Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Que horas são que horas, uma galeria de histórias


COLECTIVA
Galeria Municipal do Porto, Porto

ABOUT TODAY


João Louro
Zet Gallery, Braga

Cortelho


Daniel Moreira e Rita Castro Neves
Sput&Nik the window, Porto

Um esqueleto entra no bar...


Paulo Lisboa
Fundação Leal Rios, Lisboa

Surender, Surender


NIKOLAI NEKH
Balcony, Lisboa

Cuir PopCreto


Lyz Parayzo
Maus Hábitos - Espaço de Intervenção Cultural, Porto

Luto


Gustavo Sumpta
Galeria da Casa A. Molder, Lisboa

Falso Sol Falsos Olhos


Elisa Pône
Galeria Quadrum, Lisboa

Welcome to Paradise!


Luís Ribeiro
Espaço MIRA, Porto

¿De qué casa eres? Episodios de un cotidiano. Del bando republicano en la Guerra Civil Española


Ana Pérez-Quiroga
No.No, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


SANDRA BAÍA

19_20




TRAVESSA DA ERMIDA
Mercador do Tempo Lda Travessa do Marta Pinto 21
1300-390

18 JUL - 22 AGO 2020


inauguração: 18 de Julho de 2020
O horário de visita à exposição é de 3ªfeira a sábado, entre as 14:00 e as 18:00.



19_20, de Sandra Baía

No trabalho de Sandra Baía, as relações internas do objecto-obra e aquelas outras activadas com o espaço e o corpo constituem-se como modo de criar múltiplos espaços de reflexão e de discurso. Por vezes, o objecto, tendencialmente iconográfico de uma cultura popular e de consumo em massa, é encontrado e intervencionado, nesta apropriação manipulando e deslocando o seu sentido; em outros momentos, a obra criada concilia técnicas e materiais próprios da produção industrial e manual. Em ambos os casos, fá-lo desde logo sugerindo ausência e presença, não apenas as da artista mas também, e enfaticamente, as do observador, ele próprio convocado a olhar-se enquanto agente social e cultural. A ambiguidade deste carácter formal e conceptual é construída por um, ou em um, vocabulário artístico em que se confrontam solidez e imaterialidade, robustez e esbelteza, equilíbrio e instabilidade, amplidão e exiguidade, aspereza e suavidade, num mesmo momento acrescido pela absoluta intencionalidade do habitual recurso a materiais reflectores que integram o observador enquanto elemento constitutivo da obra, a elementos luminosos que definem ou modelam a obra e o espaço, à especificidade da ocupação do espaço pela obra, e à convocação do movimento do observador, operando uma oposição entre o íntimo e o público, entre o individual e o comunitário, entre o próximo e o remoto, entre o real e o aparente. Tratar-se-á de uma prática estética movida por um senso ético.
A recorrência no trabalho de Sandra Baía a estas tramas tecidas entre tensões traduz a intenção em colocar o observador perante si mesmo, e activar respostas emocionais às complexidades e individualidades da sua própria condição, e dos mundos internos e externos em que esta se inscreve.
Em «19_20», Sandra Baía apresenta duas obras que atravessam a sua produção nos anos invocados pelo título da exposição, elas mesmas instaurando dualidades adicionais.
Artisticamente, é apresentada uma obra concluída e um ensaio, maquete ou trabalho em curso. Numa, a acumulação do detalhe interno, a obstinação de uma composição interna que, sem dissolver a unidade, decompõe-se em minúsculos fragmentos no espaço unitário do suporte. Noutro, a sintetização do detalhe no engrandecimento da escala, na frugalidade de texturas, na sobriedade da palete cromática. Conceptualmente, é revelada uma acção ou reacção perante o tempo. Numa, a invocação de uma espécie de filigranismo que requer a pausa, a suspensão. Noutro, a insuperabilidade de uma aceleração que inalcançavelmente se escapa.

Emília Ferreira