Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Carla Filipe, Bordas de Alguidar, em diálogo com “A Paródia e “Pontos nos ii”, 2011. Tinta-da-china, aguarela, ecoline e colagem. 175 x 135 cm.


Carla Filipe, Bordas de Alguidar, em diálogo com “A Paródia e “Pontos nos ii”, 2011. Tinta-da-china, aguarela, ecoline e colagem. 175 x 135 cm.


Carla Filipe, Bordas de Alguidar, em diálogo com “A Paródia e “Pontos nos ii”, 2011. Tinta-da-china, aguarela, ecoline e colagem. 175 x 135 cm.


Carla Filipe, Mãos vazias: a mão não é só um orgão de trabalho, mas também produto deste, 2011. 41 Utensílios de trabalho obsoletos, de ferro e madeira. Dimensões variáveis.

Outras exposições actuais:

HENRIQUE VIEIRA RIBEIRO

NO PRINCÍPIO


quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes
MARC LENOT

TITO MOURAZ

FLUVIAL


Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA

GERMINAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

WILLIAM EGGLESTON

WILLIAM EGGLESTON: LOS ALAMOS


The Metropolitan Museum of Art (Fifth Avenue), Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

ARLINDO SILVA E SÓNIA NEVES

Alegoria


Espaço MIRA, Porto
LAURA CASTRO

SUSAN MEISELAS

MÉDIATIONS


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

NO PLACE LIKE HOME


Museu Coleção Berardo, Lisboa
CONSTANÇA BABO

JOÃO MIGUEL BARROS

PHOTO-METRAGENS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MARC LENOT

ESCHER

ESCHER


Museu de Arte Popular, Lisboa
MARC LENOT

ÁLVARO LAPA

ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:

share |

CARLA FILIPE

Bordas de Alguidar




GALERIA GRAÇA BRANDÃO (LISBOA)
Rua dos Caetanos, 26
1200-079 Lisboa

22 OUT - 03 DEZ 2011


Em Bordas de Alguidar, exposição patente na Galeria Graça Brandão, Lisboa, Carla Filipe dá continuidade a uma reflexão que tem marcado profundamente o seu trabalho e que se prende com os desenvolvimentos do poder global e suas implicações nas estruturas sociais, culturais e comunitárias das sociedades atuais. Porém, não é a interpretação ou o comentário do mundo que lhe parece interessar, mas antes a possibilidade de operar criticamente sobre ele. Ora esta possibilidade no seu caso, como sabemos, é sempre pensada e formulada a partir de memórias pessoais e experiências vividas, pelo que o seu trabalho apresenta uma reversibilidade de sentido muito particular. Se, por um lado, convoca o mundo através de contingências vivenciais, estas, por sua vez, extravasam o plano pessoal já que se mistura nos dados do próprio mundo, gerando situações inesperadas.

Para esta exposição em concreto, Carla Filipe apropriou-se da expressão popular Bordas de Alguidar (que significa os restos de comida que ficavam presos no alguidar da refeição), alargando o seu sentido ao contexto da atual crise económica para problematizar precisamente o modo como hoje o capitalismo celebra a obsolescência de certos saberes e práticas e os transforma em excedentes votados ao desaparecimento.

Se não há cultura, não há nada, um dos trabalhos realizados para esta exposição, é a este respeito exemplar, já que se ocupa de uma atividade profissional quase extinta. Trata-se de um vídeo documental que regista a visita ao espólio de um alfarrabista centenário do Porto que, resistindo aos processos de gentrificação urbana, mantém ainda as portas abertas. A visita ao espaço é guiada pelo proprietário, enquanto a câmara acompanha de perto a inventariação dos livros, a sua arrumação por áreas científicas e nos mostra alguns títulos mais raros ligados à cultura e à arte da modernidade portuguesa, como a “Águia”, a “Ilustração Portuguesa” ou as publicações de Rafael Bordalo Pinheiro: o “António Maria”, os “Pontos nos II” e “A Paródia”.

É justamente o universo crítico de expressão popular e caricatural, desenvolvido por Bordalo Pinheiro na transição para o século XX, que Carla Filipe convoca e reutiliza nos quatro desenhos com colagem que se juntam à exposição. Intitulados Bordas de Alguidar, em diálogo com “A Paródia” e “Pontos nos II”, estes trabalhos definem uma continuidade narrativa entre um passado pré-republicano e um presente neo-liberal pragmático através da figura do Zé-povinho. Acompanhado de novas personagens (Cavaco Silva, Passos Coelho ou José Viegas), temos um Zé-povinho que agora articula com Angela Merkel, adotando a mesma atitude subserviente que lhe é característica e garantia de pobreza, falta de cultura, recessão, extinção dos setores produtivos ou desinvestimento na educação.

Mas este ciclo que retorna ganha contornos ainda mais curiosos na Instalação Rochard. Neste trabalho, a artista leva à parede um conjunto de livros abertos adquiridos no alfarrabista que visitou: uma História de Portugal e exemplares do Viajante Universal e do Testamento Vermelho. Sem relação aparente, as narrativas em jogo, histórica e literária, revelam subitamente aproximações surpreendentes tanto estilísticas, assumindo o romance a sua estrutura, como do ponto de vista da ação. Em causa estão episódios históricos de Portugal do século XV e XVI, como as pensões dos professores de filosofia e retórica em dívida ou as expedições pelo oriente em busca de ouro que se cruzam com as aventuras ficcionais de duas personagens que precisam de levantar e trocar as suas bonds, ações e obrigações. O efeito de reflexo que o vocabulário pode repercutir na atualidade é todavia reforçado, não sem ironia, pelos desenhos gravados por traças nas páginas dos livros, um puro ato casuístico que nos sugere uma técnica antiga psicológica de auto-expressão e identidade.

No último trabalho da exposição, intitulado Mãos vazias: a mão não é só um orgão de trabalho, mas também produto deste, a artista volta a reunir, agora no chão, um conjunto de objetos antigos, concretamente 41 ferramentas de trabalho em ferro e madeira compradas em feiras de 2ª mão. Se o comércio destes objetos promove um fetichismo em torno das suas formas e memórias, Carla Filipe, ao resgatar e reinventar o seu uso na galeria, inverte aquela ordem, ativando o potencial emancipador dos saberes e práticas que o presente soube esquecer.

Neste sentido, Bordas de Alguidar rompe criticamente com a circularidade inerente a uma narrativa que insiste em repetir-se e com um certo bem-estar proporcionado por uma consciência cínica de si.


Sofia Nunes