Links

share |

MÚSICA


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO

RICARDO ESCARDUÇA

2017-09-02



 

 

 

É para dizer que sim ou que não? Acaba de conhecer-se algo. Alguém. O que dizer – não há, não pode, mesmo quando há, acaba por desmanchar-se a si mesma ou às mãos dos outros, deve, existir a coisa absoluta, tudo passa, o sim e o não, em alternância, proveitos e perdas. Mais proveitos que perdas neste caso, já lá se vai.

Comece-se pelo sim. “Eyes” é para ouvir alto e bom som e ver-se de olhos e mente bem abertos – prodígio dual da tecnologia: um cabo daqueles de quem percebe da arte tipo RCA ou Jack ou P1 ou P2 das coisas ainda mais ou menos analógicas e que se tocam com as mãos, mas que maravilha, podem ligar o, tão arma de destruição maciça quanto sala e mesa de café para nos sentarmos olhos nos olhos com o resto do mundo, tablet, gadget ou o lá o que é, ao amplificador que, consecutivamente, nos atira, tudo o que queremos ouvir, pelas colunas de médios e agudos e pelo adicional módulo de max bass sound. Música aos altos berros, é o que se quer, mas sem deixar de assistir-se ao vídeo na janela sem fios e cabos do wi-fi, é fundamental. “Eyes” é isso mesmo, para, assim, ouvir/ver.

“Eyes” é o portal de entrada no álbum “No Sides”, 2 de Junho dá-lhe a luz dos dias pelas mãos, sem editora, dos mesmos, o trio israelita Tatran comanda. Para devorar engolir, ouvir/ver antes de mais, antes de tudo, antes de saber-se o que seja para saber.

Denúncia das aptidões técnicas e artísticas dos três, e da forma como as combinam em unidade sonora e visual, camadas e texturas ao mesmo tempo expandidas e contraídas, som e imagem fundem-se num universo de pó e terra, carne e sangue, tempo e espaço, terreno e alienígena. É operático e clássico, não, é tecnológico e futurista. O que é afinal?, não importa, importa ser o que é – história inspirada de epopeias de ontem e, ou, de amanhã, contada no dia de hoje, mero detalhe, importa aqui a ancestralidade em que se sugere, sustenta-se no que foi uma visão do que está para, talvez sabe-se lá, ser.

Ouvidos em alerta, por muito que estejam, não conseguem engavetar em descabidas ambições taxonómicas a espécie geométrica de “Eyes”, laboratório de música experimental e psicadélico, frontão de “No Sides”, – as propriedades rítmicas e melódicas do jazz e soul contemporâneos, do rock progressivo, a invocar o terceiro vértice, ocupa-o a música clássica, um triângulo frontal, já o não é, contorcido, distorcido pela ferramenta electrónica de pés e mãos, exploração singular de dimensões pluridimensionais virgens, ou raramente visitadas por aventureiros de estirpes parecidas. A geometria sonora de linhas e pontos, géneros e espécies misturam-se, fluidifica-se e hipnotiza, feiticeira que é, virulenta e curadora.

Figurantes adicionais numa caverna em Israel, caverna de ontem e, ou, de amanhã, estes personagens, vários; desde a bailarina, dança talvez certamente símbolo, tribal africana de cores, pinturas e adornos a evocar o tempo em que se pôs em pé na savana e se distinguiu do animal; o ser, humano porventura, assim parece, expelido pela sua mãe.terra, primeiros passos são dados, pés e mãos no chão, de quatro; o corpo humano como ele é hoje, erecto sem cara, e vestido de calças será homem, está de calças leggins, será mulher, porventura, não se lhe vê o peito curvilíneo e feminino coberto com as mãos que depois desvendam os olhos que são janelas; aqueles três de negro, buraco talvez vazio de si mesmas, que só circulam e rastejam sem face, seguem ou perseguem alguém, ou com face escondida na nuca; as outras duas, escondidos, só posam parece uma selfie, com máscaras, tal o carnaval em Veneza. Mais ainda há. No mesmo espaço, a caverna de ontem, será de amanhã?, convergem todos eles, os de hoje, representam talvez os de ontem, amanhã, sobre si mesmos, em ritual.

Som e imagem, “Eyes”, música e vídeo, uma magnífica experiência, sublime de fusão, de mistura, de comunhão.

“Eyes”, um ritual global e contemporâneo – num tempo e num espaço de ontem, de hoje e, ou, de amanhã. A tribo global, na geografia a que hoje se chama Israel – umbigo histórico de tantos mundos, tanto para dizer, não nos atrevemos – personagens, movimentos e símbolos em estilos diversos do(s) corpo(s) de espécies várias em ocupação e movimento no espaço umbilical, emblemas, encenação performativa da música inclassificável de “Eyes” em aliança sonora, concordância singular disto e daquilo: um ponto de observação de dinâmicas culturais e sociais, como se criam, mantêm ou alteram.

É Victor Turner que postulou sobre a natureza ambivalente, dimensão liminal e anti-estruturalista dos rituais, reforço da ordem social e cultural e, ou, ignição da alteração, reflexão, revolução. “Eyes”, evocativo de um ritual visual e sonoro, sabe-se lá qual, muitos é certo, compactados na estrutura de uma faixa de música e vídeo e implícitos numa fórmula sugestiva de significados, contextos, interpretações, transforma-se numa experiência sensorial e estética de relevo acentuado porque, tão simplesmente, adquire a superior aptidão de interagir com quem a ela lhe deita os ouvidos e os olhos porque se metamorfoseia enquanto união de culturas, artes expressivas, tecnologias.

Estado transitório, terreno propício à mudança, “Eyes” não traz respostas nenhumas, nem interessa. Antes, na mistura agitada e colocada, coloca-nos, em tensão, sedimentam-se com o peso da gravidades as perguntas sugeridas, as que o fazem superiormente distinto.

 

 

Segue a viagem, experiência. “Eyes” é o frontão de “No Sides”, fluidez não geométrica, “Heavy Moss”, “The Climb” e “No Sides” – a faixa – são as colunas, fachada do monumento, estrutura exemplar na sua sustentação. Quase tão elevadas como “Eyes”, experiência conceptual, estética e artística, dão que falar, relevo merecido, bem mais que um mais na multidão massa, homogénea, de música.

Notáveis executantes instrumentais, simples arranjos e complexos, hábeis e originais improvisos experimentais, ensaio prévio nem vê-lo, saem-lhes da ponta dos dedos numa espécie de sintonia paranormal entre espíritos artísticos singulares, anacrónicos e complementares, Tamuz Dekel na guitarra, figura principal na proa psicadélica e progressiva das composições, Offir Benjaminov no baixo, o espesso pesado manto melódico e Dan Mayo na casa-rítmica da máquina-bateria arrítmica, mistura plastificadora, rica em influências e técnicas e vasta em criatividade e talento. “No Sides”, entidade musical, um ser-vivo diferente, tão excepcional na conjugação inovadora de dissonâncias e harmonias, é veículo de transporte para outras dimensões, desconfortavelmente estímulo e veneno, o território a desbravar.

 

 

“No Sides” é o filho de um concerto, gravação de cinco faixas em que os três da orquestra sobem ao palco com uma ideia absolutamente definida do que vão fazer: sem ideia nenhuma. “No Sides” é cinco faixas de improvisação a cru. Rumo que ao que for, em pleno palco, não é para todos assumir o risco, cara-a-cara com o público e sem nada a que se agarrarem, é preciso ter mãozinhas, que não seja a guitarra, o baixo e a bateria. E uma mão-cheia pedaleiras de efeitos e de parafernálias electrónicas.

 

 

A experiência sónica, aventura alucinogénia da música improvisada ao vivo, para lá, por entre, das linhas do jazz, do rock, da electrónica, experimental avant-guarde ou de vanguarda se recuarmos umas dezenas de anos mas actualizada ao dia de hoje. “No Sides”, atmosfera íntima e intensa do palco destilada para um disco excepcional.

Refira-se o não, dito em voz baixa, é de pouca expressão, há nele, no fundo, mais sim que não. Por detrás de “No Sides”, último trabalho fachada de frontão e colunas, já andam por aí desde 2011 em concertos um pouco por todo o lado, bem para lá de Tel-Aviv, cidade natal. “No Sides” é o terceiro na linhagem de Tatran, sucedâneo de “Soul Ghosts” de 2015 e de “Shvat” de 2014. Falta-lhes a electrónica, há muito jazz. Aqui e ali, remetem, frequência esporádica, nomes, valiosos, mas hoje quer-se mais, Billy Cobham ou John Scofield. Hoje quer-se mais, “Soul Ghosts” e “Shvat” entregam-no sem reservas, é um não tímido com bastante de sim, já por lá anda muito rock e experimental, mais disruptivos que os nomes seculares, incontornáveis, do jazz contemporâneo que sugerem. Só lhes falta a electrónica, a de “No Sides”. Vale a pena espreitar, mas é “No Sides” que se fixa no lugar de destaque.

 

 

Ensaio talvez para “No Sides”, já mete muita tecnologia, quem sabe, em 2015 sai o vídeo de animação “Glance” em parceria com o artista visual Shahaf Ram.

Equiílbrio perfeito atingido, do palco para o estúdio, “No Sides” é uma faceta nova em Tatran, e Tatran é um nome que vale a pena seguir, fusão de ambientes e mundos, estado transitório daqui não se sabe para onde, deixando no ar perguntas bastantes, relevantes. Enquanto isso, ouve-se/vê-se alto e bom som, não há muito disto por aí.

 

Tracklist “No Sides”

1. The Climb
2. Heavy Moss
3. No Sides
4. Eyes
5. White Lies

 




Outros artigos:

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS