Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Gary Hill, Cutting Corners Creates More Sides, 2011. Vídeo instalação. Cortesia: Galerie In Situ / Fabienne Leclerc


Gary Hill, Cutting Corners Creates More Sides, 2011. Vídeo instalação. Cortesia: Galerie In Situ / Fabienne Leclerc


Gary Hill, Isolation Tank, 2010-11. Video still. Cortesia: Galerie In Situ / Fabienne Leclerc


Gary Hill, The Psychedelic Gedankenexperiment, 2010-2011. Instalação multimédia. Cortesia: Galerie In Situ / Fabienne Leclerc. © Gary Hill


Gary Hill, The Psychedelic Gedankenexperiment, 2010-2011. Instalação multimédia. Cortesia: Galerie In Situ / Fabienne Leclerc. © Gary Hill

Outras exposições actuais:

VASCO ARAÚJO

LA MORTE DEL DESIDERIO


Galeria Francisco Fino, Lisboa
WILSON LEDO

HENRIQUE VIEIRA RIBEIRO

NO PRINCÍPIO


quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes
MARC LENOT

TITO MOURAZ

FLUVIAL


Módulo – Centro Difusor de Arte (Lisboa), Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA

GERMINAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

WILLIAM EGGLESTON

WILLIAM EGGLESTON: LOS ALAMOS


The Metropolitan Museum of Art (Fifth Avenue), Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

ARLINDO SILVA E SÓNIA NEVES

ALEGORIA


Espaço MIRA, Porto
LAURA CASTRO

SUSAN MEISELAS

MÉDIATIONS


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

NO PLACE LIKE HOME


Museu Coleção Berardo, Lisboa
CONSTANÇA BABO

JOÃO MIGUEL BARROS

PHOTO-METRAGENS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MARC LENOT

ESCHER

ESCHER


Museu de Arte Popular, Lisboa
MARC LENOT

ARQUIVO:

share |

GARY HILL

Cutting Corners Creates More Sides




GALERIE IN SITU / FABIENNE LECLERC
6, Rue du Pont de Lodi
75006 Paris

13 SET - 27 OUT 2012



C’est le cerveau qui pense et non l’homme, l’homme étant seulement une cristallisation cérebrale. On parlera du cerveau comme Cézanne du paysage: l’homme absent, mas tout entier dans le cerveau…

Gilles Deleuze e Félix Guattari [1]




Depois de Chicago, é em Paris que a exposição Cutting Corners Creates More Sides pode ser visitada. Prosseguindo um trabalho que a partir dos anos 90 se concentrou maioritariamente na performance [2], Gary Hill foca-se nos hiatos entre as representações da carne e a experiência ou entre a palavra e a fisicalidade, constituindo-os como principais motivos de um conjunto de explorações divididas em cinco partes. O conjunto é dominado pelo uso do vídeo, médium em relação ao qual foi pioneiro no que concerne à investigação de potencialidades artísticas.

Em Cutting Corners Creates More Sides, Hill inclui o campo das substâncias alucinogénas, não para proceder a uma investigação no quadro de qualquer (neuro)ciência, mas precisamente para as reclamar para esse campo hoje omnipresente da poiesis dita artística – é que, se uma das mais frequentes preocupações das manifestações artísticas (expressas ou implícitas) é a problematização da perceção, essas mesmas manifestações não podem ignorar o conjunto de tecnologias desenvolvidas ao longo do século XX, criadas precisamente para compreender as possibilidades percetivas – que têm na criação de substâncias em laboratório um dos exemplos mais acabados. Deste modo, Hill toma para a sua experimentação aquele campo que interseta os estudos artísticos com o da neurociência – se uma estuda, entre outros, os efeitos do consumo de determinadas substânicas ao nível fisiológico, o estudo pela via artística foca-se nos impactos sobre perceção, seja por via direta – criando a obra em torno do consumo – ou por via indireta – utilizando as perceções causadas pelas substâncias como parte integrante da obra, estando neste caso o seu vestígio presente na feitura, imbricado na sua composição, tanto quanto o pigmento ou a textura, para utilizar o exemplo da pintura.

Utilizando tecnologias de ponta como imagens geradas a computador, Hill explora cenários hiperrealistas ou abstratos para uma experimentação que é, por vezes literalmente, muito cerebral (no site do artista – www.garyhill.com – as hiperligações estão divididas em Right Brain e Left Brain e a frase at least from the brain’s point of view digitada em rodapé).

Todos os resultados da sua investigação estão sob o signo de uma certa procura conceptual que os cinco momentos da exposição testemunham.

Isolation Tank [3] (2010-11) surge como prefácio às instalações que se seguirão. Num primeiro plano o oceano imenso, infinito e pacífico é focado por um zoom in que aumenta a textura dessa que aparentava antes ser uma unidade hermeticamente fechada. Surge uma prancha, em plano picado, numa solidão quase absoluta (ou não estivesse o observador também a partilhá-la), com um padrão que se revela um rosto no meio do amarelo da prancha. Um helicóptero (é reconhecível pelo som que entrecorta a ação) roda robre a prancha e é subitamente interrompido por uma onda que quase o submerge – como um golpe inesperado, a entrada de uma força estranha que interrompe a possibilidade de prolongar essa contemplação íntima que já se iniciava. A câmara procede então ao movimento inverso, para nos voltar a dar o mar no seu silêncio majestático de indiferença: o movimento é de uma visão do mar enquanto infinitude à atenção a uma prancha perdida, sob a qual os efeitos da maré se fazem sentir.

Num segundo espaço, uma leitura de um poema caótico que decompõe e reorganiza palavras (“one less one/un-less/loss less (…)” é acompanhada de imagens do cérebro obtidas por ressonância magnética essa técnica popularizada na segunda metade do século passado, que, ao ritmo da leitura, denunciam o fosso irredutível entre a representação do fenómeno e a sua experiência subjetiva – sendo o cérebro a fonte das palavras, como é possível não conseguir averiguar nos registos da ressonância magnética algo mais que a quietude das imagens? Onde está a potência e a intensidade da experiência?

Um terceiro momento contrapõe palavra e imagem, desta vez numa narração que ocorre em simultâneo com a projeção de dois filmes. Um triplo diálogo estabelece-se: duas sucessões de imagens projetadas focam e desfocam objetos do quotidiano – uvas, pregos, fios, objetivas, caixas de excedentes – repetidas em loop, como se de dois olhos desconexos se tratasse. O caos da aparição dos objetos é apenas interrompido quando um deles é focado, assumido: “I only ruminate on certain ones that seem to appear and disappear for no apparent reason except that at one time or another I assumed them” [4]. Os efeitos das substâncias sobre a perceção não lhe acrescentam algo, aprofundando antes certos gestos do pensamento: “I have the distinct sense of being backwards – thoughts are eating themselves before any kind of linguistic traction takes place” [5]. A questão é a da sincronia do tempo, da sua possibilidade percetiva, da sua impossível falta de linearidade, já que “Everything seem to be aligning itself within if with nothing else. Was it simply a question of synchronicity?” [6]. Os movimentos súbitos jogam-se indefinidamente e de um modo arbitrário e, contudo, formam um sentido.

Num quarto espaço o drama da possibilidade de abolição das fronteiras do percecionado aprofunda-se: cinco ecrãs distribuídos anarquicamente pelo chão, simulando o próprio corpo de Gary Hill, que neles é representado, deitado em alucinadas declarações sobre os seus sentimentos (“I want to be dead”), a vida (“What is normal?”) ou silencioso, escutando o riso de uma mulher que o filma. Encimando os ecrãs uma projeção psicadélica em luz azul de um saxofonista, uma melodia fúnebre.

O último espaço consiste numa projeção de vídeo, no qual o fundo de ecrã é gerado a computador e em frente ao qual o artista disserta, como se estivesse a proferir uma palestra para um público científico – Gary Hill, que proferiu todas as palavras ao contrário na feitura do vídeo, apresenta-o do fim para o princípio, permitindo compreender o que está a dizer (se bem que de um modo extremamente afetado) e invertendo simultaneamente a ação. O palco parece ser um laboratório e o artista calça luvas e veste uma bata, reconstituindo uma molécula de LSD a partir de um modelo, daqueles hoje em dia frequentemente utilizados em aulas e eventos de divulgação. Na parede, um excerto da sua dissertação declara: “I am taking the liberty, as artists do, to declare Lysergic acid diethylamide (LSD) as the art experience par excellence”. O problema é que o próprio texto está escrito do fim para o princípio, numa linguagem à primeira vista críptica, mas que logo se revela fonética.

Nesta exposição extremamente exigente, Gary Hill coloca assim o corpo (do observador e do próprio artista) em questão, evidenciando o milagre inglório que é o facto desse mesmo corpo ser suporte, tão indispensável quanto manipulável, da mente.


NOTAS

[1]
Deleuze, Gilles e Guattari, Félix (1991), Qu’est-ce que la philosophie. Paris: Éditions de Minuit, 2011, p. 210.

[2]
Por exemplo, em Splayed Mind Out (1996-98) ou o trabalho desenvolvido em colaboração com os poetas George Quasha, Charles Stein e Paulina Wallenberg-Olsson.

[3]
Trabalho também exibido em The Psychedelic Gedankenexperiment. Disponível em www.vimeo.com/45863952

[4]
Excerto do texto escrito por Gary Hill em relação à exposição.

[5]
Excerto do texto escrito por Gary Hill em relação à exposição.

[6]
Excerto do texto escrito por Gary Hill em relação à exposição.


Jorge Vieira Rodrigues