Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Sofia Leitão, “The Crystal Cabinet #1”, 2008. Espelho sobre esponja. 104 x 125 x 10 cm


Sofia Leitão, “The Crystal Cabinet #3”, 2008. Espelho sobre esponja. 10 x 41 x 41 cm


Sofia Leitão, Sem Título, 2007. Acrílico sobre papel. 160 x 150 cm


Sofia Leitão, “Parure #2”, 2008. Acrílico s/ papel. 70 x 100 cm

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

CONSTELAÇÕES: UMA COREOGRAFIA DE GESTOS MÍNIMOS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

PEDRO CABRAL SANTO

OMNIA


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

SILVESTRE PESTANA, CAROLINA PIMENTA / JULIÃO SARMENTO, LUÍSA SEQUEIRA, FILIPE MARQUES


Galeria Nuno Centeno, Porto
CONSTANÇA BABO

DAVID HAMMONS

TED JOANS: EXQUISITE CORPSE


Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa
DASHA BIRUKOVA

COLECTIVA

SIGNAL - THE HISTORY OF (POST)CONCEPTUAL ART IN SLOVAKIA


Ludwig Múzeum, Budapeste
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TRABALHO CAPITAL - ENSAIO SOBRE GESTOS E FRAGMENTOS


Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira
LUÍS RIBEIRO

FRANCISCO TROPA

O PIRGO DE CHAVES


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JULIA FLAMINGO

CAROLINE MESQUITA

ASTRAY


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

ERIKA VERZUTTI

ERIKA VERZUTTI


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

HORÁCIO FRUTUOSO

CLUBE DE POESIA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

ARQUIVO:


SOFIA LEITÃO

The Crystal Cabinet




MCO ARTE CONTEMPORÂNEA
R. Duque de Palmela, 141 e 143
4000-373 Porto

05 DEZ - 12 JAN 2009


Sofia Leitão mostra-nos, na galeria MCO, os seus mais recentes trabalhos: quatro esculturas e cinco pinturas. O projecto é inspirado no poema homónimo de William Blake. “The Crystal Cabinet” dá-nos conta do poeta encarcerado com uma chave dourada, por uma dama, num armário de cristal. De um misto entre sofrimento e prazer que está na base do jogo amoroso. Do desencontro que atesta a impossibilidade do amor.

Sofia Leitão apresenta-nos um conjunto de objectos ligados à representação da feminilidade e à sua sofisticação. Construídos em espuma e revestidos a espelho, os materiais e texturas fazem recuar o simbólico quer para o nível da materialidade do objecto, quer para um momento anterior, o da sua produção. Pense-se na artista a recortar e colar as lâminas espelhadas que revestem as peças.

Corpetes, colarinhos e xailes mais do que peças de vestuário são adornos que reflectem a posição da mulher em termos de estatuto e sujeitam-na a critérios de beleza exteriores. O mesmo acontece com as cabeleiras ou com os penteados. A sedução é também conformada socialmente. O facto de se incorporar o espelho como material permite reflectir, devolver o olhar masculino. O erotismo como um campo onde a mulher, ao longo dos séculos pode subverter a sua condição. Por outro lado, os espelhos e as suas arestas evocam sensações contraditórias pelo facto de serem objectos cortantes e ao mesmo tempo apelativos, emanam luz reflectida e permitem ao observador aceder à sua imagem.

O poema é também uma metáfora do próprio acto criativo e nesse sentido torna-se uma alegoria recuperada posteriormente por outros artistas. Pensamos nomeadamente em Mizogushi. Em 1946, em pleno período de ocupação pós-guerra pelos americanos, realiza Cinco Mulheres em torno de Utamaro. O filme retrata a vida do pintor Utamaro, que viveu no século XVII. O pintor procura incessantemente capturar a essência da beleza feminina. Nessa busca chega a utilizar como suporte as costas do seu modelo, fazendo coincidir o objecto representado com a sua representação. E se o seu compromisso é para com um ideal e o seu olhar o protótipo de um olhar masculino, as mulheres que retrata utilizam-no em seu proveito, seja por motivos de vaidade ou para verem consagrado o seu nome. Mas é uma cortesã que, ao matar o seu amante, mostra o caminho, afirmando o seu amor para além de quaisquer constrangimentos.

Para além das esculturas, fazem parte da exposição cinco pinturas (acrílico sobre papel). Quatro têm como título “Parure”, referem-se a objectos de joalharia do século XVII, pensados de uma forma modular para serem utilizados segundo várias configurações em diferentes ocasiões.



Alexandra Beleza Moreira