Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.


Vista da exposição. Fotografia: Constança Babo.

Outras exposições actuais:

ORLANDO FRANCO

THE EYES ARE NOT HERE


Galeria TREM, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A LINHA EM CHAMAS


Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada
CARLA CARBONE

ISABEL MADUREIRA ANDRADE E PAULO BRIGHENTI

OUTRAS VOZES


O Armário, Lisboa
ANDREIA CÉSAR

MARIA PIA OLIVEIRA

O PONTO PERFEITO


Fundação Portuguesa das Comunicações,
JOANA CONSIGLIERI

BRIDGET RILEY

BRIDGET RILEY


Hayward Gallery, Londres
JULIA FLAMINGO

COLECTIVA

TAXIDERMIA DO FUTURO


Museu Nacional de História Natural de Angola, Luanda
ADRIANO MIXINGE

JÚLIO POMAR

JÚLIO POMAR: VER, SENTIR, ETC. – OBRAS DO ACERVO DO ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR


Centro Interpretativo do Tapete de Arraiolos (CITA), Arraiolos
NUNO LOURENÇO

ELISA STRINNA

SOL CEGO


Espaço Fidelidade Mundial Chiado 8 - Arte Contemporânea, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

FRANCIS BACON

BACON EN TOUTES LETTRES


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

PAULA REGO

PAULA REGO. O GRITO DA IMAGINAÇÃO


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

ARQUIVO:


COLECTIVA

DELLA MATERIA SPIRITUALE DELL’ARTE




MAXXI – MUSEO DELLE ARTI DEL XXI SECOLO
Via Guido Reni, 6
00196 Roma

17 OUT - 08 MAR 2020


 

 

 


Art is, in fact, a necessity to and a product of the spiritual life.
Clive Bell, Art, 1913

 


Na atualidade, a informação, a tecnologia e o digital, áreas em velozes desenvolvimentos, invadem e dominam as várias esferas da vida do homem. Este tem vindo a contribuir para a supremacia da máquina, dando-lhe cada vez mais espaço e chegando, inclusivamente, a incorporar a mesma nos seus próprios comportamentos e modos de ação.

É este contexto elétrico, cada vez mais acelerado e hegemónico que propicia o abandono de conceitos outrora habituais e consagrados, caso dos mitos e enigmas, de metáforas e símbolos, de o espírito e alma, do ritual e sagrado. Estes, conjunta ou separadamente, constituíram inúmeros costumes, tradições e crenças e instituíram bases da fé e da cultura fundamentais e estruturais da sociedade. Face ao seu progressivo esquecimento, principalmente por parte das gerações mais jovens, começam a manifestar-se reações por parte de filósofos, pensadores e artistas que aí encontram o seu objeto de reflexão e de estudo.

Relativamente às práticas artísticas, sabe-se que são fortes ferramentas de problematização daquilo que as antecede, rodeia e se avizinha, bem como formas de comunicação particularmente eficazes não só entre produtores e receptores, mas também entre povos e em diferentes áreas, práticas ou científicas. A arte manifesta-se por meio de expressões que, independentemente da sua natureza formal, imagética e discursiva, podem orientar-se numa mesma rota e com um comum objetivo. Com efeito, foi precisamente com grande heterogeneidade, também característica da contemporaneidade, que se definiu e projetou a exposição no MAXXI - Museo Nazionale delle arti del XXI secolo, em Roma, inaugurada a 17 de outubro de 2019 e passível de visitar até 8 de março de 2020. Pautada pela diversidade das várias proveniências geográficas e culturais dos dezanove artistas convidados, apresentou-se com o título On the Spiritual Matter of Art [1], assim anunciando o conceito definido pelo seu curador Bartolomeo Pietromarchi, o próprio diretor do MAXXI Arte.

Quando visitada, na galeria 4 do museu, revela um forte caráter antropológico e arqueológico, mas cedo se compreende que a mostra não fica presa ou determinada por este. O que se observa é, ao invés, uma construção espacial atual, inesperada e dinâmica, de múltiplos elementos que se conjugam, interagem e dialogam entre si. Materializa-se, assim, numa constelação de obras de arte contemporâneas e de alguns artefactos de forte valor simbólico, datados desde o séc. VIII A.C, época da fundação de Roma. Expressando, deste modo, uma valorização do passado, a proposta é contemplá-lo pelo que foi e significou, reconhecendo ao mesmo tempo a sua forte influência no presente e no futuro. É, aliás, essa mesma consciência que se identifica na capital italiana que, sendo uma das mais antigas da civilização ocidental, preserva e celebra a sua história, simultaneamente acrescentando novas camadas e desenvolvendo-se social, urbanística, cultural e artisticamente.

A relação entre tempos é importante e, como Giorgio Agamben referiu, o contemporâneo deve ser capaz de compreender, de se situar e se mover entre "o tempo que já não é vs o tempo que está por vir". Ora, se as portas da galeria 4 se abrem para um objeto multimédia, metálico, colorido, sonoro e em movimento, Mandala (2003) da artista Kimsooja (1957-, Coreia do Sul), logo de seguida presenteia-se o espectador com uma obra inspirada na histórica Fontana di Trevi, construída no ano de 1762. O que agora se expõe, da autoria de Namsal Siedlecki (1986-, Estados Unidos), parte, conceptual e fisicamente, desse célebre monumento romano, dividindo-se em duas peças: Trevis (2019) e Viandante (2019). Observando o trabalho como um todo, contam-se seis figuras escultóricas com formas humanas e moldadas a partir do cobre de moedas atiradas, acumuladas e extraídas do fundo da fonte. Utilizam-se, pois, vestígios de uma prática que se tornou banal e universalmente conhecida e reproduzida que, por sua vez, deriva do ritual antigo de colocar objetos metálicos à água, através do qual se acreditava manter-se o contacto com diferentes épocas e culturas. Esta obra consiste, assim, num exemplar perfeito do que se procurou e explorou na presente exposição, ou seja, a relação, o cruzamento e o equilíbrio entre o novo e o arcaico.

Também, e relembrando que se encontram distribuídos pela cidade de Roma vários oblíscos indicativos do fascínio do Império Romano pela cultura egípcia, destaca-se o vídeo Nilus (2018), de Michal Rovner (1957-, Israel).

Convocando o dialeto dos hieróglifos, reflete sobre o ser contemporâneo enquanto indivíduo isolado, assim como parte da sua comunidade ou sociedade, no que o artista explica ser uma análise da condição humana. Ainda a referir, pelas suas qualidades simbólica e estética, é a instalação de Yoko Ono (1933-, Japão) que ocupa uma das últimas salas da exposição e sugere a ação e a reflexão coletivas. A obra, intitulada Add Color (Refugee Boat) e originalmente concebida em 1960, foi repensada e reestruturada relativamente ao contexto atual e propositadamente para a presente ocasião. Exibindo-se sob uma nova versão, incide, agora, sobre a problemática dos refugiados e convida à participação do espectador na criação de um mar de traços, desenhos e palavras a tinta azul que acomode os dois barcos dispostos em cena.

Como se refere no texto que acompanha a exposição, On the Spiritual Matter of Art procura reafirmar a centralidade do homem e do seu ecossistema, sugerindo o seu retorno à dimensão espiritual. Se no passado se acreditava que a ligação com essa esfera transcendente se concretizava por via da ligação do indivíduo com uma entidade superior, nos últimos tempos tem-se divulgado a ideia contrária, ou seja, de que a espiritualidade se situa internamente, em cada um. Assim se concebe um universo simbólico, em que tudo dialoga e onde a consciência humana se elabora num espaço que é tão sacro quanto civil e pessoal, diluindo-se barreiras entre áreas que, durante séculos, se acreditava encontrarem-se separadas.

Considerando que a mostra explora de que modo o artista contemporâneo compreende este complexo tema [2], refira-se que, como identifica o conceituado Remo Salvadori (1947-, Itália), é necessário, em primeiro lugar, questionar qual é a espiritualidade da própria arte. Para Namsal Siedlecki, esta situa-se na capacidade do objeto artístico efetuar, para fora de si mesmo e para um outro, uma transferência do seu conteúdo imaterial. Nesse sentido, sugere-se pensar a criação artística como meio de contacto com dimensões abstratas e, de igual modo, enquanto expressão das mesmas no mundo material, o qual é cada vez mais objetual, virtual e digital. Por certo, poderá dizer-se que a arte é uma das maiores forças da espiritualidade, através da qual perpassam e perduram mitos, símbolos, tradições e costumes, sendo a alma - ou a aura - da obra da arte transversal ao espaço e ao tempo.

Paralelamente, e recorrendo às palavras da artista Matilde Cassani (1980-, Itália), pode contemplar-se a possibilidade da espiritualidade da arte deter-se no espectador. Nesse caso, a exibição da obra, a sua recepção e a decorrente experiência estética são particularmente importantes e encontram-se excepcionalmente potenciadas por esta magnífica exposição.

 

 

 

 

:::

 

Notas

[1] Mais informações em: https://www.maxxi.art/en/events/della-materia-spirituale-dell-arte/
[2] Informação no vídeo promocional: https://www.youtube.com/watch?v=FY46YgKklgc&feature=emb_logo



CONSTANÇA BABO