Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição Zip Bung, 2011. Cortesia: Sala do Veado.


Vista da exposição Zip Bung, 2011. Cortesia: Sala do Veado.


Vista da exposição Zip Bung, 2011. Cortesia: Sala do Veado.


Vista da exposição Zip Bung, 2011. Cortesia: Sala do Veado.


Fernando Roussado, Pleno, 2011. Ferro e Mármore; 30 x 33 x 30 cm. Cortesia: Sala do Veado.


Joana Roberto, BAB-ILANI, 2011. Projecção de filme; cor, som, 27 min. Cortesia: Sala do Veado.


Magda Delgado, Transcendência Apolinea I, II, III e IV, 2011. Pastel seco s/ vidro, 36 x 26 cm. Cortesia: Sala do Veado.

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

NSK DEL KAPITAL AL CAPITAL. NEUE SLOWENISCHE KUNST. UN HITO DE LA DÉCADA FINAL DE YUGOSLAVIA


Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid
ALBERTO MORENO

MARIANA SILVA

OLHO ZOOMÓRFICO/CAMERA TRAP


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
BRUNO CARACOL

PEDRO VALDEZ CARDOSO

HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA


Galeria 111 (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ANA HATHERLY

ANA HATHERLY. TERRITÓRIO ANAGRAMÁTICO


Fundação Carmona e Costa, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ANA HATHERLY

ANA HATHERLY E O BARROCO. NUM JARDIM FEITO DE TINTA


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

HUGO CANTEGREL

ONE DAY IT WILL ALL MAKE SENSE


FOCO, Lisboa
Catarina Real

COLECTIVA

SÃO PAULO NÃO É UMA CIDADE - INVENÇÕES DO CENTRO


Sesc 24 de Maio, São Paulo
JULIA FLAMINGO

BILL VIOLA

A RETROSPECTIVE


Museo Guggenheim Bilbao, Bilbao
ALEXANDRA JOÃO MARTINS, LUÍS LIMA

GILBERT & GEORGE

THE BEARD PICTURES


Lehmann Maupin, Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

TIAGO MADALENO

NOVO BANCO REVELAÇÃO 2017


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

ARQUIVO:

share |

COLECTIVA

Zip Bung




MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL - SALA DO VEADO
Rua da Escola Politécnica, 58
1250-102 Lisboa

02 JUN - 03 JUL 2011


Zip Bung é apresentado pela Sala do Veado no decorrer do presente mês, uma exposição colectiva onde é dado conhecer o trabalho de onze jovens artistas – Álvaro Brito, Ana Rebordão, Fernando Roussado, Joana Roberto, João Sousa, Jorge Coelho, Magda Delgado, Paulo Tuna, Pedro Henriques, Sara Bichão e Sérgio Fernandes.


O local escolhido para a exposição demarca-se do restante edifício – Museu Nacional de História Natural – através da fisicalidade de um espaço absoluto e pela brutalidade imposta pela arquitectura, que se expressa principalmente na tradicional rigidez da planta rectangular, em contraponto com o (não) tratamento das paredes. O espaço tem por isso, um forte peso na relação com algumas das peças, prenunciando-se por meio de um papel influente e decisivo quer ao nível conceptual, nomeadamente em Pleno de Fernando Roussado ou em A agonia da Besta de Paulo Tuna, ou ao nível formal, em Univ. Bloc 8 de Sara Bichão.


A Sala do Veado é assumidamente um espaço alternativo, com a devida visibilidade, situado à margem do campo institucional e do mercado artístico, possibilitando o exercício expositivo às gerações mais novas, contribuindo assim para a construção social do valor artístico e validação do seu trabalho. Numa conjuntura em que o meio artístico pressupõe o crescente número de mediadores culturais, curiosamente neste caso devido à escassez de recursos, dá-se precisamente o contrário, esta mostra apresenta-se como sendo absolutamente autofinanciada e sustentada pelo colectivo. A inexistência de um curador, ou do desconhecimento de quem o faz, revela a delegação para o segundo plano desta função, conferindo o devido destaque aos objectos artísticos. O que reclama um exercício de “curadoria necessária”, o próprio título é uma alusão a esta necessidade, remetendo para nada em concreto, ou melhor, aponta para um vasto campo de significados e de acções.


Neste seguimento, a exposição não é pensada segundo um mote limitador, que de uma forma ou outra possa estabelecer as devidas pontes. Zip Bung, tem como direcção principal e objectivo comum a vontade de querer dar a conhecer a um público o trabalho destes artistas, neste sentido ocorre a materialização de uma concepção do artista como indivíduo, e as peças expostas como produto do seu trabalho. Provando a não obrigatoriedade da existência de uma uniformidade ou relações entre os conteúdos das várias peças, sem procurar criar um único discurso expositivo, o que não significa, contudo, que não possam ser estabelecidas leituras. É promovida a coabitação de tão diversos objectos artísticos, de uma forma coesa e harmoniosa, mesmo quando é apresentada uma extensa multiplicidade de media – pintura, escultura, instalação, video, fotografia, (registo) performance, entre outros – obrigando a um inteligente jogo com a rígida arquitectura, dotando-a de alguma flexibilidade, através da manipulação da iluminação tal como o aproveitamento e valorização dos nichos.


Os media enquanto matéria do objecto artístico levanta consigo inúmeras questões, como parte incitadora do trabalho de alguns dos artistas, designadamente a peça Sem título de Álvaro Brito, pondo em causa o valor da fotografia ou Watching machines de Jorge Coelho, onde é proposto um vasto conjunto de máquinas que reproduzem a sua própria imagem, multiplicando-a. Para isso o artista criou um circuito, que pode ganhar com a intervenção do espectador, sendo que um dos seus pontos transmite uma imagem que por sua vez é projectada na parede, criando uma completa nova imagem. Por outro lado, Sem título de Pedro Henriques, desvenda o mínimo ao espectador do incremento do processo técnico – o trabalho sobre mistério/ambíguo – o que envolve também o conceito, formalizado na imagem de um cão duplicado que salta sobre águas turvas, desencadeando imediatamente o questionamento do visível – o confronto entre dois cães ou o confronto entre o mesmo? Numa idêntica linha de pensamento, temos BAB-ILANI de Joana Roberto que propõem um processo de trabalho de difícil descodificação, mas que a própria opta por abertamente dar a conhecer, como fórmula introdutória para a percepção dos vários discursos – a imagem, o texto e o som – de cariz individual, mas interligados nomeadamente por conceitos como o modernismo, a utopia e o mito.


Em pólos distintos, tomando relevo pela sua unicidade, é apresentado por um lado, Transcendência Apolinea I, II, III e IV de Magda Delgado, que coloca frente a frente distâncias físicas e imateriais, de maneira extremamente camaleónica sobre o espaço – numa série de pequenos trabalhos a pastel seco sobre vidro – mas também através do levantar de questões estéticas que estudam o belo, o sublime e o aurático; por outro lado, A chain reaction de João Sousa expõe o espectador como elemento participativo, pelo simples movimento do seu corpo e aquilo que individualmente cada um possa experienciar. Por fim, Eis-me de Ana Rebordão e Sem título (VEJASEJA) e VEJA SEJA de Sérgio Fernandes desenham-se segundo uma carga altamente pessoal, sendo o eu/artista o ponto central do seu trabalho.


Como prolongamento e/ou continuidade do trabalho desenvolvido em exposição foi construído um livro de artista(s), um suporte documental de grande qualidade gráfica, maleável, à vontade de cada um, que possibilita o desdobramento a outros níveis de conhecimento e o desenvolvimento do trabalho artístico, proporcionando ao visitante a possibilidade de poder levar consigo parte do trabalho destes artistas.


Flávia Violante