Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Jorge Martins, "La Lumière et les Choses", 1976. Óleo sobre tela, 170 x 240 cm. Colecção particular. Fotografia: Mário de Oliveira


Jorge Martins, "Outros Destinos", 2002-2004. Grafite sobre papel, 160 x 120 cm. Colecção do artista. Créditos fotográficos: José Manuel Costa Alves


Jorge Martins, "À l'ombre des objects absents", 2002-2004. Grafite sobre papel, 120 x 160 cm. Colecção do artista. Fotografia: José Manuel Costa Alves


Jorge Martins, "Surfing pencil", 1992. Grafite sobre papel, 100 x 75 cm. Colecção do artista. Créditos fotográficos: José Manuel Costa Alves

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

CONSTELAÇÕES: UMA COREOGRAFIA DE GESTOS MÍNIMOS


Museu Coleção Berardo, Lisboa
JULIA FLAMINGO

PEDRO CABRAL SANTO

OMNIA


Associação 289, Faro
MIRIAN TAVARES

COLECTIVA

SILVESTRE PESTANA, CAROLINA PIMENTA / JULIÃO SARMENTO, LUÍSA SEQUEIRA, FILIPE MARQUES


Galeria Nuno Centeno, Porto
CONSTANÇA BABO

DAVID HAMMONS

TED JOANS: EXQUISITE CORPSE


Lumiar Cité - Maumaus, Lisboa
DASHA BIRUKOVA

COLECTIVA

SIGNAL - THE HISTORY OF (POST)CONCEPTUAL ART IN SLOVAKIA


Ludwig Múzeum, Budapeste
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

TRABALHO CAPITAL - ENSAIO SOBRE GESTOS E FRAGMENTOS


Centro de Arte Oliva, S. João da Madeira
LUÍS RIBEIRO

FRANCISCO TROPA

O PIRGO DE CHAVES


Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa
JULIA FLAMINGO

CAROLINE MESQUITA

ASTRAY


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

ERIKA VERZUTTI

ERIKA VERZUTTI


Centre Pompidou, Paris
MARC LENOT

HORÁCIO FRUTUOSO

CLUBE DE POESIA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CATARINA REAL

ARQUIVO:


JORGE MARTINS

Simulacros - Uma Antologia




MUSEU COLEÇÃO BERARDO
Praça do Império
1499-003 Lisboa

30 JUN - 22 OUT 2006

Os mistérios da luz

Mesmo considerando a retrospectiva que a Fundação Calouste Gulbenkian lhe dedicou em 1993, podemos afirmar que esta é a maior exposição alguma vez realizada entre nós sobre a obra de Jorge Martins, um dos maiores pintores portugueses contemporâneos. Ao ocupar quase a totalidade do piso superior do Centro de Exposições do CCB, esta extensa antológica, comissariada por Margarida Veiga e apoiada num estudo atento e perspicaz de Raquel Henriques da Silva, parece revelar de uma vez por todas, sobretudo às novas gerações, o valor inequívoco de um trabalho plural e persistente, produzido entre os anos 60 e os nossos dias, que explora de um modo constante algumas das infinitas variações promovidas pelo cruzamento disciplinar entre a pintura e o desenho. “Rabiscar, pintar, desenhar foi sempre o modo de me virar para dentro, de reunir no mesmo espaço todo esse vaivém de contradições com que uma metade do meu espírito se diverte para fazer passar o tempo, enquanto que a outra se limita às duas dimensões da pintura para fazer passar o espaço”, assim se confessava Jorge Martins, em entrevista ao Diário de Notícias, no já longínquo ano de 1979.


Entendida como uma espécie de obsessão dialéctica, no limiar da fronteira entre o desenho e a pintura, a obra de Jorge Martins explora há várias décadas os insondáveis ângulos desse mistério ancestral a que chamamos luz. Da representação dos seus efeitos ilusórios ou dos jogos sempre reinventados com a antípoda sombra, recorrendo com frequência a um tromp l’oeil muito particular, o artista reinventa o espaço, os objectos, a sua imagem e projecção pictóricas, confirmando aí o jogo intrínseco do desenho, da sua linearidade real ou virtual, ao inscrever na superfície da tela ou do papel uma subtil poética que não esquece ainda a exploração da sua dimensão abstracta.


Como refere Raquel Henriques da Silva no catálogo, Jorge Martins é um coleccionador compulsivo, que estuda e inventaria a magia dos simulacros, com o olho microscópico de múltiplas extensões imaginárias, onde a ilusão que é sempre todo o trabalho da arte se propõe recriar um mundo próprio e voluntário, que identifica desde logo, em qualquer circunstância, o seu criador. É precisamente nesta dimensão idiossincrática que a obra de Jorge Martins mais se revela essencial e poderosa, resultado de uma investigação alheia a modismos estéreis, confiante sobretudo nos seus resultados, na surpresa por eles promovida. Os seus desenhos, bem como as suas pinturas, emergem de um fundo de referências onde o erotismo, o mistério e a observação da vida quotidiana se misturam em obediência às possibilidades abertas pelo fazer da pintura e do desenho. Todos os objectos e todas as figuras, mesmo todas as cores e todas formas, mais ou menos abstractas, que povoam estes trabalhos como um feliz, profícuo e frutuoso “vaivém de contradições”, parecem servir um propósito apenas, um objectivo final: a descoberta da luz e dos seus espectros. Intuição ou vontade que percorre desde sempre a noite dos tempos, mantendo-se ainda como um dos enigmas mais envolventes sobre a nossa identidade cósmica. Com o seu universo estético, Jorge Martins ajuda-nos a tomar consciência sobre o caleidoscópio de simulacros que invade não só a arte, como a nossa própria vida.


David Santos