Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Miguel Palma, Ego (organismo em crescimento electrónico), 2009.


Miguel Palma, Osmosis, 2009.


Miguel Palma, 80.000 volts para Leonardo da Vinci, 2007.


Miguel Palma, 1964-2044, 2004.


Miguel Palma, T4 para sempre, 2001. Fotografia: © Paulo Costa.


Miguel Palma, Viagem Maravilhosa, 2011.


Miguel Palma,Engenho, 1993.


Miguel Palma, Férias, 2010.

Outras exposições actuais:

MARIANA SILVA

PAVILHÃO DAS FORMAS SOCIAIS


Museu da Cidade - Pavilhão Branco, Lisboa
Bruno Caracol

ZULMIRO DE CARVALHO

ZULMIRO DE CARVALHO: ESCULTURA 1968-2018


Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar
LAURA CASTRO

FRANCISCA AIRES MATEUS

One Centimetre Apart


Águas Livres 8, Lisboa
CATARINA REAL

GUSTAVO JESUS

EXALTAÇÃO DO INTERVALO


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A GUERRA COMO MODO DE VER: OBRAS DA COLEÇÃO ANTÓNIO CACHOLA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
LUÍS RIBEIRO

5ª EDIÇÃO

FUCKIN` GLOBO 2018


Hotel Globo, Luanda
ADRIANO MIXINGE

COLECTIVA

BIENAL DE SÃO PAULO


Bienal de São Paulo, São Paulo
JULIA FLAMINGO

A COLECÇÃO PINTO DA FONSECA

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL


Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa
NATÁLIA VILARINHO

RUI CHAFES E ALBERTO GIACOMETTI

GRIS, VIDE, CRIS


Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, Paris
MARC LENOT

PATRÍCIA SERRÃO

WELTSCHMERZ


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


MIGUEL PALMA

Linha de Montagem




CAM - CENTRO DE ARTE MODERNA
Rua Dr. Nicolau de Bettencourt
1050-078 Lisboa

15 ABR - 03 JUL 2011


Quando em 1878 Hippolyte Gautier visitou a Exposição Universal de Paris, registou o assombro dessa experiência em Les Curiosités de l’exposition de 1878: guide du visiteur, ao referir-se aos engenhos mecânicos de então como os “temíveis e dóceis empregados” criados pelo “cérebro disciplinado” do Homem que era capaz de os parar com o “fraco esforço do dedo numa minúscula alavanca” (1).
Este exemplo, que testemunha o confronto inicial do Homem com a máquina, introduz uma reflexão sobre sua capacidade de fornecer um mundo sem esforços e de provocar ao mesmo tempo admiração e receio. Mais de um século após o surgimento da máquina, existem hoje várias perspectivas sobre a complexa profusão de mecanismos técnicos que convivem connosco e que transformam hábitos e vivências, e que são entendidos ora como uma ameaça, ora como parte inequívoca de uma realidade humana.


Para a exposição Linha de Montagem de Miguel Palma (Lisboa, 1964), a nave do Centro de Arte Moderna, projectada arquitectonicamente para acolher a sua missão pluridisciplinar inicial, foi convertida num pavilhão-fábrica pela reunião de esculturas-objecto num mesmo horizonte de organização espacial, fora de exigências estéticas, pelo recurso a um desenho expositivo solto, criando um diálogo interactivo entre a obra e o observador. Esta tentativa de criar um laboratório de ideias é visível também pelas características dos trabalhos apresentados através da marcada presença de esboços projectuais e de maquetes que acompanham a concretização de um raciocínio. Esta aparente mostra de inventos inserida numa sala de exposição, devolve um desequilíbrio instável e confuso na experiência do observador pela existência de um desvio no sentido comum e natural dos objectos. A colocação de objectos com funções desarticuladas numa sala de exposição desvirtua o seu propósito já que “o funcional não qualifica de nenhuma maneira o que está adaptado a um fim mas o que está adaptado a uma ordem ou a um sistema” (2).


Miguel Palma trabalha num extenso terreno de configuração de conceitos para onde confluem a análise das ambiguidades e incongruências da racionalização do mecânico e do tecnológico e a sua desarticulação em relação à subjectividade do humano, na imposição de coordenadas não naturais na recepção da máquina pelo corpo. Cria engenhos para falar do modo como nos apropriámos dos objectos e como exercemos uma “quase autoridade da nossa presença no mundo ” (3). O artista não reproduz o falhanço da ideia de progresso no sentido óbvio, este raciocínio é esperado ao observador e retirado através da dinâmica da descoberta, impondo um envolvimento activo no processo de leitura da obra.


Para criar esta desarticulação o artista recorre a procedimentos técnicos que são próprios da ciência para construir um efeito que pertence ao domínio do artístico, por exemplo em Pleura, 2009, onde cria um agrupamento de ambientes fabricados − o ar de hospital com ar fresco e ar puro, em que o resultado é uma escultura de formas geométricas. Esta relação entre a linguagem da arte e a ciência está presente em Pinturas Catalíticas, 2007, cujo processo mecânico criado por uma máquina resulta na representação de uma paisagem, um tema clássico na história da arte; em 80000 volts para Leonardo da Vinci, 2007 que reconfigura o processo da pintura e desmistifica o conceito de mão criadora; e também em Press me, 2001, dispositivo que produz uma miniatura de uma obra de Van Gogh quando um aparelho é activado. A criação de mapeamentos, mecanismos de controlo, sistematização e análise, está presente por exemplo na colocação de uma máquina de picar ponto no início da exposição que introduz na dinâmica da sala de exposição um procedimento abstracto e mecanizado. Outros processos de medição particularizam-se na incorporação da identidade do artista nas esculturas-objecto como poderemos ver em 34’5 vezes o meu tamanho, 2009, e em 1964 – 2044, 2004, que representa através de uma simbologia os 40 anos de vida do artista. A análise dos efeitos da máquina na dinâmica social verifica-se em T4 para sempre, 2001, e na automatização de movimentos em situações de recreio em Férias, 2010. Ainda a reconstituição histórica de A viagem maravilhosa, 2011, mostra como determinados aparatos técnicos sofreram transformações e que a partir de uma coordenada − a necessidade de resolução de problemas, se pode analisar raciocínios que se expressaram na técnica.


Os efeitos do discurso artístico e a capacidade operatória da arte são utilizados na análise antropológica da extensão da nossa relação com a tecnologia que não se orienta exclusivamente para a denúncia da perversidade da máquina, mas para a relação híbrida entre o querer-fazer e a consciência da ameaça dessa acção, o que demonstra uma postura crítica paradoxal. Engenho, 1993, mostra uma relação de entusiasmo conhecedor da ineficácia e desarticulação da máquina face a um terreno do que é humano mas enfatiza o espírito visionário e a capacidade humana de projectar e construir. No discurso de Miguel Palma, a hostilidade não se dirige ao objecto em si mas ao ímpeto destrutivo do homem, tal como verificamos por exemplo em Plataforma Shell que reproduz a apropriação desregulada dos recursos naturais pelo Homem.


Desta ambivalência entre a denúncia do desequilíbrio provocado pela convivência do humano com a máquina e a vontade de a construir, Miguel Palma traça, num diálogo entre a arte, a ciência, a história e as práticas culturais e sociais, um reportório de invenções e ideias, a partir do qual constrói uma postura crítica e interventiva em proximidade com a vida.



NOTAS
(1) GAUTIER, Hippolyte; DESPREZ, Adrien Les Curiosités de l’exposition de 1878: guide du visiteur. Paris: Ch. Delagrave, 1878.
(2) Id., p. 65.
(3) BAUDRILLARD, Jean, El sistema de los objectos. Madrid: Siglo XXI, 2010, p. 6.




Patrícia Barreira