Links


MÚSICA


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO

RICARDO ESCARDUÇA

2017-09-02



 

 

 

É para dizer que sim ou que não? Acaba de conhecer-se algo. Alguém. O que dizer – não há, não pode, mesmo quando há, acaba por desmanchar-se a si mesma ou às mãos dos outros, deve, existir a coisa absoluta, tudo passa, o sim e o não, em alternância, proveitos e perdas. Mais proveitos que perdas neste caso, já lá se vai.

Comece-se pelo sim. “Eyes” é para ouvir alto e bom som e ver-se de olhos e mente bem abertos – prodígio dual da tecnologia: um cabo daqueles de quem percebe da arte tipo RCA ou Jack ou P1 ou P2 das coisas ainda mais ou menos analógicas e que se tocam com as mãos, mas que maravilha, podem ligar o, tão arma de destruição maciça quanto sala e mesa de café para nos sentarmos olhos nos olhos com o resto do mundo, tablet, gadget ou o lá o que é, ao amplificador que, consecutivamente, nos atira, tudo o que queremos ouvir, pelas colunas de médios e agudos e pelo adicional módulo de max bass sound. Música aos altos berros, é o que se quer, mas sem deixar de assistir-se ao vídeo na janela sem fios e cabos do wi-fi, é fundamental. “Eyes” é isso mesmo, para, assim, ouvir/ver.

“Eyes” é o portal de entrada no álbum “No Sides”, 2 de Junho dá-lhe a luz dos dias pelas mãos, sem editora, dos mesmos, o trio israelita Tatran comanda. Para devorar engolir, ouvir/ver antes de mais, antes de tudo, antes de saber-se o que seja para saber.

Denúncia das aptidões técnicas e artísticas dos três, e da forma como as combinam em unidade sonora e visual, camadas e texturas ao mesmo tempo expandidas e contraídas, som e imagem fundem-se num universo de pó e terra, carne e sangue, tempo e espaço, terreno e alienígena. É operático e clássico, não, é tecnológico e futurista. O que é afinal?, não importa, importa ser o que é – história inspirada de epopeias de ontem e, ou, de amanhã, contada no dia de hoje, mero detalhe, importa aqui a ancestralidade em que se sugere, sustenta-se no que foi uma visão do que está para, talvez sabe-se lá, ser.

Ouvidos em alerta, por muito que estejam, não conseguem engavetar em descabidas ambições taxonómicas a espécie geométrica de “Eyes”, laboratório de música experimental e psicadélico, frontão de “No Sides”, – as propriedades rítmicas e melódicas do jazz e soul contemporâneos, do rock progressivo, a invocar o terceiro vértice, ocupa-o a música clássica, um triângulo frontal, já o não é, contorcido, distorcido pela ferramenta electrónica de pés e mãos, exploração singular de dimensões pluridimensionais virgens, ou raramente visitadas por aventureiros de estirpes parecidas. A geometria sonora de linhas e pontos, géneros e espécies misturam-se, fluidifica-se e hipnotiza, feiticeira que é, virulenta e curadora.

Figurantes adicionais numa caverna em Israel, caverna de ontem e, ou, de amanhã, estes personagens, vários; desde a bailarina, dança talvez certamente símbolo, tribal africana de cores, pinturas e adornos a evocar o tempo em que se pôs em pé na savana e se distinguiu do animal; o ser, humano porventura, assim parece, expelido pela sua mãe.terra, primeiros passos são dados, pés e mãos no chão, de quatro; o corpo humano como ele é hoje, erecto sem cara, e vestido de calças será homem, está de calças leggins, será mulher, porventura, não se lhe vê o peito curvilíneo e feminino coberto com as mãos que depois desvendam os olhos que são janelas; aqueles três de negro, buraco talvez vazio de si mesmas, que só circulam e rastejam sem face, seguem ou perseguem alguém, ou com face escondida na nuca; as outras duas, escondidos, só posam parece uma selfie, com máscaras, tal o carnaval em Veneza. Mais ainda há. No mesmo espaço, a caverna de ontem, será de amanhã?, convergem todos eles, os de hoje, representam talvez os de ontem, amanhã, sobre si mesmos, em ritual.

Som e imagem, “Eyes”, música e vídeo, uma magnífica experiência, sublime de fusão, de mistura, de comunhão.

“Eyes”, um ritual global e contemporâneo – num tempo e num espaço de ontem, de hoje e, ou, de amanhã. A tribo global, na geografia a que hoje se chama Israel – umbigo histórico de tantos mundos, tanto para dizer, não nos atrevemos – personagens, movimentos e símbolos em estilos diversos do(s) corpo(s) de espécies várias em ocupação e movimento no espaço umbilical, emblemas, encenação performativa da música inclassificável de “Eyes” em aliança sonora, concordância singular disto e daquilo: um ponto de observação de dinâmicas culturais e sociais, como se criam, mantêm ou alteram.

É Victor Turner que postulou sobre a natureza ambivalente, dimensão liminal e anti-estruturalista dos rituais, reforço da ordem social e cultural e, ou, ignição da alteração, reflexão, revolução. “Eyes”, evocativo de um ritual visual e sonoro, sabe-se lá qual, muitos é certo, compactados na estrutura de uma faixa de música e vídeo e implícitos numa fórmula sugestiva de significados, contextos, interpretações, transforma-se numa experiência sensorial e estética de relevo acentuado porque, tão simplesmente, adquire a superior aptidão de interagir com quem a ela lhe deita os ouvidos e os olhos porque se metamorfoseia enquanto união de culturas, artes expressivas, tecnologias.

Estado transitório, terreno propício à mudança, “Eyes” não traz respostas nenhumas, nem interessa. Antes, na mistura agitada e colocada, coloca-nos, em tensão, sedimentam-se com o peso da gravidades as perguntas sugeridas, as que o fazem superiormente distinto. 

Segue a viagem, experiência. “Eyes” é o frontão de “No Sides”, fluidez não geométrica, “Heavy Moss”, “The Climb” e “No Sides” – a faixa – são as colunas, fachada do monumento, estrutura exemplar na sua sustentação. Quase tão elevadas como “Eyes”, experiência conceptual, estética e artística, dão que falar, relevo merecido, bem mais que um mais na multidão massa, homogénea, de música.

Notáveis executantes instrumentais, simples arranjos e complexos, hábeis e originais improvisos experimentais, ensaio prévio nem vê-lo, saem-lhes da ponta dos dedos numa espécie de sintonia paranormal entre espíritos artísticos singulares, anacrónicos e complementares, Tamuz Dekel na guitarra, figura principal na proa psicadélica e progressiva das composições, Offir Benjaminov no baixo, o espesso pesado manto melódico e Dan Mayo na casa-rítmica da máquina-bateria arrítmica, mistura plastificadora, rica em influências e técnicas e vasta em criatividade e talento. “No Sides”, entidade musical, um ser-vivo diferente, tão excepcional na conjugação inovadora de dissonâncias e harmonias, é veículo de transporte para outras dimensões, desconfortavelmente estímulo e veneno, o território a desbravar. 

“No Sides” é o filho de um concerto, gravação de cinco faixas em que os três da orquestra sobem ao palco com uma ideia absolutamente definida do que vão fazer: sem ideia nenhuma. “No Sides” é cinco faixas de improvisação a cru. Rumo que ao que for, em pleno palco, não é para todos assumir o risco, cara-a-cara com o público e sem nada a que se agarrarem, é preciso ter mãozinhas, que não seja a guitarra, o baixo e a bateria. E uma mão-cheia pedaleiras de efeitos e de parafernálias electrónicas.

A experiência sónica, aventura alucinogénia da música improvisada ao vivo, para lá, por entre, das linhas do jazz, do rock, da electrónica, experimental avant-guarde ou de vanguarda se recuarmos umas dezenas de anos mas actualizada ao dia de hoje. “No Sides”, atmosfera íntima e intensa do palco destilada para um disco excepcional.

Refira-se o não, dito em voz baixa, é de pouca expressão, há nele, no fundo, mais sim que não. Por detrás de “No Sides”, último trabalho fachada de frontão e colunas, já andam por aí desde 2011 em concertos um pouco por todo o lado, bem para lá de Tel-Aviv, cidade natal. “No Sides” é o terceiro na linhagem de Tatran, sucedâneo de “Soul Ghosts” de 2015 e de “Shvat” de 2014. Falta-lhes a electrónica, há muito jazz. Aqui e ali, remetem, frequência esporádica, nomes, valiosos, mas hoje quer-se mais, Billy Cobham ou John Scofield. Hoje quer-se mais, “Soul Ghosts” e “Shvat” entregam-no sem reservas, é um não tímido com bastante de sim, já por lá anda muito rock e experimental, mais disruptivos que os nomes seculares, incontornáveis, do jazz contemporâneo que sugerem. Só lhes falta a electrónica, a de “No Sides”. Vale a pena espreitar, mas é “No Sides” que se fixa no lugar de destaque.

 

 

Ensaio talvez para “No Sides”, já mete muita tecnologia, quem sabe, em 2015 sai o vídeo de animação “Glance” em parceria com o artista visual Shahaf Ram.

Equiílbrio perfeito atingido, do palco para o estúdio, “No Sides” é uma faceta nova em Tatran, e Tatran é um nome que vale a pena seguir, fusão de ambientes e mundos, estado transitório daqui não se sabe para onde, deixando no ar perguntas bastantes, relevantes. Enquanto isso, ouve-se/vê-se alto e bom som, não há muito disto por aí.

 

Tracklist “No Sides”

1. The Climb
2. Heavy Moss
3. No Sides
4. Eyes
5. White Lies

 




Outros artigos:

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS
 
Price in gel india viagra viagra cheap overnight purchase viagra tadalafil dosage 40 mg, vs levitra best cialis online no cheap prescription propecia.
Price tablet in india viagra 50mg discount propecia is the what price of walmart viagra at http://www.socgeografialisboa.pt/viagra-soft-flavored-sildenafil-100mg/ free samples viagra, cialis 20mg online online buy viagra india.
Prices levitra us sale finasteride for online generic cialis levitra viagra generic tadalafil india, pharmacy tadalafil online viagra vs cialis.
Finasteride prescription buy without sildenafil citrate 100mg vs for viagra use cialis recreational sildenafil fiyatД±, vardenafil tadalafil levitra tablet levitra price.
Order online generic viagra uk buy to viagra women where for levitra delivery http://www.socgeografialisboa.pt/buy-propecia-canada-pharmacy/ propecia in india, great tablets levitra cheap britain cheapest viagra generic.
Viagra fast cialis preis original 20mg viagra anxiety http://www.socgeografialisboa.pt/buy-viagra-in-canada-online/ online viagra purchase in india, online buy cialis cheap canada online cialis safe generic.
Buy for women viagra joke viagra mg vardenafil india 40 http://www.socgeografialisboa.pt/purchase-sildenafil-citrate/ sildenafil citrate generic, citrate price 100mg sildenafil lowest tadalafil date expiration.
Women buy for viagra viagra cheapest buy generic viagra cheap for http://www.socgeografialisboa.pt/finax-generic-propecia-drug-facts/ propecia cost in india, sildenafil citrate cena vardenafil levitra tadalafil cialis.