Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Vista da instalação na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios Fotografia: João Biscainho.


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Detalhe da instalação na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios  Fotografia: João Biscainho.


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Montagem da instalação na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios  Fotografia: João Biscainho.


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Montagem da instalação na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios  Fotografia: João Biscainho.


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Performance #1 [preview] na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios  Fotografia: João Biscainho.


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Performance #1 [preview] na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios  Fotografia: João Biscainho.


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Vista da instalação na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios Fotografia: João Biscainho.


Susana Mendes Silva, Rectangle Disorder, 2014. Conversa entre João Seguro e Susana Mendes Silva na Fundação Leal Rios. Copyright © Fundação Leal Rios  Fotografia: João Biscainho.

Outras exposições actuais:

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 2


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

ZHENG BO

THE SOFT AND WEAK ARE COMPANIONS OF LIFE


Kunsthalle Lissabon, Lisboa
DIOGO GRAÇA

PEDRO VALDEZ CARDOSO

O FILHO DO CAÇADOR


Appleton [Box], Lisboa
FRANCISCA CORREIA

CATARINA BRAGA

POST-WORLD


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

COLECTIVA

PAUSA | LIVROS - PARTE 1


PLATAFORMAS ONLINE,
SÉRGIO PARREIRA

NATÁLIA AZEVEDO ANDRADE

THORNS AND FISHBONES


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

LOURDES CASTRO

A VIDA COMO ELA É


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

TÂNIA CARVALHO

COMO SE UMA CAMADA DE ESCAMAS BEM FECHADA


PLATAFORMAS ONLINE,
CATARINA REAL

FRANCISCO VIDAL

OFICINA TROPICAL


Zet Gallery, Braga
FRANCISCA CORREIA

MIGUEL CHETA

TODOS NÓS NASCEMOS ORIGINAIS E MORREMOS CÓPIA


CECAL – Centro de Experimentação e Criação Artística de Loulé, Loulé
MIRIAN TAVARES

ARQUIVO:


SUSANA MENDES SILVA

Rectangle Disorder




FUNDAÇÃO LEAL RIOS
Rua do Centro Cultural, 17-B
1700-106 Lisboa

30 JAN - 07 MAR 2014

Rectangle Disorder

À palavra inglesa disorder correspondem, em português, duas significações distintas: desordem - ausência de ordem, desarranjo, desorganização - ; e distúrbio - na sua acepção patológica, enquanto perturbação psíquica. A exposição Rectangle Disorder, de Susana Mendes Silva, patente na Fundação Leal Rios até dia 7 de Março, convoca o espectador, o material e o espaço de exibição, para discutir as possibilidades contidas nesta polissemia, a partir da estabilidade geométrica de um rectângulo.

A exposição é composta por uma instalação que atravessa toda a galeria principal, uma grelha ortogonal suspensa, feita com cabelo humano artificial. As relações de perpendicularidade que se estabelecem entre ângulos e linhas rectas (a cada linha corresponde um fio de cabelo) formam rectângulos que se repetem até à omnipresença. O rectângulo activa, aqui, a arquitectura do espaço expositivo que consiste num paralelepípedo branco, uma variação da “câmara estética única” [1], o espaço (pretensamente) asséptico e neutral que serviu de paradigma expositivo à modernidade – o cubo branco.

Em 2008, Susana Mendes Silva apresentou, por primeira vez, esta instalação, na Appleton Square – um cubo branco perfeito -, replicando, tal como na Fundação Leal Rios, as condições arquitectónicas do dispositivo de exibição, sendo o resultado Square Disorder, uma grelha quadrangular. Ao replicar o quadrado, e agora o rectângulo, a obra duplica a auto-referencialidade a que impele o cubo branco (no momento da contemplação) tornando-a nula. Este exercício obriga o espaço a negociar com a sua própria estrutura, atingindo-se um primeiro, e imediato, grau de desordem.

A desordenação do rectângulo pelo rectângulo, ou do quadrado pelo quadrado, denuncia a falácia de neutralidade associada ao cubo branco e às suas diversas declinações geométricas, mas também destitui espectador de um campo próprio, de uma possibilidade de escolha entre proximidade e distância, pois, neste caso, ver a obra na sua totalidade implica habitá-la – não há contemplação sem participação. O espaço é transformado em território imediatamente comum, onde coabitam lugar, obra e espectador, e é esta comunidade que acciona toda uma espiral de desordem.

De cada um dos vértices da grelha, um segundo tecto que envolve todo o espaço expositivo, pende um fio de cabelo que interpela o espectador na sua fisicalidade pois obriga a um contacto háptico que não faz, contudo, com que Rectangle Disorder se subordine a uma qualquer lógica sinestésica, apenas oferece uma impossibilidade de fragmentação sensorial. Estas condições de convivialidade (imposta) dotam a obra de um imenso potencial performativo. O corpo de cada espectador, que é também participante, tem de encontrar uma forma, sempre subjectiva, de se relacionar com a instalação de Susana Mendes Silva.

Não será por acaso que paralelamente à exposição, decorrem, na Fundação Leal Rios, três performances concebidas a partir de Rectangle Disorder, realizadas pela artista em colaboração com o coreógrafo e performer Miguel Pereira e o sonoplasta Jari Marjamäki. Em "#1 [Preview]" (no passado dia 28 de Janeiro), foi mostrado um momento anterior à inauguração em que ainda decorre a montagem e a quase coreografia a que esta obriga; na sessão "#2 [Manual de Instrução]" (19 de Fevereiro, às 18h; 22 de Fevereiro, às 16h30; e 5 de Março, às 18h), Susana Mendes Silva e Miguel Pereira acompanham os participantes na exploração das diversas relações que um corpo pode estabelecer com a instalação; e em "#3 [Finissage]" (7 de Março, às 22h) é apresentado o momento final, a natureza finita que permeia Rectangle Disorder. As três performances concorrem para um entendimento daquilo que é, neste caso, o ciclo de vida da obra de arte [2].

A natureza do material utilizado - o cabelo humano artificial - tem implicações de diversa ordem. Por um lado, faz com que a obra se situe no limiar da visibilidade (e, portanto, dificilmente fotografável), perturbando a tendência escopofílica humana e desorganizando a normalidade perceptiva. O visível e o invisível assumem-se enquanto instâncias fundamentais na análise das condições de visualidade contemporâneas, ao desordená-las, Susana Mendes Silva, traz também a discussão as relações de poder associadas a todo o processo escópico.
Por outro lado, o cabelo é uma matéria ambígua, moto de fascínio e repulsa. (Na origem desta obra está, como revela Pedro de Llano no texto que acompanha a exposição, um episódio em que uma amiga da artista ia enrolando e arrancando fios de cabelo, depositando-os num cinzeiro). Toda a carga simbólica que lhe está associada, o universo patogénico pelo qual se desloca (do arrancar de cabelos à sua queda), a importância que detém junto de algumas comunidades, ao nível simbólico e ritualísco, fazem desta tessitura capilar um lugar de ausência de ordem, um território que escapa à normalização.

Susana Mendes Silva testa, assim, a resiliência de um rectângulo que, na sua estabilidade geométrica, se insurge como distúrbio, e não como mero simulacro. E o distúrbio é um dos mais poderosos lugares das cartografias contemporâneas.




:::::::::::::::


Notas

[1] O’Doherty, Brian (2007), No Interior do Cubo Branco – A Ideologia do Espaço da Arte, Martins Fontes: São Paulo.
[2] A programação paralela à exposição, incluí também duas conversas, entre a artista e João Seguro (artista), que decorreu no passado dia 6 de Fevereiro; e uma segunda, dia 28 de Fevereiro, que conta com apresentação e moderação de Nuno Crespo (crítico de arte) com a participação de Susana Mendes Silva, Pedro De Llano (historiador de arte e curador) e Miguel Pereira (coreógrafo/ performer).


Ana Cristina Cachola