Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


João Fonte Santa, “Un de ces longs bras se glissa par l’ouverture”. Acrílico sobre tela. 190 x 146 cm


Vista geral da exposição


João Fonte Santa, “Und wer’s nie gekonnt der stehle weinend sich aus dem bund”, 2006. Acrílico sobre tela. 190 x 230 cm


João Fonte Santa, “Und wer’s mie gekonnt der stehle seinend sich aus dem bund #2”, 2008. Acrílico sobre tela. 230 x 160 cm


Vista da exposição

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 2


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

ZHENG BO

THE SOFT AND WEAK ARE COMPANIONS OF LIFE


Kunsthalle Lissabon, Lisboa
DIOGO GRAÇA

PEDRO VALDEZ CARDOSO

O FILHO DO CAÇADOR


Appleton [Box], Lisboa
FRANCISCA CORREIA

CATARINA BRAGA

POST-WORLD


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 1


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

NATÁLIA AZEVEDO ANDRADE

THORNS AND FISHBONES


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

LOURDES CASTRO

A VIDA COMO ELA É


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

TÂNIA CARVALHO

COMO SE UMA CAMADA DE ESCAMAS BEM FECHADA


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

FRANCISCO VIDAL

OFICINA TROPICAL


Zet Gallery, Braga
FRANCISCA CORREIA

MIGUEL CHETA

TODOS NÓS NASCEMOS ORIGINAIS E MORREMOS CÓPIA


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


JOÃO FONTE SANTA

Pintura para uma nova sociedade




MUSEU DO NEO-REALISMO
Rua Alves Redol, nº 45
2600-099 Vila Franca de Xira

19 NOV - 31 JAN 2010


Explorar como Marlon Brando (o Coronel Kurtz do Coração das Trevas de Joseph Conrad e em Apocalipse Now de Francis Ford Coppola) os espaços em branco num mapa, chamá-lo sociedade e preencher-lhe os interstícios com pintura cromada em vez de napalm foi a aventura encetada nos últimos anos por João Fonte Santa. Fazer e ouvir história, a partir de e contida nesse conjunto de trabalhos, como aquela que os Sex Pistols fizeram e apenas quarenta e duas pessoas testemunharam na “Madchester” de 1976, foi a tarefa que o Museu do Neo-Realismo soube, à escala de Vila Franca de Xira, invocar e cumprir com a exposição “Pintura para uma nova sociedade”, a única individual institucional e a mais importante do percurso artístico de Fonte Santa.

Inserida em “The return of the real”, o ciclo de exposições de Arte Contemporânea comissariado por David Santos, a série de trabalhos de João Fonte Santa propõe um historicismo figurativo alternativo que, numa análise subversiva, anula a preponderância cronológica do Museu que a recebe. A nostalgia, longínqua e ficcional, da sua estrutura conceptual defende um olhar muito mais recuado que os anos 40, 50 ou mesmo 60, e protagoniza uma ultrapassagem, em salto divergente, desses períodos históricos. É ao século XIX que o conjunto das pinturas se abre no final da primeira década do século XXI. Ucrónica, a obra de João Fonte Santa especula: e se o século XX nunca tivesse existido?

O steampunk é o ambiente literário referencial da obra de Fonte Santa, confirmado, por exemplo, na apropriação imagética de ilustrações das obras Vinte Mil Léguas Submarinas (1870) e Dois anos de férias (1888) de Júlio Verne, um dos pioneiros da ficção científica. Postula que o desenvolvimento das soluções tecnológicas modernas fundamentais, como sejam o computador, o carro ou o avião, ou as grandes transformações políticas e económicas que se vieram entretanto a verificar, detinham já, muito embora avançados e cerzidos em meios evidentemente diferentes, a maturidade filosófica e processual que apresentam hoje, não obstante a realidade socioeconómica diferentemente vivida. Decorre, em género, do cyberpunk, em relação ao qual mantém a linhagem e o carácter anti-autoritário, mas pretere a complexidade da cibernética às conquistas do vapor.

Coerente com o seu enquadramento científico e temporal, corpus materializado em fichas de madeira, alavancas, rodas dentadas ou outras tecnologias e instrumentos de época, o trabalho de João Fonte Santa é mecânico, fabril, virtuosista e lento. Contraria a imediatez e urgências contemporâneas com a paciência, o rigor micro-especialista e a fisicalidade do trabalho. Delineia uma utopia conspirativa e fantasista que acolhe programaticamente a ideia (e a imagem) da viagem ao passado para nele intervir de forma a anular a possibilidade da ocorrência trágica do futuro presente.

A exposição é composta por oito telas prateadas e cromadas, de grandes dimensões, que espelham e reflectem, por contaminação cromática voluntária, a cor de cobre aplicada, em máxima saturação, às paredes. A actualização, através da aplicação do cromado, da tecnologia da gravura inibe-lhe, paradoxalmente, a sua reprodutibilidade intrínseca, considerando o excessivo espelhamento decorrente da qualidade expressiva da tinta. O conjunto encontra-se confortável, como não podia deixar de ser, numa despretensiosa encenação salonística. O conjunto é completado por um black vídeo funcional que apresenta o registo áudio de “Como vender a história do Capitalismo”, texto retirado às Capital Rules de Noam Chomsky, traduzido pelo próprio João Fonte Santa após a sua incorporação, simultaneamente teórica, linguística e musical, no arquivo revisitável do projecto manifesto que aqui se encerra, quatro anos depois.


Lígia Afonso