória, de não-esquecimento, também a ser feito por ti.

MG: Sim, há.
Faz-me muita impressão haver artistas a cair no esquecimento, com trabalhos tão valiosos.
Há públicos que não vão aqui e ali, e sinto que o Sindicato dos Pintores faz não só misturas de artistas improváveis, como também cruza públicos improváveis. Quando juntas dois artistas improváveis também se criam mais encontros improváveis entre o público.
O sistema artístico é muito deficiente e eu, embora não ache que esteja a corrigir o mundo, em vez de me aborrecer com isso, tentei fazer alguma coisa.


CR: O sistema artístico está em falta perante a pintura?

MG: Quando comecei a pintar ninguém estava interessado na pintura e vi muitas pessoas a deixarem de pintar. Agora mudou um bocadinho a sensibilidade e disponibilidade para a pintura.
O Sindicato dos Pintores promove a troca de impressões sobre preocupações específicas de pintores - as discussões ou galhardetes sobre o branco, de que te falhava -, para que elas possam acontecer e para que eles não fiquem sozinhos no atelier.
Quando há disponibilidade para conversar é sempre edificante. E tem havido.


CR: E pensas na conquista de espaço para artistas mulheres?

MG: Lá vens tu... [riso] Eu sou humanista. Diria que me interessam pintores, ponto. Não me interessa o género ou outras variações, penso em pintura e não tenho outras questões presentes.


CR: Notas finais?

MG: Talvez uma curiosidade.
As cores que uso são cores de barcos, fui-me apercebendo. Fui associando essa minha percepção, de a minha paleta me lembrar os barcos, a uma parte da minha infância. Quando era miúda ia para a praia da Oura, que estava cheia de barcos, e adorava nadar entre os barcos. Ficava muito tempo a olhar para aquelas cores e letras. Para o brilho do mar nos barcos.


CR: Daí o branco.

MG: É. Percebi-o nessa recordação. Era muito feliz a nadar por ali, se calhar por isso é que a minha pintura tem um ar bem disposto.


CR: Talvez também seja por isso que é sofrida.

MG: Sim, vem com melancolia.

 

 


:::


Todas as imagens são cortesia da artista.