Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Pedro Portugal, "Eu sou uma pintura e faço pintura. Vejam:"


Pedro Portugal, "Umbra e os Irmãos. Narcisos e Isos", 2007


Pedro Portugal, "Mouseion Campus", 2006


Pedro Portugal, "Prognosis", 2006


Pedro Portugal. Vista da exposição na Galeria Fernando Santos, Lisboa


Pedro Portugal. Vista da exposição na Galeria Fernando Santos, Porto

Outras exposições actuais:

MARIANA SILVA

PAVILHÃO DAS FORMAS SOCIAIS


Museu da Cidade - Pavilhão Branco, Lisboa
Bruno Caracol

ZULMIRO DE CARVALHO

ZULMIRO DE CARVALHO: ESCULTURA 1968-2018


Auditório Municipal de Gondomar, Gondomar
LAURA CASTRO

FRANCISCA AIRES MATEUS

One Centimetre Apart


Águas Livres 8, Lisboa
CATARINA REAL

GUSTAVO JESUS

EXALTAÇÃO DO INTERVALO


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

A GUERRA COMO MODO DE VER: OBRAS DA COLEÇÃO ANTÓNIO CACHOLA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
LUÍS RIBEIRO

5ª EDIÇÃO

FUCKIN` GLOBO 2018


Hotel Globo, Luanda
ADRIANO MIXINGE

COLECTIVA

BIENAL DE SÃO PAULO


Bienal de São Paulo, São Paulo
JULIA FLAMINGO

A COLECÇÃO PINTO DA FONSECA

EDUCAÇÃO SENTIMENTAL


Museu Arpad Szenes - Vieira da Silva, Lisboa
NATÁLIA VILARINHO

RUI CHAFES E ALBERTO GIACOMETTI

GRIS, VIDE, CRIS


Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, Paris
MARC LENOT

PATRÍCIA SERRÃO

WELTSCHMERZ


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


PEDRO PORTUGAL

Eu Explico




GALERIA FERNANDO SANTOS (PORTO)
Rua Miguel Bombarda, 526/536
4050-379 Porto

21 ABR - 29 MAI 2007


Para a inauguração da exposição “Eu Explico”, Pedro Portugal preparou uma “explicação polimédia das pinturas” a realizar pelo próprio. Assim aconteceu. O artista explicou-se enquanto veículo de um sistema explicadista e excitou os visitantes a interagir pintando. Não perceberam alguns que a performance não admitia nuances ou desvios auto-recreativos porque as regras estavam, como estão sempre na sua obra, fundamentalmente definidas e programaticamente teorizadas. O acontecimento previa uma acção participativa a realizar numa pintura específica, dentro de campos espaciais, formais e cromáticos previamente calculados e limitados. O desconhecimento, da parte do visitante, da necessidade da subserviência gestual ao aparelho conceptual montado fracassou, ingénua, feliz e oportunamente, a experiência. A pintura fez-se polémica e «feia». O artista gracejou.


“Eu sou uma pintura e faço pintura. Vejam:”. Com esta obra principia a primeira exposição explicadista, que a Galeria Fernando Santos recebeu, praticamente em simultâneo, no Porto (21.04 - 29.05) e em Lisboa (26.04 - 26.05). “O Explicadismo”, segundo os seus empenhadíssimos teóricos, “explica o que é a arte para que não seja preciso explicar a arte e para que servem as suas definições”. Embora só assim recentemente intitulada, a teoria (em termos da sua aplicação metodológica parcial) não é completamente nova. Recua, por exemplo, a Picabia, a Beuys, a Reinhardt, a Duchamp, a Batarda ou a Areal e funda-se obsessivamente sobre um universo de incontornáveis referências filosóficas. O léxico que a caracteriza, de uma complexidade quase sincrética, tem vindo a ser constituído por um conjunto relativamente alargado de agentes próximos de Pedro Portugal e de Pedro Proença, membros integrantes do histórico colectivo «Homeostética», e que vieram agora a tornar-se os explicantes principais ou, pelo menos, os primeiros elementos definitivamente conscientes do seu lugar na «causa explicar».


Discorrer sobre o processo criativo de uma obra que discorre sobre o próprio processo criativo é tarefa árdua. A codificação da imagem discursiva é operada por Pedro Portugal de modo a não permitir uma recepção ingénua da sua pintura. Baralha-nos com uma infinidade de combinatórias e de sentidos possíveis entre os seus vocábulos, diferentes elementos gráficos figurativos, elementares, geométricos e estilizados a que sistematicamente recorre. Criados, manipulados e definitivamente compostos em suporte informático, são posteriormente projectados e virtuosamente pintados, em técnica mista, sobre tela.


A exposição apresenta uma série destas pinturas-discursos relacionais em cujo programa tomam parte elementos semânticos constituintes como o «artom» (micro-partícula; unidade de medida da arte no sistema artomista), a «artéria» (modelo molecular) ou o «artóide» (o próprio artista). Estes, reunidos em esquemas diagramáticos (p.ex.: organigramas, tabelas, sistemas de vectores…) de «expliques», nos quais participam também referências sígnicas de genealogia historicista, cáusticas citações autorais mais ou menos evidentes e recorrentes na iconografia anterior de Pedro Portugal, formulam comentários irónicos sobre o sistema de produção, circulação e celebração artísticas. Agudíssimas reflexões autofágicas, defendem a irredutabilidade da pintura a um qualquer esquema interpretativo exterior a si própria. “Uma pintura é uma pintura é uma pintura”.


Aplicando em latim a terminologia finita à determinação vectorial das acções infinitas, Pedro Portugal estabelece lógicas internas e externas para a explicação das suas pinturas. Enigmas mordazes, persistentemente críticos e elaborados em explosiva inteligência criativa, estas pinturas, das quais formalmente se destacam os dois trípticos apresentados, versões-paródia das pinturas “Jardim das Delícias” e as “Tentações de Santo Antão” de Hieronymus Bosch, humanizam-se nas relações que, não raras vezes, estreitam. O conjunto dividido entre Lisboa e Porto define um incrivelmente inovador programa estético do qual o catálogo, conquista maior da exposição, é o imprescindível documento descodificador porque, infelizmente, Pedro Portugal só explica até fim de Maio.



Lígia Afonso