Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


"Pode o Museu ser um Jardim?" Mario Garcia Torres, A Brief history of Jimmie Johnson’s Legacy, 2006. Coleção Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Aquisição 2008


Vista da exposição "Pode o Museu ser um Jardim?" Obras da Coleção de Serralves. Fotografia de Filipe Braga, ©Fundação de Serralves, Porto


"Pode o Museu ser um Jardim?" Ree Morton, Souvenir Piece, 1973. Coleção Fundação de Serralves – Museu de Arte Contemporânea, Porto. Aquisição 1998  


Vista da exposição "Pode o Museu ser um Jardim?" Fotografia: Sara Castelo Branco

Outras exposições actuais:

DAYANA LUCAS

DIA-A-DIA


Galeria Lehmann + Silva, Porto
SANDRA SILVA

CHRISTIAN ROSA

TO PAINT IS TO LOVE AGAIN


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

MAFALDA SANTOS

COMO FAREMOS PARA DESAPARECER


Galeria Presença (Porto), Porto
CLÁUDIA HANDEM

COLECTIVA

CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA – 50 ANOS: A DEMOCRATIZAÇÃO VIVIDA


Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto
CONSTANÇA BABO

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS


Galeria Pedro Oliveira, Porto
CLÁUDIA HANDEM

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ARQUIVO:


COLECTIVA

PODE O MUSEU SER UM JARDIM?




MUSEU DE SERRALVES - MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA
Rua D. João de Castro, 210
4150-417 Porto

06 FEV - 13 SET 2015


No filme Jardim (2007), o realizador João Vladimiro presentifica, em certos momentos, a possibilidade de abstractização do jardim, uma agudização da sua índole mais anónima e intrínseca, apelando à sua condição mais nativa. Neste filme, concebido inteiramente com as imagens do Jardim da Fundação Gulbenkian, o reconhecimento deste espaço irrompe, particularmente, nas imagens dos trabalhos de conservação do jardim dirigidos por Gonçalo Ribeiro Telles, sendo estas as imagens que melhor inscrevem a relação entre o exterior e o interior – a intertextualidade existente entre o museu e o jardim: os dois lugares convocam num espaço um outro espaço e obedecem a uma visão de percurso e organização, onde cada peça é meticulosamente colocada em relação com o lugar e com as relações que estabelece de confronto ou parentesco. O jardim é uma intersecção plena entre o humano e a natureza, congregando uma volubilidade (uma compleição intrinsecamente natural) e uma artificialidade (um temperamento humano). O jardim é, portanto, a representação de um ordenamento racionalmente humano do mundo natural, reflectindo um certo instinto de propriedade – através de um sentido de controlo, dependência e recriação – que contraria o estado, naturalmente, indomesticado da natureza.

Pode o Museu ser um Jardim?, exposição com curadoria de João Ribas para o Museu de Serralves, é uma expressão precisa destes pressupostos. Ainda que o título da exposição se constitua no modo interrogativo, a intenção do curador está claramente sitiada na proposta de uma visão do museu enquanto jardim: um lugar de deambulação, experiência, sinestesia e contemplação de diferentes formas, cores e objectos conciliados num espaço. A exposição parte, sobretudo, das obras pertencentes na Colecção do Museu de Serralves, apresentando-as numa dupla forma expositiva que irá alterar-se conforme as estações do ano (Primavera-Verão e Outono-Inverno). A exposição cursa questões alegóricas e estéticas associadas ao jardim, inscrevendo representações híbridas entre a natureza e a arte, uma relação presente desde sempre num plano simbólico e estético. Neste sentido, Pode o Museu ser um Jardim? dialoga intimamente com o espaço desenhado pelo arquitecto Álvaro Siza Vieira, que estabeleceu uma correspondência persistente entre o interior e o exterior, transpondo a extensão do jardim para o volume interior do museu. Esta interlocução permite um contacto visual constante com o ambiente natural circundante, através de portas e janelas que enquadram pontos de vista imprevistos sobre a paisagem. Neste sentido, se o percurso de Pode o Museu ser um Jardim? cruza-se extensamente por espaços fechados sobre o white cube, o fim do caminho desemboca numa última sala, caracterizada pelas suas grandes janelas, onde se reencontra o parque. Um percurso que ao convocar uma leitura construída sobre a natureza, ganha um impulso maior naquela última sala em que o mundo natural transpõe o espaço e o real se intensifica e potencializa.

Nesta exposição muitas das obras versam questões como a paisagem e a natureza – seja através do uso de materiais naturais ou de representações paisagísticas –, embora outros trabalhos convoquem diferentes dimensões inerentes ao jardim (e ao museu), como a ideia de percurso e espaço. Para além das obras da colecção, foram adicionadas peças de Hans Haacke e Louise Lawler, dois trabalhos que partem, precisamente, de elementos ligados à natureza para questionar o sistema museológico. Em Grass Grows (1967/68) – um monte de terra onde foi semeada erva que, ao longo da exposição, vai germinando –, Haacke circunscreve questões relacionadas com o carácter expositivo dos museus e o conceito de autoria artística. Grass Grows, um sistema com carácter irrepetível e vida própria, contrapõe-se ao fluxo temporal e autoral do museu, afirmando um modo de crescimento e renovação biológica, que sendo um processo natural se transforma num processo museologicamente narrativo. Já, na peça sonora de Louise Lawler, Birdcalls (1972-81), ouvimos o trinado de vários pássaros que aparentemente entoam nomes de artistas afamados, um chamamento individual feito apenas a artistas masculinos. Lawler coloca, sarcasticamente, o acento crítico sobre o estatuto hierarquizado dos artistas, abordando também as possibilidades do sistema museológico, na medida em que este trabalho foi gravado em cassete e distribuído por correio. Neste contexto, podemos sublinhar a presença de outras abordagens ao binómio obra-museu, como Caixa de Baratas (1967) de Lygia Pape, uma caixa de acrílico com fundo espelhado, onde estão cientificamente alinhadas uma série de baratas embalsamadas. O agrupamento numa malha geométrica, e a sua colocação num contexto museológico, retiram às baratas o seu forro de aversão, conduzindo a uma reflexão sobre a instrumentalização da arte pelas instituições. Ana Jotta evoca, igualmente, a ideia de coleccionismo na obra Zambujeira do Mar (2000), onde metalizou uma série de objectos desgastados que foi recolhendo da praia, concedendo-lhes uma perpectuação e regeneração. Nesta obra, o acto de coleccionismo expede tanto para a recolha das peças, como para uma subversão do conceito de autoria, pois é dada autonomia a cada curador para agrupar as peças conforme entender.

Pode o Museu ser um Jardim? interpela, particularmente, a questão do jardim associado à paisagem, duas dimensões intrínsecas e que se assemelham enquanto extensões de construção cultural. A paisagem é dita na aguarela Sem Título (2005) de Raoul Keyser, que embora brote de uma composição aleatória, adquire uma dimensão ambiguamente paisagística; ou, então, na pintura Ohne Titel (Landschaft mit Pfeilen) (1974) de Anselm Kiefer, onde a paisagem desponta interrompida por várias setas, elementos gráficos que de forma hesitante poderão conformar diversas importâncias, como o movimento cíclico. Podemos ainda pronunciar a exploração da percepção do mundo natural em Structure Piece – Leaves (1) (2003), obra de Jan Dibbets, que inicia a exposição, apresentando uma sequência de fragmentos fotográficos de imagens de folhas que, montadas em linha horizontal e descontextualizadas num grande plano, concebem um novo horizonte; a convocação de materiais efémeros e deterioráveis nas pinturas feitas sobre papel de jornal, Golden Web (1975) e Potato (1975), de Paul Thek, que observa a transitoriedade da vida aportando em representações e materiais naturalmente frágeis e degradáveis; ou, de forma esperada, a representação dos movimentos associados à “land art”, pelo tríptico de Robert Smithson, Crator (1966), Crator with Dislocated Radiation (1966) e Crator with Reflected Numbers on the Hexagonal (1966), uma série de medições e mapeamentos de crateras, feitos em papel milimétrico, que embora representem o ponto mais alto do vulcão de onde este expele a sua matéria, aqui permite-nos um olhar em profundidade, remetendo para um movimento involutivo, que se enrola para dentro.

A visão e o movimento – dimensões persistentes na experiência do museu e do jardim – são formas próprias do homem se relacionar com aquilo que o rodeia, supondo uma implicação mútua entre o espaço e o sujeito. Assim, a partir da modalidade cinética e do trajecto, Pode o Museu ser um Jardim? parte da errância física e mental, para se centrar numa fenomenologia do lugar e do percurso. Neste sentido, a exposição apresenta obras do “walking artist” Hamish Fulton, que em The Outlines of Seven Stones for: Seven Days Walking Seven Nights Camping (1994) e Outline of a Mountain Rock from the Basque Pyrenees (2001) constrói um registo dos percursos que vai fazendo, agregando a experiência da arte à experiência das suas caminhadas na natureza; ou, então, as obras Steps (1971), 1m x 1m (1986) ou A Distance of 336 Steps (2000) de Stanley Brouwn, um artista que inscreve constantemente o acto de caminhar no seu trabalho, procurando porém eliminar o seu próprio rastro, que passa a ser recriado pelo visitante do museu, uma desmaterialização espacial e autoral como forma de emancipação de si mesmo e fusão com o espaço.

Será ainda pertinente frisar dois trabalhos que, tendo como referente uma natureza humanizada – a jarra de flores e o jardim –, actuam sobre questões e médiuns distintos. A série Sombras à Volta de um Centro, dos anos 80, de Lourdes de Castro, substancia-se numa perscrutação sobre a sombra, um registo que se presentifica de forma etérea e fugidia, envolvendo realidade e ilusão. Nesta série de desenhos, a artista expõe à luz várias jarras de flores, inscrevendo posteriormente o contorno da projecção das suas sombras. A imagem torna-se, simultaneamente, a imagem de si e a representação transfigurada de uma outra imagem, presentificando a ausência, através do movimento da memória e da imaginação sobre a clareza do real. Já, no filme O Jardim (2005), Vasco Araújo apresenta imagens do Jardim Colonial de Lisboa – uma convocação miniatural do “império” colonial português – um espaço de relevo na Exposição do Mundo Português (1940), e, que após o 25 de Abril, passar-se-ia a chamar Jardim Tropical. A partir de enunciações da mitologia e do colonialismo, as estátuas de negros presentes no jardim adquirem vozes a partir da leitura, por parte de afro-descendentes, de excertos da Ilíada e da Odisseia de Homero. Concebendo um diálogo do passado com o presente, o artista reflecte, criticamente, a situação pós-colonialista e a substância redutora relativa a termos como “colonial” e “tropical”. O Jardim interpela, identicamente, a condição do estrangeiro e a relação com a diferença, implicando reflexões sobre a identidade, a política e a sociedade.

Ainda que a exposição Pode o Museu ser um Jardim? cumpra o intento interrogativo a que se propõe, poderia alongar-se numa reflexão ainda mais aprofundada sobre a simbologia menos evidente do jardim, como chega a fazer quando convoca os conceitos de autoria e coleccionismo. Pode o Museu ser um Jardim? é, porém, uma forma estimulante de pensar, auto-referencialmente, as potencialidades temáticas da colecção de um museu, e o próprio conceito de curadoria, autoria e espaço expositivo. Os atributos semióticos do jardim assomam enquanto território de convergência de várias questões, aludindo a uma humanização do jardim ou naturalização do homem, tal como refere simbolicamente a pintura Sem Título (1972) de Luís Noronha da Costa, onde umas paredes brancas sem tecto, que parecem replicar os muros de um museu, visibilizam a paisagem exterior permitindo que a natureza irrompa para o interior do espaço arquitectónico.

 

Sara Castelo Branco 

 

::::

[a autora escreve de acordo com a antiga ortografia]

 



Sara Castelo Branco