Links

share |

MÚSICA


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017

RICARDO ESCARDUÇA

2017-07-20




Atravessada metade de 2017, e pisando vários terrenos da música, destacamos sugestões adicionais de trabalhos que marcam os primeiros seis meses do ano.

 


SHANNON WRIGHT – “DIVISION”

 

 

Pela mão da etiqueta francesa Vicious Circle com que trabalha desde há anos, 3 de Fevereiro vê chegar o mais recente trabalho da longa carreira da compositora norte-americana Shannon Wright.

A música de Wright é como um ferro em brasa directo ao coração. Desde 1999, data do seu primeiro álbum, a contínua irrequietude da sua alma punk-rock melódica vertida no requinte das suas composições e letras alterna entre a fúria em labareda dos riffs de guitarra e da descarga do martelo sobre os tambores de tom e dos címbalos da bateria e a intensa serenidade, ou serena intensidade, das suas progressões melódicas de piano e guitarra. Esta espinha dorsal, que nunca abandona mas não a impede de espreitar em elegantes apontamentos outros territórios ainda mais acústicos ou ainda mais electrónicos, acompanha as letras de Wright, tão insubmissas quão poéticas, fiéis a essa alma punk.

As oito faixas de “Division” não são mais que a continuidade dos seus precedentes, o que, no caso de Wright, já é muito. Destacam-se “The Thirst” e “Soft Noise”.

 

 

 

ACTRESS – “AZD”

 

 

O produtor britânico lança o seu quinto longa duração de originais em 14 de Abril na londrina Ninja Tunes.

Artista conceptual dedicado a explorar os micro-macro cosmos interiores compostos pelas ligações e circuitos entre as galáxias sensórias e neurológicas, e assim igualmente activar ou intensificar as nossas, Darren Jordan Cunningham vai buscar conteúdos e inspirações diversos para construir “AZD”, desde o futuro em colapso de Blade Runner à reflexão e distroção visuais do “feijão” Cloud Gate de Anish Kapoor, passando pelo trabalho artístico meticuloso e secreto de James Hampton ou pelas auto-projecções psicológicas e inconscientes das sombras de Jung, entre outras fontes inspiratórias. Conceptuamente, Cunningham dá-nos imensa coisa, uma amálgama que, como todas, corre o risco de ser “areia a mais para a camioneta” e perder credibilidade. Contudo, encontra-se o denominador comum no reflexo provocado pelo metal morto que faz confrontar a carne viva consigo mesma. Cunningham transporta este carácter provocador e sugestivo do olhar para os universos interiores e da viagem nos espaços vazios deles para a experiência sensorial do seu house minimalista e conceptual. Tão valido musicalmente quão conceptualmente, as doze faixas formam um todo consistente com o percurso anterior.

 

 

 

TASHAKI MIYAKI – “THE DREAM”

 

 

Da densidade e complexidade conceptual de Actress para as paisagens melódicas de fantasias e emoções do duo californiano.

Tashaki Miyaki existem já há seis anos, apesar de se terem limitado a um EP e uns poucos singles. Isto até 7 de Abril passado, data de lançamento do primeiro longa-duração com o selo da Metropolis Records. Em boa hora surge a estreia.

Ao duo original composto pela multi-instrumentista e vocalista Paige Stark e pelo guitarrista Luke Paguin junta-se Dora Hiller no baixo para produzir treze faixas que andam entre o shoegaze, o noise-rock e o dream-pop.

Efeitos de ecos e de reverbs carregam a voz e a guitarra com as quais se equilibram os teclados, a bateria e o baixo e as cordas de violinos em vagas e vagas sucessivas de uma elegante e texturada sonoridade que tem o mérito de não cair na armadilha da obsessão por inovação que, quando sai mal, sai mal, enquanto simultaneamente se revela personalizada e distinta. De igual forma, as letras são histórias de vida que giram em torno de emoções e sentimentos de perda, esperança, amores e desamores. Tashaki Miyaki não complicam e fazem bem.

 

 

 

SUPERPOZE – “FOR WE THE LIVING”

 

 

2015 foi o ano de estreia do compositor e produtor francês Gabriel Legeleux no território dos longa-duração com o álbum “Opening” a que fizemos referência na altura. 2017 vê Superpoze dar continuidade ao seu percurso, anteriormente marcado por uma mão-cheia de EP’s e singles onde tonalidades mais hip-hop e jazz afloravam à superfície da sua identidade electrónica, em contraste com a etapa presente.

Em 24 de Fevereiro surge “For We The Living” na casa parisiense da Combien Mille Records, a editora que o próprio conduz. As novas oito faixas consolidam as aptidões de Legeleux enquanto escultor sonoro. O maço e ponteiro de Legeleux são os teclados sintetizados, os beats e mais uma parafernália de ferramentas electrónicas. Mantém-se evidente a influência da sua formação musical clássica, o que eleva a estrutura rítmica e melódica das suas composições a patamares de relevo. Na sequência de 2015, a matéria que Legeleux trabalha com precisão resulta num volume onde espaço e amplidão a tornam imaterial e suspensa. Onírica, cristalina, flutuante, a música de Legeleux é a pura experiência auditiva.

 




Outros artigos:

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS