Links

NOTÍCIAS


ARQUIVO:

 

share |

COMEÇA AMANHÃ A 13ª EDIÇÃO DO CIRCULAR FESTIVAL DE ARTES PERFORMATIVAS

2017-09-21




A 13ª edição do Circular Festival de Artes Performativas tem lugar de 22 a 30 de Setembro e tráz a Vila do Conde espectáculos de dança, teatro, música e performance, num programa que inclui autores nacionais e internacionais.

O programa para 2017 inclui trabalhos de Miguel Pereira (Portugal); Teresa Silva e Filipe Pereira (Portugal); Joclécio Azevedo (Brasil/Portugal); Maria Duarte, Sílvia Figueiredo e João Rodrigues (Portugal); Bruno Senune (Portugal); Ana Pi (Brasil/França); Drumming GP apresenta Jorge Peixinho e Eduardo Luís Patriarca (Portugal) e Martine Pisani (França).

Afirmando o compromisso com a criação artística contemporânea, o festival associa-se a novos projectos, através de co-produções e encomendas, que serão apresentados em estreia absoluta e nacional.

A abertura do Festival decorre a 22 de Setembro (Sexta-feira), às 21h30, no Teatro Municipal de Vila do Conde com a peça "Peça para negócio" de Miguel Pereira. Neste projecto, o coreógrafo português questiona os papéis definidos para o espectador e para o artista, desafiando a relação aparentemente estática entre quem faz e quem assiste: "É possível pensar lucrativamente perante a natureza e o objecto de uma pesquisa artística? Como gerir esse paradoxo? Como reinventar-se nos momentos em que questionamos a nossa própria capacidade de superação? Como não cair no esquecimento?".

No Sábado, dia 23 de Setembro, às 21h30, Teresa Silva e Filipe Pereira trazem ao palco do Auditório de Vila do Conde a peça "Nova Criação" que conta com o apoio à criação do Circular Festival de Artes Performativas. Trata-se de um espectáculo de dois jovens criadores que estreia a 15 de Setembro de 2017 no Festival Materiais Diversos, seguindo depois para o Circular Festival. Depois da apresentação do espectáculo em Vila do Conde, decorrerá uma conversa pós-espectáculo com Teresa Silva e Filipe Pereira moderada por João dos Santos Martins (Artista Residente da Circular Associação Cultural).

O fim-de-semana de abertura fica completo com a apresentação no Domingo, 24 de Setembro, às 17h00, no Teatro Municipal de Vila do Conde (Salão Nobre) da performance "Relações Públicas" de Joclécio Azevedo, Artista Residente da Circular Associação Cultural, desenvolvido em colaboração com Nuno Ramalho. Esta performance colaborativa "apoia-se numa prática informal de encontros, alguns mais planeados e desenvolvidos, outros mais espontâneos. Partimos da vontade de discutir, praticar e pensar a criação de laços provisórios, temporais, de relações construídas e frágeis" no qual o encontro é assumido enquanto objecto de estudo, na prática do encontro como treino, como contexto de aprendizagem, como lugar de estudo de movimento, como lugar de produção de estruturas temporárias. Esta performance conta com a participação da Escola de Dança do Centro Municipal de Juventude, Escola de Dança da JUM – Juventude Unida de Mosteiró, Conservatório de Música de Vila do Conde e Camaleões. Após a apresentação da performance, vai decorrer uma conversa às 18h00, no Teatro de Vila do Conde, com Joclécio Azevedo, Nuno Ramalho, Manuela Ferraz (Escola de Dança do Centro Municipal de Juventude de Vila do Conde), Manuela Costa (Escola de Dança da JUM) e moderação de Isabel Costa.

No dia 28 de Setembro, Quinta-feira, às 22h00, o Circular vai até à cidade do Porto para apresentar no espaço da Mala Voadora (Rua do Almada 277, Porto) a peça "sim sim não não" de Maria Duarte, Sílvia Figueiredo e João Rodrigues, um trabalho que tem como ponto de partida uma conversa entre John Berger e Susan Sontag.

O Festival regressa a Vila do Conde na Sexta-feira, 29 de Setembro, com um duplo programa no Auditório Municipal de Vila do Conde. Às 21h30, é apresentada a peça "A Deriva dos Olhos" de Bruno Senune que propõe uma "construção poética sobre o caos, a impotência, a destruição do desejo, o cansaço extremo e o caminho percorrido até uma possível metamorfose que permita a sobrevivência" refere Telma João Santos, responsável pelos textos e documentação deste espectáculo. Bruno Senume é um jovem criador com formação em dança contemporânea no Balleteatro Escola Profissional e que já trabalhou como intérprete com Né Barros, Tânia Carvalho, Joana von Mayer Trindade, Flávio Rodrigues, Joclécio Azevedo, Mariana Tengner Barros, Joana Castro e Victor Hugo Pontes. Em 2017 estreia "A Deriva dos Olhos" no Circular Festival de Artes Performativas. Desde 2015 que colabora com Telma João Santos no seu trabalho autoral, documentação, aconselhamento filosófico, olhar interno/externo.

Às 22h30 do mesmo dia e no mesmo espaço, a coreógrafa Ana Pi estreia em Portugal a peça de dança "Noirblue". Ana Pi refere que a peça "é um exercício que questiona presença, ausência, discursos e temporalidade para produzir uma dança extemporânea alinhada a duas cores específicas: a pele preta e o pigmento azul ultramarino", dedicada aos movimentos activistas internacionais #JovemNegroVivo e #BlackLivesMatter, e a todos que os precederam, pedindo liberdade, dignidade e saúde para a população Negra no mundo.

No último dia do Festival, 30 de Setembro, Sábado, às 19h00, no Teatro Municipal de Vila do Conde (Salão Nobre) decorre em estreia absoluta o projecto "Drumming GP apresenta Jorge Peixinho e Eduardo Luís Patriarca", um concerto de entrada livre que será como uma retrospectiva da obra do período de maturidade de Jorge Peixinho (1940-1995), um dos mais importantes e internacionais compositores de Portugal e da sua história contemporânea, que plasma em cada uma das suas peças os estados do mundo em que viveu. O projecto inclui a estreia absoluta de uma obra encomendada pelo festival a Eduardo Luís Patriarca, compositor que recebeu formação de Jorge Peixinho e que reside em Vila do Conde. No dia anterior, 29 de Setembro, Sexta-feira, às 18:00, no Salão de Festas do Centro Municipal de Juventude de Vila do Conde (Av. Júlio Graça 580), vai ter lugar uma conversa em torno da vida e obra do compositor Jorge Peixinho (1940-1995) e da sua relação com Vila do Conde, através da Academia de Música de S. Pio X (actual Conservatório de Música de Vila do Conde).

Esta conversa vai contar com a participação de Aires Pinheiro (Direcção Pedagógica do Conservatório de Música de Vila do Conde); Teresa Rocha (ex-Directora Pedagógica da Academia de Música de S. Pio X); Eduardo Luís Patriarca (Compositor); Miquel Bernat (Drumming Grupo de Percussão) e Paulo Vasques (Circular Festival) na moderação. A sessão inclui a interpretação da obra Jorge Peixinho Episódios [1960; C.5 min.] pelo Quarteto de Cordas constituído por Sónia Guerra - Violino I; Margarida Costa - Violino II; Anna Pereira - Viola; António Oliveira - Violoncelo.

O encerramento do Festival vai estar a cargo de uma das mais importantes coreógrafas francesas Martine Pisani que apresentará em estreia nacional a peça "Undated" (30 de Setembro, 21h30, Teatro Municipal de Vila do Conde). A peça junta em palco dez coreógrafos e intérpretes com quem a autora trabalhou ao longo do seu percurso, sendo como que uma revisitação de todo o trabalho que realizou. Neste trabalho, Martine Pisani coloca várias questões centrais para as suas performances: "como cheguei até lá, que tipo de materiais produziram? Trata-se de questionar cada uma das situações, quanto à sua verdadeira pertinência". A coreógrafa francesa regressa ao Circular depois de ter levado “Contrebande” a Vila do Conde em 2005.

Ainda no dia 30 de Setembro, às 23h00, no Café do Parque (Av. Júlio Graça 270, Vila do Conde), a coreógrafa Ana Pi acompanhada pelo músico Jideh High Elements vão apresentar um DJ Set para animar a festa de encerramento do festival, num registo descontraído, ao som de dub, reggae, dancehall old school, funk, entre outros.

Mais informação em: www.circularfestival.com





Fonte: Circular Festival de Artes Performativas