Links


ARTES PERFORMATIVAS


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND

CATARINA TELLO DE CASTRO

2021-05-26



 

 

 

 

As expectativas de um road movie não são muito diferentes das expectativas de uma road trip. Sejam duas horas ou duas semanas, uma viagem é uma viagem.

As expectativas de um nómada relativamente à estrada são muito diferentes de as de um mero turista. Para um será uma vida, para outro será um episódio mais ou menos engraçado para contar aos amigos quando chegar a casa. Uma viagem não é só uma viagem.

Chloe Zhao apresenta-nos uma magnífica Frances McDormand na estrada norte-americana. Uma nova visita ao caminho do deserto desde The Rider, que Zhao faz em busca do realismo bruto da precariedade da vida de classe média nos Estados Unidos. O material é bom: depois de décadas a trabalhar, a descontar para a Segurança Social e a tentar poupar, milhares de americanos vêem-se incapazes de se sustentar, numa altura pós-2008. Muitos destes americanos decidem vender o que lhes resta, comprar uma roulotte ou uma carrinha e seguir para a vida na estrada. Na viagem encontram trabalhos físicos que pagam o suficiente para manter a carrinha e comprar comida. Assim faz Fern, a personagem de McDormand: começa por trabalhar na Amazon, segue para uma pedreira, para uma fábrica de batatas, para um restaurante de fast food, para as limpezas de um acampamento. Fern, tal como os muitos nómadas boomers que partilham consigo o cenário, está em idade de reforma, não tem filhos, é viúva e as suas poupanças não são o suficiente para manter uma vida sedentária. Mas, para lá disto, nos motores da sua carrinha vemos os seus traços de obstinação, resiliência, coragem e algum desespero. Assim é ser nómada. Assim é a matéria-prima de Nomadland. Para lá dos moralismos imediatos que se podem concluir da narrativa, a matéria-prima de Nomadland ainda é verde para tantos prémios. O subtítulo do filme “Sobreviver na América do Século XXI” é um título que tomei como descritivo, embora creia que Zhao, infelizmente, o tenha escolhido por razões morais. Se assim for, será uma injustiça.

 

 

De tudo o que a imagética norte-americana nos ensinou, tira-se a grande lição de que a estrada é um elemento de fé. É uma imagética de expansão e não de lugar, como seria um estilo mais europeu. A extensão da estrada é tanta quanto a extensão das alternativas. Hoje no Arizona, amanhã na Califórnia e daqui a uma semana na Carolina do Norte não é uma mera imagem pop, é uma assinatura cultural profundíssima que emerge de uma simples contingência geográfica. Na cena do churrasco, o cunhado de Fern, um agente imobiliário, diz-lhe que nem todos podem dar-se ao luxo de se fazerem à estrada, como se de um passeio caprichoso ao estilo de um hippie mimado dos anos 60 se tratasse. Fern apressa-se a perguntar-lhe, indignada, se é isso que ele realmente pensa do seu estilo de vida e da motivação para o mesmo. A irmã de Fern logo tenta apaziguar a tensão do momento com uma das falas mais importantes do filme que Zhao poderia ou deveria ter usado como lite motif de toda a longa: “What the nomads are doing is not that different than what the pioneers did.” A vida está numa relação orgânica com a imensidão da paisagem desde há séculos. Foi esta relação tão imediata com o espaço que levou os pioneiros para a viagem, tal como levou os Hell’s Angels, Mark Twain, Hunter S.Thompson, Jack Kerouac, Peter Fonda e, claro, os nómadas. Embora esta ideia possa estar na mente de Chloe Zhao, a sua transformação para o cinema não é assim tão orgânica. Por um lado, os imensos close ups a Fern (claramente destruída pela morte do seu marido) carregam um moralismo desnecessário e desconectado com muitos dos diálogos e monólogos que são esperançosos e, apesar de tristes, resolvidos; falas de pessoas que tomaram a escolha de não viver uma velhice dependente, sedentária e fechada. Os cortes do texto e das rugas de um nómada despojado para overviews da paisagem desértica tão característica dos Estados Unidos causa também confusão. Fern mostra-nos a tristeza da perda de um amor, mas não a tristeza da transformação da sua vida estável e sedentária para a vida de errante pela paisagem belíssima, plástica e infinita dos Estados Unidos.

 

 

Da mesma forma, nenhuma das restantes personagens (nómadas reais) nos mostram na sua expressão corporal ou verbal qualquer lamento pela vida que fazem em viagem. Todos os nómadas que nos são apresentados fizeram as pazes com os seus demónios através da estabilização pela impermanência. A fé destes nómadas não é a de um cristão que vive na dependência de um futuro melhor, mas uma fé no processo que é a viagem, a comunhão com a mudança e com a morte, como a de um budista. Está para se saber se isto é entendido pela realizadora. Por outro lado, a imagem é pouco americana para uma história que o é em abundância: parece ligeiramente desfocada, de cor desmaiada e indiferente aos contrastes de luz e sombra que o Sol do Midwest oferece ao amarelo do chão e à silhueta dos cactos. Onde está a felicidade de um nómada? Onde está a excitação do viajante que se recusa a assentar? Embora seja clara a precariedade que representa viver numa carrinha ao longo do deserto, de costa a costa, pelos extensíssimos Estados Unidos da América, “sobreviver” não é um verbo que faça justiça àquilo que os nómadas de Nomadland transmitem. Não há nada a ser moralizado porque o que há são pessoas que, dentro das suas condições, tomaram um rumo em consciência. Nada há de sobrevivência aqui, mas de vida, apenas.

Desde fotógrafos como William Egglestone e Stephen Shore, a filmes como Thelma and Louise, Easy Rider ou Paris, Texas, a América é um imenso edifício de cores berrantes, de euforia, de Kodachrome e de leve mas permanente melancolia. As cores “explodidas”, os contrastes e a tristeza que se compadece com um hambúrguer, uns whiskys e uma viagem até algures onde haja uma cama mais confortável e uma companhia casual, são a sinfonia americana por excelência: um blues negro tocado por uma big band branca.

Tudo está sempre a mudar porque tudo está vivo, especialmente quando se é nómada. O mundo é enorme e as possibilidades infinitas. Nomadland pode ficar guardado no arquivo de Chloe Zhao para voltar, dentro de uns anos, com mais resolução, entendimento e robustez, sem que, com isto, se neguem as precariedades, a pobreza e a tristeza da perda. Se há coisa que a América nos ensinou é que sentimentos contrastantes podem viver juntos numa viagem que é isso mesmo: uma viagem. Para mim, tal como para Fern e para todos os que sonham com o devorar de quilómetros, uma viagem nunca será só uma viagem.

 

 


Catarina Tello de Castro
Licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Mestre em Ciência Política e Relações Internacionais pela Universidade Católica Portuguesa. Integra o grupo PRAXIS do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e foi fundadora e coordenadora do Núcleo de Estudos Políticos da Universidade de Lisboa. Participou como oradora ou moderadora em eventos de Filosofia em Portugal, Itália, Irlanda e Brasil. Para além dos seus interesses académicos na área da Filosofia, dedica o seu tempo à ilustração e ao cinema.

 

 




Outros artigos:

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS