Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

MELANCOLIA PROGRAMADA | UNHARIAS RATÓRICAS


Gabriel Abrantes | Von Calhau
MAAT, Lisboa

Mutações. The Last Poet.


Joana Escoval
Museu Coleção Berardo, Lisboa

A mão que segura e que se eleva no ar


Isabel Baraona, Mafalda Santos e Susana Gaudêncio
Rampa, Porto

The eyes are not here


Orlando Franco
Galeria TREM, Faro

Meia década de resistência tipográfica e editorial - oficinal / projectual / autoral


COLECTIVA
Ar.Co Centro de Arte e Comunicação Visual (Xabregas), Lisboa

Desterrado


António Olaio
Galeria Ala da Frente, Vila Nova de Famalicão

Downtime / Tempo de Respiração


MANON DE BOER
Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Red Lines with Landscapes: Portugal


Evan Roth
Espaço Fidelidade Mundial Chiado 8 - Arte Contemporânea, Lisboa

Aurora | Desenhos e outros materiais


Pedro A.H. Paixão
Galeria 111 (Lisboa), Lisboa

O Coração e os Pulmões


Francisco Tropa
Galeria Quadrado Azul (Novo espaço em Lisboa), Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLETIVA

Nuovo Cinema Galleria




GALERIA VERA CORTÊS
Rua João Saraiva 16, 1º
1700-250 LISBOA

23 JAN - 07 MAR 2020


Inauguração: 23.01 às 22h, na Galeria Vera Cortês, com a performance Corpo Azul pelo Grupo Dança Imaginal e paisagem sonora ao vivo por Artur Pispalhas



Nuovo Cinema Galleria
Curadoria: Orsola Vannocci Bonsi

1ª sessão: André Komatsu, Carlos Garaicoa, Guido van der Werve, John Wood & Paul Harrison, Jonathas de Andrade e Laure Provost


Nuovo Cinema Galleria é um pretexto para transformar e repensar a galeria como sala de projecção. O título é inspirado no nome do conhecido filme de Giuseppe Tornatore, Nuovo Cinema Paradiso (1988), dando enfâse à maneira como o cinema pode ser entendido, logo visto e vivido, como catalisador de experiências e ligações, tanto a um nível individual como colectivo. Em Nuovo Cinema Paradiso, um pequeno cinema numa aldeia remota da Sicília torna-se o centro da vida social e cultural dos seus habitantes. Mas não só: o milieu específico e especial criado pela sala de cinema convida ao sonho e à reflexão, assim como à exploração de novos mundos e novos modos. Ao mesmo tempo permite o encontro, uma necessidade fundamental da comunidade. E o que acontece quando a galeria “white-cube” se torna numa “black-box” de cinema? Poderá o espectador da galeria de arte contemporânea escapar e entrar noutros, diversos mundos, como na experiência do cinema, através da “vídeo-arte” e da sua experimentação? Poderá a galeria tornar-se também numa ferramenta para a agregação colectiva, exactamente como o cinema de Tornatore?
Nuovo Cinema Galleria pretende repensar o espaço expositivo da galeria como algo acessível, evidenciando a sua capacidade de ser ao mesmo tempo um espaço de descoberta e magia, fascinação, deliberação e maravilha. É um convite para voltar a visitar este espaço numa luz diferente, ou melhor, sem luz, na verdade sem ver o espaço, apagando o white-cube e substituindo-o por uma escuridão confortável e suave.
“A black box do cinema (...) nega intencionalmente tanto a mobilidade do corpo e a percepção do ambiente de maneira a transportar o espectador para longe do seu tempo presente e espaço local, para dentro do espaço narrativo do mundo cinematográfico no ecrã” (Uroskie, 2008:5)1. Um espaço para uma experiência colectiva de abandono em direcção à descoberta e revelação. Esta exposição aborda também questões fulcrais relativas à accessibilidade, pretendida como imediatismo da imagem, já que a “vídeo-arte”, como a arte cinematográfica, apresenta intencionalmente ideias (em vez de objectos) de uma maneira mais compreensível e empática que pode ser compartilhada com um público mais amplo. Nuovo Cinema Galleria inclui três sessões, cada uma com a duração de mais ou menos duas semanas e composta por uma série de vídeos projectados em loop durante as horas de abertura. Cada uma das três sessões explora um tema diferente mas juntas geram um diálogo entre as obras dos artistas representados pela galeria e outras por artistas e realizadores convidados, criando um discurso contínuo de imagens fluindo em movimento. Para além disso, cada sessão será acompanhada por um evento, um momento de luz e, mas não só, acção ao vivo e agregação colectiva, completando-a.


Artistas: Adrien Missika, Ana Vaz, André Komatsu, André Romão, Anna Franceschini, Carlos Garaicoa, Evy Jokhova, Grupo Dança Imaginal, Guido van der Werve, Haris Epaminonda, Joana Escoval, John Wood and Paul Harrison, Jonathas de Andrade, Laure Prouvost, Maddalena Ugolini, Michela de Mattei, Nuno da Luz