Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Et sic in infinitum


José Pedro Croft
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

INTERSECTIO


José de Carvalho e Peter Halley
Fundação Eugénio de Almeida - Centro de Arte e Cultura, Évora

Coleção da Farm Security Administration


COLECTIVA
CEFT — Casa dos Cubos, Tomar

Ninguém termina na ponta dos dedos


Sandra Valle
IMAGO, Lisboa

Vim para enterrar César


Gustavo Sumpta
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

A Life on Stage


Peter Wächtler
Culturgest, Lisboa

Paisagem Continuada


Pedro Chorão
Galeria Monumental, Lisboa

OLHAR DE PERTO, PONTO DE INDECISÃO


JÚLIA VENTURA
Galeria Pedro Oliveira, Porto

Diário – dias incertos


Fátima Mendonça
Galeria 111, Lisboa

PARADEISOS


Henrique Vieira Ribeiro
Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


COLECTIVA

These Walls can Talk




GALERIA BELO-GALSTERER
Rua Castilho 71 r/c esq
1250-068 LISBOA

30 NOV - 21 JAN 2023


INAUGURAÇÃO: 29 de Novembro, das 20h00 às 23h00 na Galeria Belo-Galsterer, Lisboa

Curadoria: Alda Galsterer



:::


Uma exposição que se quer representativa do que foram estes primeiros 10 anos de galeria, os artista com que trabalhámos e continuamos a trabalhar, bem como os artistas que passaram por cá pontualmente e animaram connosco as paredes da Galeria Belo-Galsterer e que com as suas obras – sejam elas escultura, têxteis, pintura, cerâmica, fotografia, desenho ou vídeo – tornaram vivo este projeto que nós, Fernando Belo e Alda Galsterer, iniciámos há 10 anos.

O espaço da nossa galeria é o espaço de uma casa, um espaço que durante décadas serviu pessoas como espaço habitacional e que após várias ocupações diferentes, voltou em 2012 à sua vocação atual: um espaço de casa, que se tornou uma casa para a arte. E uma alternativa ao ‘white cube’ que tantas vezes associamos ao espaço da galeria de arte.
Como apartamento que foi e continua a ser, o espaço da casa é associado aos rituais da vida e do dia-a-dia: é um contentor para as experiências, memórias e sonhos daqueles que a ocupam; neste caso as obras dos artistas aqui apresentados e das pessoas que aqui trabalham todos os dias, e de quem nos visita naturalmente.

Por isso, esta exposição é claramente uma visão subjetiva, muito pessoal da curadora, que tem uma maneira muito livre de ver a arte e gosta de pensar que a arte consegue ser ainda um dos últimos redutos mais inclusivos, um espaço para todos. Acreditamos também que a Galeria Belo-Galsterer é a visão e escolha muito pessoal de artistas que representam a nossa visão e especialmente o nosso gosto: e que a beleza (da arte) está na sua diversidade.

Essa diversidade manifesta-se agora nesta exposição coletiva que conta com os trabalhos dos artistas com que a Galeria Belo-Galsterer trabalha, alguns deles há 10 anos, como Mário Macilau, Mel O’Callaghan e Juliane Solmsdorf. Outros artistas representados pela galeria e presentes na exposição são Paulo Brighenti, Renzo Marasca e Rita Gaspar Vieira. E ainda Chico Aragão, Cristina Ataíde, Pedro Boese, Pedro Calapez, Joana Gomes, João Grama, Claudia Fischer, Friederike Just, Daniela Krtsch, Jorge Molder, António Olaio, Pedro Proença, Pedro Quintas, Teresa Segurado Pavão, Gwendolyn van der Velden e Wolfgang Wirth.



(1) Quem introduziu a terminologia do “White cube” foi Brian O’Doherty com os ensaios “Inside the White Cube” publicados em 1976 na revista americana de arte contemporânea ARTFORUM. Criaram grande impacto e foram muito polémicos na altura, uma vez que questionaram o papel da galeria tradicional no contexto pós-guerra.