Links


ARTES PERFORMATIVAS


DEPOIS DE METADE DOS MINUTOS - ENTREVISTA A ÂNGELA ROCHA

LIZ VAHIA

2023-07-10



 

METADE DOS MINUTOS, PQ23, Angela Rocha. © Jakub Hrab 

 

 

 

A Quadrienal de Praga é uma mostra internacional nas áreas do design de cena, cenografia e arquitectura teatral. A cenógrafa Ângela Rocha representou oficialmente Portugal nesta 15ª edição, que decorreu de 7 a 18 de junho de 2023, com o projecto “Metade dos Minutos”. Em conversa com a Artecapital, Ângela Rocha falou sobre esta instalação artística imersiva que incidia na dimensão táctil, e que “mais do que uma ideia” pretendeu “ser um reflexo, permeável à matéria e ao público.” A importância do público como parte da obra é uma questão reforçada aqui pela cenógrafa, chamando a atenção para “a necessidade de dar voz ao corpo e enaltecer as mãos e o seu poder transformador e conector com o mundo e o tempo”, pois a “cenografia não se encerra no teatro assim como o teatro não se encerra no palco.”


Por Liz Vahia

 


:::

 


Como é que descreveria o projecto “Metade dos Minutos”, que recentemente representou Portugal na Quadrienal de Praga de 2023? E de que forma ele se enquadra no objectivo da Quadrienal de apresentar a cenografia como uma experiência que vai “para lá do visual” e que cria “mundos de sensações”? A DGArtes justificou a escolha da proposta curatorial da Ângela com a ênfase que dá ao “visitante como agente activo e decisor”.

Metade dos Minutos é uma instalação artística que se debruça sobre a tomada de consciência do corpo no espaço, apresentando de forma imersiva a reivindicação do Presente espacial e temporal.
O seu núcleo incide na dimensão táctil. Como se através de um gesto que vê, explora texturas de forma saturada, articulando uma realidade de excessos visuais, que pretende reanimar a nossa sensibilidade táctil. Todos os elementos são inteiramente engolidos pela organicidade de texturas distintas num diálogo de afetação entre matéria e corpo, desenvolvido no especto de contrastes entre o que cativa e o que repele.
O seu formato de labirinto impede a objetificação do lugar, privilegiando o potencial meramente exploratório e colocando o visitante no centro da ação. Mais do que um espaço, almeja ser um conetor, mais do que uma ideia deve ser um reflexo, permeável à matéria e ao público.
Enquanto cenógrafa, o público é uma peça fundamental e significante. Metade dos Minutos reflete inevitavelmente essa importância, intensificada pela oportunidade de proximidade. A organicidade viva que reage ao visitante procura um diálogo permeável ao lugar individual do público, implicando-o como agente ativo e decisor.

 

METADE DOS MINUTOS, PQ23, Angela Rocha. © Bruno Simão

 


Sendo o tema desta edição da Quadrienal “Rare” (traduzido para “visões raras” em Portugal), acha que o lado táctil do projecto “Metade dos Minutos” chama a atenção para esta dimensão que agora nos é cada vez mais “estranha”, por afastada da maioria das experiências sensoriais que temos hoje? A pandemia terá contribuído também para essa ideia de que a presença pode estar dissociada do “toque” e da matéria?

Numa era que impera pelo ruído industrial e pela velocidade, quando me confrontei com a temática da Quadrienal de Praga 23 - Visões Raras - foi gritante a necessidade de dar voz ao corpo e enaltecer as mãos e o seu poder transformador e conector com o mundo e o tempo.
A expressão manual sempre me interessou. Por um lado, pelo enriquecimento de vocabulário gestual e expressivo que abarca. Dinamiza o corpo. Flexibiliza a amplitude da sua complexa e meticulosa engrenagem. Aprender uma técnica é participar numa conversa silenciosa. Estamos a ser expostos ao engenho humano e inevitavelmente a vestígios do pensamento que o serviu, a sua necessidade, a sua filosofia, praticidade e lógica. Apropriarmo-nos desses gestos é uma forma de nos aproximarmos do que foi o nosso caminho. Tomar contacto com uma arte do fazer é ler uma forma humana do sentir e do pensar. Por outro lado, na manualidade existe um tempo muito próprio que com o acelerar da vida urbana e a automatização da linguagem maquinal já tantas vezes nos escapa. A presença profunda da tecnologia no nosso dia-a-dia consegue agregar as mais diversas ações nos mesmos gestos – pressionar e deslizar. A perda de vocabulário de expressão é ainda aguçada pelas características das superfícies que pressionamos, que são por norma frias e pouco estimulantes sensorialmente.
No contexto pandémico somámos a este declínio a perda de espaço coletivo. A distância tornou-se a medida de todas as coisas, sobrepondo, erradamente, a noção de perigo ao valor do toque.
A falta de escuta do corpo num caminho de intelectualização excessiva, veda a franqueza e deleite da mera sensação emotiva e ligação plena no estar, do aqui e agora.
A instalação Metade dos Minutos é uma tentativa de reconexão com a escuta do sentir mais terreno.

 

METADE DOS MINUTOS, PQ23, Angela Rocha. © Jakub Hrab

 


As duas “portas de saída” do projecto “Metade dos Minutos” foram concebidas por dois artistas convidados. Como é que surgiu essa ideia e como surgiu o convite ao Diogo Costa e à Telma Faria?
Como é que a ideia de “saída”, pensada conceptualmente, se relacionava com o todo da obra?

O formato de labirinto surgiu como imperativo de movimento. Não objetivar o espaço mas colocar-nos num lugar de possibilidades, numa ideia de futuro que é o percurso e não uma meta.
O futuro quer-se sobretudo plural, daí sentir-me impelida a diversificar e enriquecer a experiência do visitante, conceptualmente e plasticamente, através da integração de obras de diferentes artistas plásticos.
A possibilidade de integração surge enquadrada na ideia de periferia, nas possíveis saídas (invariavelmente entradas também!) do labirinto. A premissa seria dar aos artistas a maior independência criativa possível dentro do desafio do que teria de ser uma porta funcional num percurso que se relaciona intrinsecamente com a ideia do toque.
O convite surge assim aos artistas Diogo Costa e Telma Pais de Faria dos quais tenho acompanhado os seus percursos e com os quais me identifico e admiro.
O Diogo Costa tinha um percurso mais relacionado com o desenho e pintura que me pareceu intrigante na exploração da ideia táctil e a Telma Pais de Faria nas suas criações têxteis com enorme potencial para o toque.
O esforço de criar esta visão e sinergia global foi ainda reforçado pelo facto dessas “saídas” reconduzirem a outros espaços expositivos dos países vizinhos, diluindo a ideia de fronteira e entregando discretamente o visitante na continuação do seu percurso.

 

 

METADE DOS MINUTOS, PQ23, Angela Rocha. © Bruno Simão

 


Consegue fazer já um balanço pós-quadrienal? Que reacções é que registou ao longo do evento, tanto no local como em Portugal? O projeto "Metade dos Minutos" foi mesmo o vencedor do PQ Kids Award desta edição.

A sensação é de missão cumprida. É de felicidade.
Enquanto cenógrafa tenho pouco contacto com a reação das pessoas ao meu trabalho, apesar de estarem sempre no horizonte.
Como existe uma espécie de antecâmara na entrada do labirinto, podíamos ver as reações das pessoas, as expressões, exclamações, sorrisos…
Foi para mim um enorme privilégio receber em primeira mão as reações tão emotivas e generosas, confesso que por vezes até me arrepiei.
Quando frequentemente a reação é um “uau”, há algo dentro de mim que se comove infinitamente, porque de alguma forma por um breve instante sinto que conseguimos deslumbrar aquela pessoa, o que, por mais breve que seja, parece-me uma força vital para caminhar em torno do futuro.
Foram mais de cinco mil visitantes a experienciar Metade dos Minutos, um enorme fluxo, que apesar das filas não impediu a que muitos a quisessem repetir. A pessoa que contabilizamos ter ido mais vezes somou um total de 7 idas.
Foi bonito ver a reação das pessoas quando descobriam o sentido para o qual os alfinetes não magoam, ou o espanto quando se apercebiam que tinham sido espetados manualmente mais de meio milhão de alfinetes.
Foram muitos meses de dedicação e, este gesto laborioso tinha como primeiro e último objetivo chegar às pessoas. Elas é que dão sentido e vida à instalação, por isso não poderia pedir melhor retorno. Obrigada.
Para culminar a nossa presença na Quadrienal de Praga, recebemos o prémio do público jovem, a meu ver os mais exigentes na sua honestidade bruta, o nosso futuro!
Como comentou um visitante num dos últimos dias, fazia-lhe todo o sentido que tivéssemos sido distinguidos com esse prémio porque a instalação tocava numa essência humana.
Quero ainda brindar à fantástica equipa que tornou esta ideia possível, foram mais de 42 mãos a materializa-la!! E salientar a importância do apoio e compreensão que a Direcção-Geral das Artes demonstrou para com os princípios norteantes deste projeto.

Espero que num futuro próximo consigamos voltar a expô-la, estamos a trabalhar nesse sentido!

 

FRAGMENTS II. Obra de Rita Lopes Alves, © Angela Rocha

 


A Ângela foi ainda a responsável pela curadoria do projecto para a secção “Fragmentos II”, onde esteve a peça “1:20” de Rita Lopes Alves. A secção tinha como tema “Magic of Scale”, como é que a peça da Rita Lopes Alves se enquadrava aqui?

A obra 1:20 de Rita Lopes Alves apresenta como núcleo base um fragmento real da sua bancada de trabalho, o maior testemunho da sua obra cenográfica, recetáculo das sucessivas impressões de processos, que resulta, per se, numa obra visual tão fidedigna e histórica como abstrata.
A secção Fragments II tem como mote a reflexão do que remanesce numa arte que é por natureza efémera. Enquanto curadora parece-me de uma enorme pertinência termos acesso a este fragmento, a obra que se faz a si mesma num jogo poético e desprendido com o tempo dos gestos e as suas ausências. A "Magia da Escala" é aqui abordada através da dimensão micro e macro dos registos fragmentados dos seus vários projetos. As circunstâncias atuais, nomeadamente o falecimento de Jorge Silva Melo, incitaramm também a reflexões sobre a nossa própria história e as órbitas da vida e da arte.
A escolha da Rita recai também num fator pessoal. Concluí que o que fica depois dos trabalhos são as pessoas. Foi com a Rita que comecei a trabalhar em Teatro, foi com ela que aprendi como funciona a engrenagem e dinâmica da arte teatral, além da enorme estima que lhe tenho como ser humano. Tirando o óbvio mérito deste convite, ele pretende ser ao mesmo tempo um agradecimento e um elogio.


Como vê o papel de eventos como a Quadrienal de Praga na promoção da ideia de cenografia como criação artística e não só como um “adereço” performativo?

Construir um espaço é construir-nos a nós mesmos.
Uma plataforma com a dimensão da Quadrienal de Praga que reúne fazedores e pensadores de todas as partes do mundo dando-lhes um lugar e tempo para imaginar, problematizar e entrecruzar o futuro da nossa arte, é um passo fundamental para a tornar cada vez mais lata e metamórfica. A criação cenográfica é das artes mais abrangentes, não só pela sua característica única de ter de ser habitada, não se encerrando em si mesma, como é de uma fertilidade imensa por poder ir beber a todas as técnicas e origens. A cenografia não se encerra no teatro assim como o teatro não se encerra no palco.


:::

 

Ângela Rocha, apresentação PQ23, Mirabolante, Lisboa 2023 © Bruno Simão

 

Ângela Rocha
(1988 – Erada, Covilhã)
Frequentou o curso profissional Geral das Artes da Escola Artística António Arroio. É diplomada em Teatro, no curso de Design de Cena, pela Escola Superior de Teatro e Cinema e foi bolseira do Programa Leonardo Da Vinci, em Roma na Companhia Matéria Viva.
Foi assistente de Cenografia e Figurinos na companhia Artistas Unidos. Assinou trabalhos de cenografia e figurinos para encenadores como Cláudia Gaiolas, Guilherme Gomes, Gonçalo Waddington, João Pedro Mamede, Madalena Marques, Maria João Luís, Raquel Castro, Ricardo Neves-Neves, Teresa Coutinho, Tiago Guedes, Tiago Rodrigues, entre outros.
Marcou presença em diversos festivais a nível nacional e internacional, nomeadamente no Festival D´Avignon, com a peça “António e Cleópatra” de Tiago Rodrigues. É cofundadora do Condomínio – Festival de cultura local em espaços habitacionais, num total de 8 edições. Em 2019 venceu o prémio SPA de Melhor Cenografia pelo espetáculo “Sweet Home Europa”, uma produção do Teatro D. Maria II. É atualmente a representante oficial de Portugal na Quadrienal de Praga 2023, a maior mostra internacional de artes plásticas do espetáculo.
No seu trabalho procura aprofundar uma relação sincera entre o potencial plástico intrínseco às matérias, a sua repetição e a via da invocação mais do que uma vertente realista, num diálogo permeável ao lugar individual do público. Caracteriza-se ainda por construir muitas das suas concepções, o que lhe permite um lugar de permanente aprendizagem de meios e formas.

 




Outros artigos:

2024-02-26


A RESISTÊNCIA TEMPORAL, A PRODUÇÃO CORPORAL E AS DINÂMICAS DE LUTA NA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2023-12-15


CAFE ZERO BY SOREN AAGAARD, PERFORMA - BIENAL DE ARTES PERFORMATIVAS
 

2023-11-13


SOBRE O PROTEGER E O SUPLICAR – “OS PROTEGIDOS” DE ELFRIEDE JELINEK
 

2023-10-31


O REGRESSO DE CLÁUDIA DIAS. UM CICLO DE CRIAÇÃO DE 10 ANOS A EMERGIR DA COLEÇÃO DE LIVROS DO SEU PAI
 

2023-09-12


FESTIVAL MATERIAIS DIVERSOS - ENTREVISTA A ELISABETE PAIVA
 

2023-08-10


CINEMA INSUFLÁVEL: ENTREVISTA A SÉRGIO MARQUES
 

2023-07-10


DEPOIS DE METADE DOS MINUTOS - ENTREVISTA A ÂNGELA ROCHA
 

2023-05-20


FEIOS, PORCOS E MAUS: UMA CONVERSA SOBRE A FAMÍLIA
 

2023-05-03


UMA TERRA QUE TREME E UM MAR QUE GEME
 

2023-03-23


SOBRE A PARTILHA DO PROCESSO CRIATIVO
 

2023-02-22


ALVALADE CINECLUBE: A PROGRAMAÇÃO QUE FALTAVA À CIDADE
 

2023-01-11


'CONTRA O MEDO' EM 2023 - ENTREVISTA COM TEATROMOSCA
 

2022-12-06


SAIR DE CENA – UMA REFLEXÃO SOBRE VINTE ANOS DE TRABALHO
 

2022-11-06


SAMOTRACIAS: ENTREVISTA A CAROLINA SANTOS, LETÍCIA BLANC E ULIMA ORTIZ
 

2022-10-07


ENTREVISTA A EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS