Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Pedro Portugal, "Eu sou uma pintura e faço pintura. Vejam:"


Pedro Portugal, "Umbra e os Irmãos. Narcisos e Isos", 2007


Pedro Portugal, "Mouseion Campus", 2006


Pedro Portugal, "Prognosis", 2006


Pedro Portugal. Vista da exposição na Galeria Fernando Santos, Lisboa


Pedro Portugal. Vista da exposição na Galeria Fernando Santos, Porto

Outras exposições actuais:

RUI CHAFES E ALBERTO GIACOMETTI

GRIS, VIDE, CRIS


Fundação Calouste Gulbenkian – Delegação em França, Paris
MARC LENOT

PATRÍCIA SERRÃO

WELTSCHMERZ


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

MARCELO BRODSKY

MARCELO BRODSKY. 1968: O FOGO DAS IDEIAS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
MARC LENOT

ROBERT MAPPLETHORPE

ROBERT MAPPLETHORPE: PICTURES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

CATARINA LOPES VICENTE

DESENHOS


Teatro da Politécnica - Artistas Unidos, Lisboa
CATARINA REAL

COLECTIVA

AFRICAN PASSIONS


Palácio Cadaval, Évora
MARIA LUÍSA FERRÃO

EDUARDO FONSECA E SILVA E FRANCISCA VALADOR

SUBTERRÂNEO


Museu Geológico - LNEG , Lisboa
CATARINA REAL

COLECTIVA

A TALE OF INGESTION


Monitor, Lisboa
BRUNO CARACOL

ANISH KAPOOR

ANISH KAPOOR: OBRAS, PENSAMENTOS, EXPERIÊNCIAS


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

FERNÃO CRUZ

Long Story Short


Balcony, Lisboa
CATARINA REAL

ARQUIVO:


PEDRO PORTUGAL

Eu Explico




GALERIA FERNANDO SANTOS (PORTO)
Rua Miguel Bombarda, 526/536
4050-379 Porto

21 ABR - 29 MAI 2007


Para a inauguração da exposição “Eu Explico”, Pedro Portugal preparou uma “explicação polimédia das pinturas” a realizar pelo próprio. Assim aconteceu. O artista explicou-se enquanto veículo de um sistema explicadista e excitou os visitantes a interagir pintando. Não perceberam alguns que a performance não admitia nuances ou desvios auto-recreativos porque as regras estavam, como estão sempre na sua obra, fundamentalmente definidas e programaticamente teorizadas. O acontecimento previa uma acção participativa a realizar numa pintura específica, dentro de campos espaciais, formais e cromáticos previamente calculados e limitados. O desconhecimento, da parte do visitante, da necessidade da subserviência gestual ao aparelho conceptual montado fracassou, ingénua, feliz e oportunamente, a experiência. A pintura fez-se polémica e «feia». O artista gracejou.


“Eu sou uma pintura e faço pintura. Vejam:”. Com esta obra principia a primeira exposição explicadista, que a Galeria Fernando Santos recebeu, praticamente em simultâneo, no Porto (21.04 - 29.05) e em Lisboa (26.04 - 26.05). “O Explicadismo”, segundo os seus empenhadíssimos teóricos, “explica o que é a arte para que não seja preciso explicar a arte e para que servem as suas definições”. Embora só assim recentemente intitulada, a teoria (em termos da sua aplicação metodológica parcial) não é completamente nova. Recua, por exemplo, a Picabia, a Beuys, a Reinhardt, a Duchamp, a Batarda ou a Areal e funda-se obsessivamente sobre um universo de incontornáveis referências filosóficas. O léxico que a caracteriza, de uma complexidade quase sincrética, tem vindo a ser constituído por um conjunto relativamente alargado de agentes próximos de Pedro Portugal e de Pedro Proença, membros integrantes do histórico colectivo «Homeostética», e que vieram agora a tornar-se os explicantes principais ou, pelo menos, os primeiros elementos definitivamente conscientes do seu lugar na «causa explicar».


Discorrer sobre o processo criativo de uma obra que discorre sobre o próprio processo criativo é tarefa árdua. A codificação da imagem discursiva é operada por Pedro Portugal de modo a não permitir uma recepção ingénua da sua pintura. Baralha-nos com uma infinidade de combinatórias e de sentidos possíveis entre os seus vocábulos, diferentes elementos gráficos figurativos, elementares, geométricos e estilizados a que sistematicamente recorre. Criados, manipulados e definitivamente compostos em suporte informático, são posteriormente projectados e virtuosamente pintados, em técnica mista, sobre tela.


A exposição apresenta uma série destas pinturas-discursos relacionais em cujo programa tomam parte elementos semânticos constituintes como o «artom» (micro-partícula; unidade de medida da arte no sistema artomista), a «artéria» (modelo molecular) ou o «artóide» (o próprio artista). Estes, reunidos em esquemas diagramáticos (p.ex.: organigramas, tabelas, sistemas de vectores…) de «expliques», nos quais participam também referências sígnicas de genealogia historicista, cáusticas citações autorais mais ou menos evidentes e recorrentes na iconografia anterior de Pedro Portugal, formulam comentários irónicos sobre o sistema de produção, circulação e celebração artísticas. Agudíssimas reflexões autofágicas, defendem a irredutabilidade da pintura a um qualquer esquema interpretativo exterior a si própria. “Uma pintura é uma pintura é uma pintura”.


Aplicando em latim a terminologia finita à determinação vectorial das acções infinitas, Pedro Portugal estabelece lógicas internas e externas para a explicação das suas pinturas. Enigmas mordazes, persistentemente críticos e elaborados em explosiva inteligência criativa, estas pinturas, das quais formalmente se destacam os dois trípticos apresentados, versões-paródia das pinturas “Jardim das Delícias” e as “Tentações de Santo Antão” de Hieronymus Bosch, humanizam-se nas relações que, não raras vezes, estreitam. O conjunto dividido entre Lisboa e Porto define um incrivelmente inovador programa estético do qual o catálogo, conquista maior da exposição, é o imprescindível documento descodificador porque, infelizmente, Pedro Portugal só explica até fim de Maio.



Lígia Afonso

Soft online viagra difference and levitra cialis between india tadalafil generic viagra sildenafil citrate cream, comparison price levitra viagra cialis viagra vs for sale cialis.
Tadalafil dosage liquid online order propecia http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra which one is better free canada shipping viagra cheap http://www.saludos.com/award.htm best erectile dysfunction pills, shipping viagra free cheap dosage generic viagra.
Vs soft viagra viagra levitra free samples tadalafil tablets 5mg cialis 20mg, where to viagra generic buy finasteride propecia prescription buy no.
Like does what generic pill look cialis viagra prior online usa prescription no cialis vs viagra italiano cialis vs viagra india france cialis in best pills for ed popular ed pills otc, online vardenafil levitra generic online.
Generic propecia cost propecia buy online generic http://www.saludos.com/healthcare/hchome.htm cialis vs viagra cost at walmart side effects sildenafil 100mg http://www.saludos.com/award.htm ed meds online, tab tadalafil discount levitra.
In of viagra cost india tablets levitra australia viagra and difference cialis between vardenafil buy uk, efeito do cialis viagra store.
5 cialis precio mg viagra best levitra or to cost compared cialis viagra of is cialis better than viagra, price 20 tadalafil mg citrate buy 20mg sildenafil.