Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Projecto Morro no Projecto 270


Projecto Morro no Projecto 270


Projecto Morro no Projecto 270


Projecto Morro no Projecto 270


Projecto Morro no Projecto 270


Projecto Morro no Projecto 270


Projecto Morro no Projecto 270

Outras exposições actuais:

ANA HATHERLY

ANA HATHERLY. TERRITÓRIO ANAGRAMÁTICO


Fundação Carmona e Costa, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

ANA HATHERLY

ANA HATHERLY E O BARROCO. NUM JARDIM FEITO DE TINTA


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

HUGO CANTEGREL

ONE DAY IT WILL ALL MAKE SENSE


FOCO, Lisboa
Catarina Real

COLECTIVA

SÃO PAULO NÃO É UMA CIDADE - INVENÇÕES DO CENTRO


Sesc 24 de Maio, São Paulo
JULIA FLAMINGO

BILL VIOLA

A RETROSPECTIVE


Museo Guggenheim Bilbao, Bilbao
ALEXANDRA JOÃO MARTINS, LUÍS LIMA

GILBERT & GEORGE

THE BEARD PICTURES


Lehmann Maupin, Nova Iorque
SÉRGIO PARREIRA

TIAGO MADALENO

NOVO BANCO REVELAÇÃO 2017


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

JOËL ANDRIANOMEARISOA

AUSÊNCIA


UMA LULIK__ Contemporary Art, Lisboa
MARC LENOT

DANIEL STEEGMANN MANGRANÉ

UMA FOLHA TRANSLÚCIDA, NO LUGAR DA BOCA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

MÁRCIO VILELA

ESTUDO CROMÁTICO PARA O AZUL


Ocupart Chiado, Lisboa
MARC LENOT

ARQUIVO:

share |

COLECTIVA

Projecto Morro




PROJECTO 270
Apartado 6
2826-901 Costa de Caparica, Setubal

01 JUN - 15 OUT 2007

Projecto Morro no Projecto 270

O Projecto 270, iniciado em 2005 graças ao trabalho conjunto de Tânia Simões e Nuno Belchior, surge como uma das mais interessantes e descomprometidas iniciativas ao nível da arte contemporânea realizadas recentemente em Portugal. Estabelecendo uma ponte entre práticas artísticas, universo rural e desenvolvimento sustentável, o Projecto 270 tem desenvolvido uma série de actividades em que convidam artistas plásticos a criarem projectos in loco que se articulem com o espaço envolvente e que proponham novas formas de ver a relação entre paisagem rural, natural e criação artística. Situado na Costa da Caparica, numa zona de confim entre espaço urbano, litoral e espaço rural, o Projecto 270 procura gerar uma sensibilização para questões relacionadas com problemáticas ecológicas.

Este ano, para além das habituais exposições individuais que têm vindo a promover desde 2005, organizaram o projecto Morro. Desenvolvido por Vasco Costa e Hugo Canoilas a partir das noções de construção, arquitectura popular, das referências históricas do “Merzbau” de Kurt Schwitters e do trabalho de Hélio Oiticica, Morro resulta da colaboração de um grupo de artistas, nacionais e estrangeiros (Pedro Barateiro, Hugo Canoilas, Vasco Costa, Nuno Faria, Teresa Gillespie, André Maranha, Pedro Tropa, Francisco Tropa, Ruben Santiago, Sancho Silva e Miles Thurlow), que criaram conjuntamente uma intervenção artística segundo os princípios da sustentabilidade e sobrepondo as suas linguagens artísticas, conteúdos estéticos e conceptuais.

O resultado final, ainda em curso, será definido pelos meios, derivando das várias tentativas de levar o trabalho existente do último autor para o discurso do seguinte. A partir destas premissas, executou-se o projecto de uma construção de carácter provisório, que parte de uma estrutura base, em que cada participante desenvolve a sua intervenção sobre a do artista anterior, realizando o seu trabalho como um legado deixado ao autor subsequente.
Cada criador desenvolveu o seu projecto durante quinze dias e entre cada intervenção não há qualquer interrupção dos trabalhos, Morro é um work in progress, em constante mutação e evolução. Será posteriormente desenvolvida uma edição em DVD por Nuno Faria e Pedro Tropa em torno deste projecto.

Por um lado, o Morro ecoa particularmente os “Bólides” de Oiticica, objectos inspirados no “construtivismo das favelas”, estruturas feitas a partir de materiais encontrados nas ruas e tradicionalmente utilizados para construir abrigos, como portas e painéis de madeira. A principal ideia dos “Bólides” era a sua penetrabilidade, podendo ser percorridos e ocupados pelos seus visitantes, tornando-se deste modo esculturas interactivas, móveis e mutantes, tal como se observa no elemento construído por estes oito artistas no Morro.

Por outro lado, a “Merzbau”, obra arquitectónica quase religiosa de Schwitters, construída três vezes pelo artista ao longo da sua vida e desenvolvida ao longo de dois principais eixos, o primeiro arquitectónico, consistindo numa estrutura improvisada e irregular e o segundo escultórico, desenvolvido de forma complexa e quase labirintíca que se desdobrava num espaço de recolha e colecção de objectos, retirados à sua circulação funcional. A “Merzbau” era um projecto contínuo, alterado diariamente e adaptável às necessidades específicas de cada situação criada pelo artista.

Assim também o Morro surge como uma dupla forma e função: se por um lado utiliza elementos díspares, encontrados e recuperados de realidades e funções precedentes, por outro recupera, com a sua estrutura aberta e os seus nichos interiores, a ideia de espaço de trabalho e de contentor de outras experiências e actividades, desenvolvida pelo pintor alemão.

Ao longe, a sua estrutura branca e robusta impõe-se na paisagem costeira da Caparica como um elemento surreal, isolado e simultaneamente utilitário, mas cuja função e uso permanecem desconhecidos. Uma enxada flutua, suspensa no ar, a seu lado, como se ecoando uma actividade agrícola interrompida ou simplesmente evocada.

No seu interior, a obra estabelece múltiplos diálogos e possibilidades de interacção, podendo ser vista e utilizada como plataforma protectora, através dos nichos criados no chão nos quais o visitante se pode sentar e abrigar do sol, como o esqueleto de uma estranha arquitectura funcional em desuso ou como uma forma criada para dar de novo vida a uma série de elementos dispersos e desarticulados que foram sendo recuperados pelo caminho e diálogo destes oito artistas ao longo do seu processo criativo.

A colaboração resultante do “Morro”, tal como o seu resultado em curso, deixam bem claro a importância da existência de espaços como o Projecto 270 que, fora do circuito institucional, se assume como uma plataforma experimental com enormes potenciais sinergéticos e criativos, cujos resultados são surpreendentemente vitais e urgentes no panorama criativo contemporâneo.



Filipa Ramos