Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Ventriloquismo


VERA MOTA
Galeria Bruno Múrias, Lisboa

The Next Shift


Anna Hulačová
Galeria Pedro Cera, Lisboa

Sob o peso frágil da pálida abóbada


COLECTIVA
Arquipélago - Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande - Açores

OBJETO INFINITO OU UM BEM MAIOR. Primeiro conjunto de dúvidas.


Alexandre A. R. Costa
ARTLAB24 Contemporary Art, Espinho

Ciclo de Exposições e Conversas


Ana Vidigal, Luís Paulo Costa e Exposição Documental
Vários locais / Águeda, Águeda

Que horas são que horas, uma galeria de histórias


COLECTIVA
Galeria Municipal do Porto, Porto

ABOUT TODAY


João Louro
Zet Gallery, Braga

Cortelho


Daniel Moreira e Rita Castro Neves
Sput&Nik the window, Porto

Um esqueleto entra no bar...


Paulo Lisboa
Fundação Leal Rios, Lisboa

Surender, Surender


NIKOLAI NEKH
Balcony, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


PAULO LISBOA

Um esqueleto entra no bar...




FUNDAÇÃO LEAL RIOS
Rua do Centro Cultural, 17-B
1700-106 LISBOA

03 DEZ - 19 MAR 2021


INAUGURAÇÃO. 3 de Dezembro, 14-19h



Um esqueleto entra no bar...
Paulo Lisboa



"Imagens que consistem em nada mais que luz manipulada, de inexorável perfeição, a metáfora mais antiga de todas – dia e noite, bem e mal, a luz como Ser e escuridão como não-Ser – o mesmo em complexidade crescente, mas o que é que isso interessa?"
(...)
"O antigo filósofo Demócrito, que ainda é lembrado pelo seu atomismo austero, (uma espécie de física quântica prototípica), também era conhecido pela sua gargalhada persistente perante o absurdo de pensarmos que sabemos seja o que for. Não existe nada além de átomos e vazio, escreveu. O resto é opinião."
(...)
In Um esqueleto entra no bar..., Alan Fishbone, 2020


Com uma grande economia de operações e também num espaço medial bastante preciso, a obra de Paulo Lisboa experimenta, com sistematicidade e rigor, um conjunto de ambiguidades e de oscilações em torno do desenho, ambiguidades que vão da absoluta ausência de imagem ao simulacro, da mancha à linha, de uma espacialidade etérea à presença saturada da matéria. Estas oscilações e ambiguidades mantêm a sua obra numa zona inquietante de mistério, mas também, ao mesmo tempo, num território laboratorial, marcado por uma experimentação muito consistente e por um grande disciplinamento do gesto artístico.

A sua obra não obedece a um programa medial, mas as suas operações, ou modos de fazer arte, não abandonam uma meditação da matéria e do gesto, pelos quais toda a experiência cultural se constitui. A materialidade surge decomposta e resintetizada nos seus desenhos a traço, como a antevisão de uma nova idade da pedra (filosofal) ou do design da própria natureza, para o qual nos encaminhamos. Paralelamente, a manipulação de velhas máquinas modernas da imagem e da sua fantasmagoria da luz, é convertida em congeminação mecânica do seu próprio desenho. Em cada traço da obra de Paulo Lisboa é retraçado o mistério da relação entre o gesto, a matéria e o pensamento.

UMA LULIK__, 2020


:::


Paulo Lisboa nasceu em Lisboa, Portugal, em 1977.
Estudou Artes Plásticas – Pintura, na Escola Superior de Tecnologias | Instituto Politécnico de Tomar e frequentou o mestrado em Desenho na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa | Universidade de Lisboa.

Apresentou as exposições individuais Imagines Plumbi, Galeria Graça Brandão (2018), Lisboa, Portugal; Secção, Casa Museu Medeiros e Almeida (2016), Lisboa, Portugal; Plasma, Galeria Graça Brandão (2016), Lisboa, Portugal; Phosphora, Galeria Graça Brandão (2015), Lisboa, Portugal e Plateau, Sala Bébé, (2010), Lisboa, Portugal.

Entre as exposições colectivas em que participou, destacam-se Anuário – Uma visão retrospectiva de arte no Porto, Galeria Municipal do Porto (2019), Porto, Portugal; Muitas vezes marquei encontro comigo próprio no ponto zero, com curadoria de Marta Rema , Atelier – Museu Júlio Pomar (2019); Portugal, Portugueses, Museu Afro Brasil (2016), São Paulo , Brasil; In Absentia, com curadoria de Marta Jecu, Galeria Graça Brandão (2015), Lisboa, Portugal; A Rainha Vermelha, com curadoria de Marko Stamenkovic (2013), Ghent, Bélgica; Straight ahead and then turn, Espaço Avenida (2011), Lisboa, Portugal; O movimento das coisas / Coisas em movimento, M.I.M.O. – Museu da Imagem em Movimento (2011), Leiria, Portugal; VLTRA TRAJECTVM, Expodium (2011), Utrecht, Holanda; Hotchpotch, LxFactory (2010).