Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Amadeo de Souza-Cardoso, “Interior Expressão das Cousas”, c. 1915-1916


Amadeo de Souza-Cardoso, “S/título (Zinc)”, c. 1917


Amadeo de Souza-Cardoso, “Canção Popular”


Amadeo de Souza-Cardoso, “Mongol”, c. 1914


Amadeo de Souza-Cardoso, “Procissão Corpus Christi”, 1913

Outras exposições actuais:

CARLOS BUNGA

THE ARCHITECTURE OF LIFE. ENVIRONMENTS, SCULPTURES, PAINTINGS AND FILMS


MAAT, Lisboa
MIGUEL PINTO

JORGE MOLDER

JEU DE 54 CARTES


Carpintaria de São Lázaro, Lisboa
MARC LENOT

COLECTIVA

WAIT


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MIRIAN TAVARES

TACITA DEAN

TACITA DEAN


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

MANUEL CASIMIRO

MANUEL CASIMIRO - DA HISTÓRIA DAS IMAGENS


Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa
MARC LENOT

INÊS NORTON

DO MEU LUGAR, O QUE EU VEJO


quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, Abrantes
SUSANA RODRIGUES

BARRY CAWSTON

BANKSY'S DISMALAND AND OTHERS


Alfândega do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

RUI CHAFES

DESENHO SEM FIM


Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães
LUÍS RIBEIRO

MARIANA SILVA

PAVILHÃO DAS FORMAS SOCIAIS


Museu da Cidade - Pavilhão Branco, Lisboa
BRUNO CARACOL

ZULMIRO DE CARVALHO

ZULMIRO DE CARVALHO: ESCULTURA 1968-2018


Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar
LAURA CASTRO

ARQUIVO:


AMADEO DE SOUZA-CARDOSO

Diálogo de Vanguardas




FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
Av. de Berna, 45 A
1067-001 Lisboa

15 NOV - 14 JAN 2007

Amadeo e a Vanguarda

O registo de vanguarda que informa a curta produção (1907-1918) de Amadeo de Souza-Cardoso (1887-1918) é ainda hoje uma espécie de oásis modernista na história da arte portuguesa do século XX. A originalidade do mais vanguardista dos artistas portugueses da primeira metade do século passado é uma realidade incontornável que a mostra “Diálogos de Vanguarda”, a grande exposição comissariada por Helena de Freitas para a Fundação Calouste Gulbenkian (CAM), vem agora ampliar de um modo considerável. As novas pistas de investigação desenvolvidas a partir da revelação de um conjunto significativo de obras quase desconhecidas do grande público constituem, na verdade, uma das mais valias desta mostra comemorativa dos cem anos sobre a partida de Amadeo para Paris, a capital da vanguarda artística.

Para além da presença de um núcleo bastante qualificado de obras de alguns dos artistas das vanguardas históricas relacionáveis com Amadeo ao nível de afinidades estilísticas ou experimentais mais ou menos evidentes – desde os mais próximos Modigliani, Brancusi ou o casal Delaunay, aos cubistas Gris, Gleizes, Metzinger ou Archipenko, passando pelos expressionistas Macke, Feininger ou Kokoschka, e ainda pelos russos Malevich, Taltlin, Klioune, Puni, Exter, Popova ou Gontcharova – “Diálogos de Vanguarda” apresenta-nos três importantes quadros do artista português, datados de 1912 e comprados por coleccionadores americanos durante o “Armory Show” (1913), que nunca haviam sido vistos em Portugal, constituindo assim o maior atractivo da presente exposição. Com efeito, as obras “Chateau Fort (Fortaleza)” do Art Institute of Chicago, “Return from the Chasse (Regresso da Caça)” do Museu de Michigan, e “Avant la Corrida (Antes da Corrida)” – descoberta recentemente pela equipa de investigadores liderada por Helena de Freitas e adquirida pelo Centro de Arte Moderna da F.C.G. – contribuem decisivamente, sobretudo as duas últimas, para uma reavaliação do trabalho de Amadeo de Souza-Cardoso, dado que a sensibilidade modernista aí observada, convergindo entre o tardo-simbolismo e algum expressionismo centro-europeu, reforça a ideia de que a primeira fase desta obra, avessa no entanto a qualquer catalogação mais ortodoxa, é afinal a mais decisiva no sentido de uma originalidade muito pessoal que faz aliás de Amadeo não apenas um artista influenciado pelos seus compagnons de route, como ainda um precursor de alguma linhas de desenvolvimento formal com repercussões em artistas como Brancusi ou mesmo Modigliani. Isto é, a presente mostra ajuda-nos a recentrar nestes e noutros trabalhos de 1912 a importância vanguardista de Amadeo, nomeadamente o Álbum “XX Dessins”, mais conhecido e estudado, ou ainda o inédito conjunto de 143 fólios e 83 ilustrações realizado para ilustrar o conhecido texto de Gustave Flaubert “La Legende de Saint Julien L’Hospitalier”, merecendo agora, finalmente, uma cuidada e facsimilada edição integral, acompanhada de um estudo aprofundado da autoria de Maria Filomena Molder. Em contraste com a fase mais convulsiva do pós-cubismo ou das experiências cromáticas e abstracto-geométricas, este deslumbrante conjunto inédito, que pode ser visto na sala do piso inferior do edifício-sede da Fundação Gulbenkian, sublinha a dimensão simbolista do trabalho de Amadeo, ao mesmo tempo que sugere como algumas inquietações futuristas tinham no artista português uma adaptação singular e coordenada com o registo essencialmente (cali)gráfico. Desse modo, texto e imagem conjugam-se numa espécie de paginação poética capaz de convocar de modo simultâneo uma figuração estilizada, africanizada e fragmentada na sua essência, e um compromisso decorativo de leitura simbolista, geométrica ou quase futurista, como só Amadeo podia desenvolver naquele período absolutamente extraordinário de experimentalismo vanguardista.

Observando com deleite as várias dezenas de obras que nos revelam um Amadeo sempre plural, dinâmico, mas agora reconhecidamente mais abrangente, sempre dialogante com as ousadias estéticas seu tempo, sentimos que em Portugal é também possível conceber e realizar exposições de dimensão internacional que ajudam a aprofundar e valorizar os nossos maiores artistas. Aguarda-se, assim, com entusiasmo, a publicação da fotobiografia e do prometido catálogo “raisonné”, tarefas que concluirão o amplo projecto de estudo e divulgação da obra de Amadeo de Souza-Cardoso que o CAM iniciou em 2001.


David Santos