Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Fig. 1 – Exposição Momento I, vista parcial. Espaço Arte Tranquilidade. Fotografia de João Grama


Fig. 2 – Exposição Momento I, pormenor. Espaço Arte Tranquilidade. Fotografia de João Grama


Fig. 3 - Exposição Momento I, vista parcial. Espaço Arte Tranquilidade. Fotografia de João Grama


Fig. 4 - Exposição Momento I, pormenor. Espaço Arte Tranquilidade. Fotografia de João Grama


Fig. 5 - Exposição Momento I, pormenor. Espaço Arte Tranquilidade. Fotografia de João Grama


Fig. 6 - Exposição Momento I, vista parcial. Espaço Arte Tranquilidade. Fotografia de João Grama

Outras exposições actuais:

MARK BRADFORD

ÁGORA


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

CHEFS-D'OEUVRE. PHOTOGRAPHIQUES DU MOMA. LA COLLECTION THOMAS WALTHER


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

ELLIE GA

GYRES


ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa
MAURO DOS SANTOS GONÇALVES

PEDRO CALAPEZ & ALEXANDRE CONEFREY

UM ESTRANHO AQUI CHEGUEI


Galerias Municipais - Pavilhão Branco, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

FRANCISCO VIDAL & RICARDO PINTO

UTOPIA MACHINE ART ENSEMBLE #0. Composição para Trompete e Guitarra Portuguesa


Eritage Art Projects, Lisboa
CAIO GABRIEL

JOAKIM ESKILDSEN

IMAGO LISBOA PHOTO FESTIVAL


MNAC - Museu do Chiado , Lisboa
MIGUEL PINTO

ANNI ALBERS, JOSEF ALBERS

ANNI ET JOSEF ALBERS. L'ART ET LA VIE


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris
MARC LENOT

SÉRGIO CARRONHA

COMPOSIÇÃO PARA UM ESPAÇO COM BASE NAS ESTRELAS E PLANETAS


Galeria Municipal de Almada, Almada
RITA ANUAR

FERNANDA FRAGATEIRO

A CIDADE INCOMPLETA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
NUNO LOURENÇO

COLECTIVA

X NÃO É UM PAÍS PEQUENO - DESVENDAR A ERA PÓS-GLOBAL


MAAT, Lisboa
CARLA CARBONE

ARQUIVO:


ANDREA BRANDÃO

MOMENTO I




ESPAÇO ARTE TRANQUILIDADE
Rua Rodrigues Sampaio, 95
Lisboa

15 MAI - 25 JUL 2014


“Provavelmente, tudo e todos – e nós mesmos – não somos senão sonhos imediatos da divina Matéria: Os produtos textuais da sua prodigiosa imaginação”.
Francis Ponge, Nova Recolha, 1963.


A primeira vez que experienciei o seu trabalho foi neste mesmo lugar.

Andrea chegava antes das portas se abrirem ao público, de mochila às costas, trazia a matéria que dava corpo à sua peça, A Cidade de Tecla, que se erguia das ruinas em frente aos nossos olhos e por entre as suas mãos.

Seis anos depois, volto a subir o mesmo degrau, coloco os pés sobre o tapete, piso o chão, mas já não existem as ruinas de uma cidade que nunca cessou de ser construída. Nesse mesmo chão está agora a Guarda que delimita o espaço, como se nos preparasse para algo que está prestes a acontecer ou a acontecer. Ali ao lado, na vitrine, espera-se por postais que Andrea há-de enviar de São Paulo, uma correspondência, o que gera um gesto tautológico, talvez um dos primeiros, ou últimos, neste espaço intersticial que é o Momento I.

Vou até George Steiner quando diz que “A ‘resposta’ suscitada pelo questionar autêntico é uma correspondência”, volto e percorro a exposição, só percorrendo a exposição é que podemos perceber isto.

Cada peça parece que nos devolve sempre uma pergunta, que nos questiona. Para começar o facto de claramente o observador ser implicado assim que pisa aquele tapete, depois a forma como a guarda nos questiona e se relaciona com o nosso corpo, a perceção e aproximação ao varão de madeira, a descoberta do Trompe L’oeil, num subtil desdobramento da própria marca do tempo no lugar, uma sobreposição de tempos, depois o corpo do observador que é tornado reflexo sobre a profunda imagem negra. Todo um percurso que se relaciona com o corpo e o espaço, afinal o nosso corpo é a medida de compreensão do espaço, e aqui o espaço não é condicionamento, nem tão pouco um mero receptáculo, mas parte integrante de um diálogo. Cada peça está intimamente relacionada com aquele lugar e com a experiência da artista, dentro e fora dele.

O processo criativo é algo que suscita sempre interesse. O discurso desenhado revela-nos uma espontaneidade sincera e comovida, o resultado do tal questionar autêntico, do uso das suas experiências e de tudo o que habita em torno da artista como potência, uma situação, uma palavra, um filme, um livro, tantos são os elementos que podem polinizar uma obra de arte.

A arte evolui com a vida, e a prática do ofício traz a consistência, fortalece o artista, e torna-o mais háptico. Assim se sente no discurso que tem vindo a desenhar. Um discurso que não se fixa numa disciplina concreta, mas que permite o claro voo para novas possibilidades, Gromaire diz que a beleza é a perfeita adaptação dos meios ao fim em busca.

O Momento I é um espaço intersticial, contém em si a consciência do tempo, o inacabado, o gesto sobre o espaço, a fotografia, e claro a performatividade.


::::

Cláudia Ramos
Artista Plástica e Curadora Independente




Cláudia Ramos