Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

PARÓDIA CEGA


Emma Moro, Francisco Menezes, Léna Lewis-King e Vasco Barata
Museu Bordalo Pinheiro, Lisboa

Coco Chanel, além da moda


Gabrielle Chanel
Centro Cultural de Cascais, Cascais

Teínas, Ossos e Outras Iguarias desenhos


Sandra Macieira
Tinta nos Nervos, Lisboa

REVOLUÇÕES (1960-1975)


Júlio Pomar
Atelier-Museu Júlio Pomar, Lisboa

Casa Vale Ferreira


João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira
Casa de Serralves, Porto

os dias estão numerados


Daniel Blaufuks
MAAT, Lisboa

Kubik Comporta Coletiva


COLECTIVA
Kubikgallery, Porto

The touching of the wound


COLECTIVA
DUPLACENA 77, Lisboa

Portugal Ano Zero: livros de fotografia da revolução


COLECTIVA
Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira

ÀS ESCURAS


Rosa Carvalho
Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de exposições é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando as mostras. Envie-nos informação (Press-Release e imagem) das próximas inaugurações. Seleccionamos três exposições periodicamente, divulgando-as junto dos nossos leitores.

 


RITA GASPAR VIEIRA

Água viva




SALGADEIRAS ARTE CONTEMPORâNEA
Avenida Estados Unidos da América 53D


06 JUN - 14 SET 2024


INAUGURAÇÃO: 6 de Junho entre as 17h00 e as 20h30 nas Salgadeiras Arte Contemporânea, Lisboa


:::


«Água viva» é o título da primeira exposição individual de Rita Gaspar Vieira nas Salgadeiras Arte Contemporânea.

Se a memo?ria concerne um passado, a que medida de originalidade e autenticidade podera? aspirar? Esta problematizac?a?o abre uma via de acesso aos desenhos e objectos de Rita Gaspar Vieira. Na?o e? a artista que desenha ou modela o que na?o se mostra enquanto lugar dura?vel de cumplicidades e testemunhos do que anseia so? sobreviver nas ficc?o?es da histo?ria e da raza?o. Sempre inquietando e reconfigurando a reflexa?o sobre a memo?ria, em A?gua Viva, a artista mostra-nos que e? a memo?ria, enquanto meio do transferir re-fundador, enquanto caminho do aproximar afectuoso aos sintomas de usos, de saberes, de relac?o?es, que recria o passado e torna os desenhos e objectos em presenc?a singular, sem aura inalcanc?a?vel ou eco oclui?do, onde o tempo e? vivo e vivi?vel. — Ricardo Escarduça in Folha de Sala.


Durante a inauguração será servido um Morgado do Quintão como cortesia.